Suiá Missú – Cemitério indígena faz estrada mudar traçado

Uma obra do Departamento Nacional de Infraestrutura de Trasporte (Dnit) pode reabrir a discussão sobre a demarcação da Terra Indígena Marãiwatsédé, no Mato Grosso. Depois de o Dnit ter refeito o projeto da rodovia BR-158 para contornar a Terra Indígena, a Funai informou ter “encontrado” um antigo cemitério xavante fora do perímetro demarcado e quer que o Dnit refaça novamente o projeto.

O reconhecimento por parte da Funai de que há vestígios de ocupação indígena fora área demarcada lança mais dúvidas sobre o processo de demarcação de Marãiwatsédé.

Quem cruza o trecho da BR-158 entre os municípios de Bom Jesus do Araguaia e Cana Brava do Norte, em Mato Grosso, tem de passar pela Terra Indígena Maraiwatsede, cortada pela estrada.

As tensões com os índios levaram o governo a planejar um contorno para não atravessar o território indígena. O novo percurso de terra amplia a viagem em cerca de 100 quilômetros e foi desenhado pelo Dnit.

Ocorre que, recentemente, a Funai informou ter descoberto um cemitério de índios xavante na região. A terra sagrada sofreria impacto com o contorno. Por causa disso, o Dnit abandonou a ideia e, agora, trabalha nos estudos de um outro contorno.

VER MAIS EM: ESTADÃO       QUESTÃO INDÍGENA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.