Funai participa de Feira sobre agrobiodiversidade e prevê cooperação técnica com Embrapa

“Os Povos Indígenas em proteção a suas terras e ao seu conhecimento muito contribuem para a conservação e aplicabilidade dos recursos genéticos. Enquanto órgão indigenista, a Funai, defende a proteção destes conhecimentos tradicionais e o uso de maneira sustentável”, disse o assessor da presidência da Funai, Cleilson Gadelha Queiroz, durante a abertura da 2ª Feira Nacional de Guardiões da Agrobiodiversidade, em Fortaleza-CE.

foto de divulgação do evento pela Sociedade Brasileira de Recursos Genéticos

fortaleza a ed

Ao microfone, o assessor da presidência da Funai, Cleilson Gadelha durante o evento de abertura da Feira (foto: acervo Funai)

Gadelha comentou sobre a renovação do Acordo de Cooperação Técnica (ACT) entre a Funai e a Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária: “com vigência para os próximos cinco anos, por meio desse acordo vamos poder atuar para proteger a biodiversidade, a natureza e os povos indígenas. E contribuir na promoção do etnodesenvolvimento entre os guardiões da natureza, que são as comunidades tradicionais”.

“A comunidade acadêmica reconhece que o conhecimento tradicional se complementa ao conhecimento científico formal”, disse o assessor da Funai ao explicar que em breve o ACT estará vigente. Conforme ele explicou, este Acordo pretende retomar:

– o crescimento das ações da Embrapa em pesquisas em Terras Indígenas, onde existem cerca de 37 projetos em andamento atualmente, os quais a Funai irá acompanhar e apoiar;

– o incremento de novas linhas de pesquisa nas Terras Indígenas;

– o diálogo em torno de procedimentos que garantam o bom andamento das pesquisas, aliados à defesa dos recursos genéticos e do conhecimento tradicional associado.

fortaleza b ed

Povo Tremembé da Barra do Mundaú em apresentação de ritual (foto: acervo Funai)

Gadelha fez a ressalva de que “estes protocolos de pesquisa deverão também levar em consideração qual o uso que os povos indígenas desejam dar aos recursos genéticos tradicionais. Existe interesse desses povos em recuperar, multiplicar e conservar recursos genéticos em seus territórios, promovendo o resgate de recursos perdidos ou quase perdidos, mas que ainda existem nos bancos (coleções) da Embrapa”, concluiu ele. 

Parcerias

O debate promovido entre os órgãos públicos visa tornar efetivos os projetos que promovam o resgate, a conservação e a circulação dos recursos genéticos nas comunidades indígenas. Realizada entre os dias 7 e 9 de novembro, a Feira fez parte do 5º Congresso Brasileiro de Recursos Genéticos. Este evento é resultado da parceria entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Sociedade Brasileira de Recursos Genéticos (SBRG) com apoio das seguintes entidades públicas:

– Fundação Nacional do Índio;

– Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes);

– Universidade Federal do Ceará;

– Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab);

– Sociedade Brasileira de Fruticultura (SBF);

– Ministério do Desenvolvimento Social (MDS); e

– Banco do Nordeste.

Assessoria de Comunicação Social/Funai

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.