Polícia Federal expulsa mais de 50 garimpeiros ilegais de terra indígena do Pará

VILHENA (RO) – O cerco fechou para o garimpo ilegal cometido na Terra Indígena (TI) Baú, em Altamira, a mais de 800 quilômetros de Belém, no Pará. Agentes da Polícia Federal (PF) interceptaram as ações de um grupo formado por 53 garimpeiros, durante todo o último fim de semana. Apesar da identificação do grupo e da retirada de todos eles, ninguém foi preso, “mas um inquérito foi instaurado”, segundo a PF.

Os homens e mulheres foram levados, à bordo de aeronaves, para Altamira, onde devem prestar depoimentos na Delegacia da Polícia Federal (Polícia Federal/Reprodução) – AGÊNCIA CENARIUM – Copyright © AGÊNCIA CENARIUM

Os homens e mulheres foram levados, à bordo de aeronaves, para Altamira, onde devem prestar depoimentos na Delegacia da Polícia Federal. O transporte foi dividido em duas etapas durante o sábado, 27, e o domingo, 28 de agosto.

Devido às “dificuldades logísticas”, como classificou a polícia, foi necessário o apoio da Força Aérea Brasileira (FAB), da Força Nacional de Segurança Pública, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), da Fundação Nacional do Índio (Ibama) e do Ministério Público Federal (MPF); todos participantes do Programa Guardiões do Bioma.

Nenhuma apreensão

O grupo responsável por invadir e explorar os recursos da área protegida estava alojado na região há cerca de uma semana, mas “não teve tempo de extrair ouro” e outros minérios, de acordo com os agentes federais, por isso, não houve apreensão de pedras preciosas – o que a polícia atribui à efetividade da repressão ao crime ambiental.

A PF não detalhou como era a logística dos garimpeiros, nem se foram apreendidos ou destruídos os materiais e equipamentos empregados na mineração ilegal, até o fechamento da reportagem, mas informou à REVISTA CENARIUM que foi possível chegar ao grupo por meio de denúncias.

Terra Indígena Baú
Localizada no sudoeste paraense, a Terra Indígena Baú tem mais de 1.500 hectares e é povoada por menos de 200 pessoas integrantes de dois grupos, um deles, formado por indígenas vivendo em isolamento voluntário.

Iury Lima – Da Agência Amazônia – Republicação gratuita, desde que citada a fonte. AGÊNCIA CENARIUM – Copyright © AGÊNCIA CENARIUM

VER MAIS EM:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: