Projeto MapBiomas mapeia três décadas de mudanças na ocupação territorial do Brasil

O projeto MapBiomas lança nesta sexta-feira (17) um conjunto de dados de mapeamento que permite investigar a ocupação territorial de qualquer parte do Brasil, ano a ano, desde 1985. A ferramenta, que possibilita descobrir o que ocorreu no país desde então com uma resolução de 30 metros, é pública, inédita, gratuita e de acesso livre. Leia mais »

Conselho propõe ao governo regras para o mercado de carbono

O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) entregou hoje (19) ao ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, uma proposta para a criação e formatação do mercado de carbono no Brasil. De acordo com a presidente do CEBDS, Marina Grossi, é papel do governo estruturar, regulamentar e estabelecer a governança necessária para esse mercado.

Leia mais »

Cientistas que defendem a Amazônia criticam política ambiental de Trump e Temer

A ascensão de líderes políticos mundiais com visões contrárias às mudanças climáticas como resultado da ação humana preocupa os cientistas que participaram do debate Mudança Climática e seu Impacto sobre as Populações Tradicionais da Amazônia. O que esperar?, realizado na semana passada pela Amazônia Real no Instituto Cultural Brasil – Estados Unidos (ICBEU), em Manaus. Desde sua campanha em 2016, o novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, promete retirar o país dos principais acordos para reduzir as emissões dos gases do efeito estufa. 

Leia mais »

Máquinas agrícolas deverão ter motores menos poluentes

A redução da poluição por carros, ônibus e caminhões nas cidades e estradas chega ao campo neste ano. A partir de 2017, tratores agrícolas e colheitadeiras a diesel comercializadas no Brasil serão equipadas com motores menos poluentes. Segundo informações da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA), a redução da emissão de poluentes atmosféricos, que são prejudiciais à saúde humana, é bastante significativa, podendo chegar a 85% de redução na emissão de particulados e até 75% na emissão de óxidos de nitrogênio (NOx).  

Leia mais »

Banco Mundial quer conhecer pesquisas da Embrapa para redução de GEE

O pesquisador Robert Boddey faz esta semana uma série de palestras nos Estados Unidos onde apresentará os resultados das pesquisas da Embrapa para redução das emissões de gases de efeito estufa na agropecuária brasileira. Entre as apresentações, Boddey falará para especialistas da Climate Smart Agriculture, na sede do Banco Mundial, em Washington, D.C. “Vou apresentar o que a Embrapa vem fazendo e explicar que as emissões diminuíram bastante desde 2004 e que isto é resultado das pesquisas e do enorme esforço do Governo brasileiro de diminuir a desmatamento na Amazônia e outras áreas”, adiantou Boddey.  

Leia mais »

Brasil tem de modernizar pecuária para combater mudança do clima

O Brasil deu uma rasteira no clima do planeta em 2015. No ano em que se aprovou o Acordo de Paris para conter o aquecimento global, o país aumentou, em vez de diminuir, a produção de gases do efeito estufa. A maior parte da culpa cabe à agropecuária.

Leia mais »

Emissão do Brasil sobe 3,5% em 2015, diz SEEG

As emissões brasileiras de gases de efeito estufa (GEE) tiveram uma elevação de 3,5% em 2015 em comparação com o ano anterior. O dado é do SEEG (Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estufa), do Observatório do Clima, cuja quarta edição será lançada nesta quinta-feira (27), no Rio de Janeiro. 

Leia mais »

Faltou ao Brasil pensar grande no acordo do clima

2016 está prestes a entrar para a história como o ano do Acordo de Paris – compromisso que visa conter a intensificação do aquecimento global e todas as suas consequências para o homem e o planeta. O Brasil foi protagonista nas negociações que levaram à concretização desse pacto global, o que merece ser reconhecido, mas pode e deve ir além no que diz respeito à sua contribuição para a redução de emissões de gases do efeito estufa (GEE).

Leia mais »

Mudanças Climáticas – Quase 200 países fecham acordo para reduzir um potente gás de efeito estufa

Por volta de 200 países, praticamente todos do mundo, fecharam neste sábado, em Kigali (Ruanda), um acordo internacional para reduzir o uso de hidrofluorcarbonetos (HFC), um potente gás do efeito estufa, muito utilizado no setor de refrigeração. Os HFCs começaram a ser emitidos nos anos noventa do século passado em substituição aos gases que danificavam a camada de ozônio. O acordo alcançado agora significa que o emprego de  hidrofluorcarbonetos seja reduzido entre 80% e 85% até meados do século ao redor do planeta. Os países desenvolvidos começaram a reduzir o uso de HFC em 2019, antes do restante das nações.  

Leia mais »

Ação alerta para as queimadas em florestas e o desmatamento na Amazônia

Músicos e personalidades da TV e do esporte usaram o Instagram para chamar atenção sobre a urgência do Desmatamento Zero no Brasil.  

Leia mais »

Acordo de Paris é insuficiente para frear o aquecimento global, diz relatório da ONU

Análise aponta que serão necessárias medidas drásticas para reduzir gases de efeito estufa e evitar aquecimento de mais de 2 graus Celsius (°C) até o fim do século.  

Leia mais »

Alta concentração de CO2 na atmosfera pode reduzir impactos do clima na Amazônia

No meio da floresta amazônica, um grupo de cientistas está empenhado em responder uma questão considerada decisiva para entender os impactos das mudanças climáticas sobre a Amazônia. Qual é o efeito do aumento do gás carbônico (CO2) da atmosfera sobre o funcionamento da floresta? “Não é uma questão trivial”, já adianta o pesquisador David Lapola, coordenador do projeto Amazon Face, que o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) criou em 2014 para investigar em que medida o CO2 ajuda a floresta a resistir ao aquecimento global. 

Leia mais »

Peru – Proponen aplicar RIA como política pública para territorios indígenas

Servindi, 25 de setiembre, 2016.- La Asociación Interéntica de Desarrollo de la Selva Peruana (AIDESEP) demanda que 12 territorios indígenas, que representan más de 2 millones de hectáreas, sean consideradas en el marco de REDD+ Indígena Amazónico (RIA), que más que una propuesta debe convertirse en un Programa Nacional y una política pública. 

Leia mais »