Língua Kawahiba dos Amondawa pode ser incluída no Inventário Nacional de Diversidade Linguística (INDL)

Até 30 de julho, a sociedade poderá se manifestar sobre a proposta de inclusão ao Inventário Nacional de Diversidade Linguística

Postado em: IPHAN

Nesta quinta-feira (30), o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia federal vinculada à Secretaria Especial da Cultura e ao Ministério do Turismo, comunicou por meio de publicação no Diário Oficial da União (DOU), sobre a proposta de inclusão da língua indígena Kawahiba dos Amondawa no Inventário Nacional de Diversidade Linguística (INDL) e seu reconhecimento como “Referência Cultural Brasileira”.

O estudo foi apresentado pelo Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG), por meio de projeto de Levantamento Regional da Situação Sociolinguística das Etnias Indígenas de Rondônia. A sociedade pode se manifestar sobre a proposta de inclusão da língua no INDL até 30 de julho, por meio de formulário digital.

Finalizado o prazo para manifestação da sociedade, o processo de inclusão da Língua Brasileira de Sinais (Libras) será submetido à Comissão Técnica do Inventário Nacional de Diversidade Linguística (CTINL). A CTINDL é a instância interministerial responsável pela análise e deliberação sobre o reconhecimento de línguas como Referência Cultural Brasileira.

Kawahiba dos Amondawa

O termo Kawahiba tem sido atribuído a um complexo dialetal composto por, no mínimo, oito dialetos ainda existentes e falados por diferentes etnias localizadas nos estados do Amazonas, Mato Grosso e Rondônia. São elas Uru-Eu-Wau-Wau (ou Jupa’u), Amondawa, Karipuna de Rondônia, Parintintim, Tenharim, Juma, Diahoi, Piripkura, além de povos Kawahiba isolados. A pesquisa realizada classificou a língua Kawahiba dos Amondawa como pertencente à Família linguística Tupi-Guarani, do Tronco linguístico Tupi.

Os Amondawa vivem na região central de Rondônia, no Posto Indígena/aldeia Trincheira, na Terra Indígena Uru-eu-wau-wau. Também vivem nessa mesma Terra Indígena os seus parentes Uru-Eu-Wau-Wau e outros povos isolados. A aldeia Trincheira localiza-se a 50 km da cidade de Mirante da Serra e a ela se sobrepõe o Parque Nacional de Pacáas Novos.

O referido estudo motivou a emissão de parecer favorável à inclusão da língua Kawahiba dos Amondawa no Inventário Nacional de Diversidade Linguística (INDL) e ao seu reconhecimento como “Referência Cultural Brasileira”.

Link para manifestações da sociedade sobre a proposta de inclusão no Inventário Nacional de Diversidade Linguística e reconhecimento como “Referência Cultural Brasileira” da língua Kawahiba dos Amondawa.

Confira o parecer técnico na íntegra. Clique aqui 

Assessoria de Comunicação Iphan – PUBLICADO POR: IPHAN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: