Câmara dos Deputados – Aumento do desmatamento na Amazônia será discutido em audiência

As comissões de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e Amazônia; e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável vão realizar audiência pública para discutir o aumento do desmatamento na Amazônia no último ano. A data do debate ainda não foi definida.

imgNoticiaUpload1367852970860

Segundo o Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o desmatamento na Amazônia aumentou 92% e atingiu 2.007 quilômetros quadrados entre agosto de 2012 e julho deste ano. No ano anterior, de agosto de 2011 a julho de 2012, o desmatamento havia alcançado 1.047 quilômetros quadrados.

O deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA), que pediu o debate, assinalou que o Instituto detectou um aumento de 100% do desmatamento, contra um índice de 30% apresentado pelos dados provisórios do governo. “O governo federal continua impulsionando obras de infraestrutura e logística, como hidrelétricas, estradas e portos, que, apesar de melhorarem a perspectiva de desenvolvimento econômico, estimulam a especulação de terras e agravam o desmatamento.”

Jordy acrescentou que outro problema é a falta de criação de novas áreas protegidas e de demarcação de novas terras indígenas, “que são barreiras ao desmatamento”, justificou o parlamentar.

Redução do desmatamento
O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) se comprometeu com o Ministério Público Federal (MPF), no mês de agosto, a diminuir os desmatamentos em assentamentos localizados na Amazônia Legal, território formado pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, entre outros.

O Incra pretende diminuir em 80% os índices de desmatamento verificados em 2005, cerca de 25 mil quilômetros quadrados, até o ano de 2020. Pelo acordo, o MPF extinguirá sete ações ajuizadas na Justiça contra o instituto por danos ambientais.

Convidados
Foram convidados para o debate:
– o pesquisador do Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) Adalberto Veríssimo; e
– representantes do Ministério do Meio Ambiente; e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

FONTE  :  Agência Câmara Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.