O clima hostil contra os povos indígenas no Brasil

Ativistas denunciam aumento de ataques contra comunidades indígenas e postos da Funai. Órgãos de segurança e militares não conseguem controlar a situação, e governo fala em liberar terras para exploração econômica.

No oeste da Amazônia, na fronteira com o Peru e a Colômbia, se estende a segunda maior reserva indígena do Brasil, a terra indígena (TI) Vale do Javari. A Funai contabiliza oito povos indígenas isolados na região, a maior concentração mundial desses povos.

“São os últimos seres humanos que escolheram viver de forma autônoma de fato e fora desse mundo louco e materialista como o nosso”, diz Beto Marubo, ativista indígena do Vale do Javari. Sua tribo, a dos marubos, tem contato com a civilização há 100 anos. Outras etnias, como os corubos, ainda estão parcialmente isoladas. Elas são as que correm o maior risco. “Uma gripe pode matá-los em três dias”, conta Beto.

Eles também não conhecem, na hora de caçar, os limites da floresta estipulados em mapas. “É por isso que é tão importante proteger o meio ambiente no qual eles sobrevivem”, afirma Beto. Mas os conflitos violentos no Vale do Javari estão aumentando, e mesmo os postos de proteção da Funai estão sendo atacados. O posto de Itui-Itacoai foi atacado a tiros oito vezes em 2019. Um funcionário da Funai foi assassinado em setembro. “Essas bases não oferecem nenhuma segurança para alguém ficar ali”.

Leia na íntegra: Deutsche Welle Brasil

Leia também:

Valor Econômico – Bolsonaro defende gado em terra indígena para baixar preço da carne

FONTE: Jornal da Ciência – http://www.jornaldaciencia.org.br/edicoes/?url=http://jcnoticias.jornaldaciencia.org.br 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.