PA – Cai em 42% índice de desmatamento, aponta Idesp

Caiu em mais de 40% o índice de desmatamento no Pará. A pesquisa realizada pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (Idesp), aponta que esta redução ocorreu entre agosto de 2011 e julho de 2012. Foi desmatado no Estado, nos últimos doze meses, o total de 496,78 quilômetros quadrados de floresta.Segundo a análise, entre os principais fatores que contribuíram para a queda do desmatamento estão as ações governamentais, como o Plano de Prevenção, Controle e Alternativas ao Desmatamento, instituído pelo Decreto nº 1.697, de 5 de junho de 2009, além dos acordos firmados entre os atores das cadeias produtivas e Ministério Público Federal (MPF), visando desvincular o desmatamento dos produtos exportados.

 

A pesquisa revela ainda que, outra grande contribuição vem do Programa Municípios Verdes, que busca promover uma economia de baixo carbono e alto valor agregado, melhorar a governança e reduzir o desmatamento e a degradação florestal. 

Mesmo assim, os dados apontam uma fragilidade em relação ao controle e governança de áreas protegidas, como as unidades de conservação e as terras indígenas, que ocupam cerca de 56% do território paraense. As unidades de conservação concentraram 15,05% do total desmatado, enquanto as terras indígenas, 4,99%, no período considerado.

 

Nas zonas de amortecimento – espaços onde as atividades econômicas e o uso da terra devem estar em equilíbrio para garantir a integridade das zonas núcleo das unidades de conservação –, onde caberiam apenas atividades produtivas sustentáveis, também foi identificado desmatamento (6,71% do total na faixa interna e 6,31% na externa). Grande parte dessas áreas está sob gerência federal, daí a importância de ações conjuntas entre a esfera federal e estadual. 

A análise mostra também, a distribuição espacial do desmatamento no Estado com os dez municípios que mais devastaram. O primeiro na lista é Altamira, no sudoeste paraense, responsável por 110,77 quilômetros de área desmatada. O documento está disponível no site do instituto.

 

FONTE : Redação Portal ORM, com informações da Agência Pará

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*