Os impactos socioculturais do turismo numa comunidade indígena do Amazonas

Pesquisa desenvolvida na Escola de Artes, Ciências e Humanidades avaliou os novos papéis que a atividade do turismo trouxe à Comunidade Indígena Nova Esperança Pisasú Sarusawa, no Amazonas

Na entrevista desta quinta-feira (10) no podcast Os Novos Cientistas, a pesquisadora Ana Rosa Guimarães Bastos Proença falou sobre seu estudo desenvolvido na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, em que analisou os impactos do turismo numa comunidade indígena do Amazonas.

A pesquisa intitulada Turismo em territórios indígenas: desenvolvimento e impacto sociocultural na Comunidade Indígena Nova Esperança Pisasú Sarusawa (Amazonas – Brasil), teve início em 2018, quando Ana Rosa realizou um levantamento socioeconômico da comunidade. “Contabilizamos cerca de 27 famílias e 116 pessoas”, contou.

Segundo a pesquisadora, o turismo começou naquela comunidade a partir dos anos 2000. “Em 2005 começam os navios de cruzeiros, quando chegavam à comunidade a cada semana cerca de 150 pessoas”, descreveu Ana Rosa. De acordo com a pesquisadora, a partir de 2010, quando acaba o contrato com a empresa do navio de cruzeiro é desenvolvido o turismo de base comunitária. “Foi quando surgiu a autogestão do turismo”, apontou.

Ana Rosa teve a orientação do professor Alexandre Panosso Netto e entre as conclusões de sua pesquisa mostra que os impactos do turismo naquela comunidade, atualmente, são, na maioria, positivos.

Por – Editorias: – URL Curta: jornal.usp.br/?p=377512 

PUBLICADO EM:   JORNAL DA USP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*