MT – Moradores de área indígena fecham rodovias a 2 dias de retirada

Faltando dois dias para deixar a terra indígena Marãiwatsédé, moradores da comunidade Posto da Mata, em Alto Boa Vista, a 1.065 quilômetros de Cuiabá, bloquearam trechos da BR-158 e MT-242 nesta quarta-feira (5). Eles pedem a anulação da decisão que determinou a retirada das famílias da área, que foi reconhecida pela Justiça como sendo território dos índios xavantes. O prazo concedido para a saída dos não índios termina nesta quinta-feira (6).

Depois disso, os moradores podem ser retirados à força do local em cumprimento à decisão judicial. Um dos representantes da Associação dos Produtores Rurais da Área Suiá-Missú (Aprosum), Paulo Gonçalves, disse que os moradores não vão deixar as suas casas. “Nós não iremos sair. Ninguém vai sair. Vamos resistir até o fim”, afirmou. Durante a interdição, os manifestantes só estão permitindo a passagem de ambulâncias.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que está no local para tentar controlar a situação e orientar os motoristas sobre o que está ocorrendo. Disse ainda que o clima é tenso.

Segundo ele, a intenção é interditar toda a BR-158 com o apoio de sindicatos e associações de produtores rurais, além de igrejas. “Todo mundo está desesperado. Hoje as aulas nas escolas foram suspensas porque ninguém tem condições nem de se concentrar em meio à essa situação”,  avaliou Gonçalves. Ele disse que o clima é muito tenso na região porque os moradores temem um conflito com os militares das Forças Armadas, que estão no local desde o processo de notificação das famílias.

“Na segunda-feira (3) o Exército chegou aqui [posto da Mata] com pá carregadeira, patrola e caminhão caçamba para demolir as casas”, contou o representante da Associação. Ele pontuou que o bloqueio só será encerrado quando os moradores tiverem uma resposta positiva do governo federal para que continuem no local.

De acordo com a Funai, a Terra Indígena Marãiwatsédé foi homologada por decreto presidencial em 1998 e reconhecida por sucessivas decisões judiciais, o que, conforme o governo, “legitima o direito constitucional do povo Xavante de voltar em seu local originário, com a garantia do usufruto e da posse permanente de sua terra.

A Funai voltou a reafirmar a legalidade do processo de regularização da Terra Indígena Marãiwatsédé – homologada por decreto presidencial em 1998 e reconhecida por sucessivas decisões judiciais -, que legitima o direito constitucional do povo Xavante de voltar a viver em seu local originário, com a garantia do usufruto e da posse permanente de sua terra.

VER REPORTAGEM COMPLETA EM :

http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2012/12/moradores-de-area-indigena-fecham-rodovias-de-mt-2-dias-de-retirada.html

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.