Uso insustentável de espécies silvestres ameaça oferta de alimentos e geração de renda, dizem cientistas

Bilhões de pessoas tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento dependem de espécies silvestres de plantas e animais para alimentação, saúde, energia, geração de renda e recreação, entre outras finalidades. Muitas dessas espécies, contudo, estão em declínio, ameaçadas pela exploração excessiva e pelo comércio ilegal, entre outras práticas que têm agravado a crise global da perda de biodiversidade.

Foto: MPF – Postada em: FAPESP

Leia mais »

Funai atua para promover o conhecimento sobre uso tradicional do fogo em comunidades Xavante

A Coordenação de Prevenção a Ilícitos (Copi) da Fundação Nacional do Índio (Funai) vem atuando para promover ações sobre o uso tradicional do fogo por comunidades da etnia Xavante, no Mato Grosso. O objetivo é realizar a troca de conhecimentos e experiências entre indígenas e o Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), com o intuito de aprimorar as atividades de Manejo Integrado do Fogo (MIF) em áreas Xavante, com foco na prevenção a incêndios florestais.

Foto: Divulgação/Funai

Leia mais »

Espécie exótica de lagarto é registrada em Belém

É a primeira vez que a espécie Gymnophthalmus underwoodi é registrada em uma área ao sul do Rio Amazonas, sendo provável que tenha sido introduzida na região acidentalmente, por navios que atracam em Belém. O lagartinho não apresenta riscos para os seres humanos, mas são necessários mais estudos para entender seu impacto para a natureza local

Leia mais »

Mudanças climáticas e da paisagem impactam na conservação de lagartos amazônicos

Estudo investiga como a sinergia do aquecimento global, a perda e fragmentação de habitats naturais interferem na distribuição e conservação de lagartos tropicais. Oito espécies foram identificadas com alto risco de extinção, mas as possibilidades de reduções futuras se estendem para um grande número de lagartos endêmicos da Amazônia.

Leia mais »

Andorinhas-azuis que migram para a Amazônia voltam contaminadas por mercúrio

Mercúrio encontrado na natureza e aquele usado em garimpos nos rios da região acumulam-se nas penas das aves, afetando peso e nível de gorduras, essenciais para migração

Foto: cedida pelo pesquisador – postada em: Jornal da USP

Leia mais »

Museu Goeldi reabre aos finais de semana

A partir do domingo, 5 de junho, a visitação pública no Parque Zoobotânico da instituição volta aos finais de semana e na reestreia tem programação especial marcando o dia mundial do meio ambiente. O agendamento pode ser feito por e-mail ou whatsapp para visitas de quarta-feira a domingo.

Postada em: Museu Goeldi

Leia mais »

Estudo publicado na Science Advances em colaboração com o Inpa mostra que pequenos rios amazônicos influenciam especiação de aves de florestas de terra firme

Considerado o ecossistema mais diverso do mundo, as florestas tropicais na bacia do rio Amazonas contêm mais de 10% de todas espécies conhecidas atualmente. Aves, primatas, sapos e outros organismos apresentam variação na composição de espécies em grandes interflúvios ao longo da planície amazônica. Só de aves a estimativa é de que a Amazônia abriga mais 1.300 espécies.

O trabalho avaliou como rios amazônicos de diversos tamanhos afetam a diversificação de espécies de aves da Amazônia. A pesquisadora do Inpa, Camila Ribas, assina o artigo junto com pesquisadores do Museu Americano de História Natural. Banner: Laísa Maida/ Inpa

Leia mais »

Estudo avalia como moradores de Unidades de Conservação percebem a sustentabilidade da caça nesses locais

Agência FAPESP* – Pesquisadores do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e colaboradores entrevistaram 211 pessoas que moram dentro ou no entorno de nove Unidades de Conservação (UCs) na região amazônica com o objetivo de avaliar como elas percebem a sustentabilidade da caça de subsistência praticada nesses locais.

Foto postada em: Agência FAPESP

Leia mais »

Iauaretê: convivendo com as onças-pintadas em Mamirauá

Carismáticas, ferozes, lindas, traiçoeiras — não importa em que lugar do Brasil você esteja, a palavra “onça” inspira uma variedade de reações e sentimentos que irão da admiração ao medo. Para quem mora na cidade e a onça-pintada é um animal distante, talvez apenas vista na TV ou no zoológico, é mais comum ter uma percepção positiva sobre a espécie. Porém, para quem acorda pela manhã e acha pegadas frescas de onça-pintada passando bem pela porta de sua casa (como já aconteceu na Reserva Mamirauá!), essa relação pode ser mais conturbada.

Postada em: https://www.facebook.com/institutomamiraua

Leia mais »

Comitiva do ICMBio acompanha parceria e desenvolvimento na Flona de Carajás

Com o encontro, foi possível atestar o sucesso e pensar novas possibilidades para a sustentabilidade da região

Foto postada em: ICMBio

Leia mais »

Reserva Mamirauá, na Amazônia Central, é a primeira do planeta a ser monitorada inteiramente em tempo real

O Instituto Mamirauá e a Universidade Politécnica da Catalunha, na Espanha, concluíram a instalação de 22 módulos do Projeto Providence, cuja tecnologia inclui técnicas avançadas de inteligência artificial aplicadas a análises de som e imagem, que estão continuamente identificando e rastreando a biodiversidade da floresta amazônica no 1,12 milhão de hectares de floresta protegida da Reserva Mamirauá

© Projeto Providence / Divulgação Postada em: Instituto Mamirauá

Leia mais »

Bombeiros e Polícia são chamados para retirar onça pintada no Aeroporto de Vilhena

Uma onça pintada precisou ser retirada debaixo de um caminhão no Aeroporto de Vilhena (RO), na manhã deste sábado (09/04).

Postada em: Gazeta de Rondônia

Leia mais »

Comunidade solta mais de 3 mil quelônios na Área de Proteção Ambiental Jará, em Juruti

A comunidade Laguinho, situada na Área de Proteção Ambiental (APA) Jará, em Juruti, no oeste do Pará, realizou no último domingo (10) a soltura de mais de 3 mil filhotes de quelônios nas águas que circundam o rio Amazonas. A iniciativa é da própria comunidade, feita de forma voluntária, e da Prefeitura Municipal e com apoio do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) e da Fundação Alcoa. A soltura ocorre desde 2013 e este ano chegou ao maior número de filhotes devolvidos à natureza.

Comunidade Laguinho realiza soltura há 9 anos na área. – Postada em: Imazon

Leia mais »

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com