Terras indígenas funcionam como barreira ao desmatamento na Amazônia

Pesquisa mostra que, além de garantir a justiça social, a manutenção desses povos assegura a conservação da floresta.

Uma pesquisa realizada na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP utilizou imagens de satélites para analisar os avanços do desmatamento entre os anos 2000 e 2018 na Amazônia Legal. A partir desta análise, houve um estudo comparativo com as áreas que são protegidas por serem habitadas por populações tradicionais e povos indígenas.

O objetivo era entender se as terras indígenas conseguiam conter o avanço do desmatamento e atuar como barreiras, ou se eram alvo do desflorestamento também. “Verificamos que, de maneira geral, elas ainda têm um papel importante na Amazônia Legal para conter o processo de destruição da floresta”, contou ao Jornal da USP no Ar o pós-graduando Marcelo Hideki Yamane, do Departamento de Geografia da FFLCH.

Isso ocorre porque os territórios nos quais esses povos estão assentados estão sob proteção da lei 9.985/2000. Estas “áreas protegidas” são divididas em diferentes categorias que visam a garantir a manutenção da diversidade biológica e recursos. Yamane explica como o uso da terra pelos indígenas foca a subsistência e há um manejo nesta utilização que garante a preservação do solo. Desta forma, por estarem resguardados por lei em áreas protegidas, a presença indígena impede que o desmatamento avance.

Ele explica que sua pesquisa não buscou trazer dados estatísticos, porque as imagens utilizadas não garantiam a resolução adequada para uma análise do tipo. Porém, com o apoio de dados produzidos no Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), feito pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Yamane alerta para a tendência de aumento no desmate.

“Desde 1985, a área de florestas diminuiu significativamente, ao passo que a agricultura, pastagem e mineração aumentaram. Desde 2004, por conta de vários programas oficiais, houve uma tendência de diminuição do desmatamento. Porém, desde o governo Temer essa tendência voltou a ser revertida”, analisa. Mesmo assim, a sobrevivência dos povos indígenas na região ainda representa a conservação da mata.

OUÇA A ENTREVISTA EM:

https://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-humanas/terras-indigenas-funcionam-como-barreira-ao-desmatamento-na-amazonia/


FONTE: JORNAL DA USP

Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em
www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.