A Terceira Margem – Parte DXXXIV

Descendo o Rio Branco

Bonfim

Boa Vista – Bonfim (31.08.2018)

Bonfim

O município tem uma área de 8.095,4 km² e uma população de mais de 11.000 habitantes (den­sidade demográfica de aproximada de 1,4 habitantes por km²). Situa-se a uma altitude 79 m, nas seguintes coordenadas geográficas 03°21’25” N e 59°49’60” O.

Gentílico: bonfinense.

História

O primeiro povoado surgiu ainda no século XIX, e seu nome é uma homenagem à Nossa Senhora do Bonfim. Depois de vários ciclos comerciais com a cidade de Lethem, na fronteira da República Cooperativista da Guiana, a vila passou à condição de município.

Formação Administrativa

Elevado à categoria de município com a denominação de Bonfim, pela Lei Federal n° 7.009, de 01.07.1982, desmembrado dos municípios de Boa Vista e Caraca­raí. Sede no atual Distrito de Bonfim [ex-Vila de Bomfim].

Constituído do Distrito sede. Instalado em 13.07.1982. Em divisão territorial datada de 1988, o município é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2009. (www.cnm.org.br)

Dia 31 de agosto, por volta das 15h00, partimos para Bonfim rumo Nordeste, pela BR-401, rodovia fede­ral que liga Boa Vista à sede dos municípios de Nor­mandia e Bonfim, lindeiros à República Cooperativa da Guiana, com um total de 185 km de extensão (Boa Vista-Normandia), também construída pelo 6° BEC.

Levamos umas três horas percorrendo o excelente trecho de 125 km até Bonfim. Todo o entorno da BR 401 é caracterizado por uma vegetação aberta denominada “lavrado” que se estende para a Guiana e Venezuela e é dotada de rica biodiversidade.

Ponte Olavo B. Filho (Arteleste Construções)

 

No 1° Pelotão Especial de Fronteira (1° PEF) fomos muito bem recebidos pelo 1° Ten Inf Caio Baksys Pinto – Cmt do Pelotão, que nos instalou confortavel­mente nos alojamentos de sua Organização Militar. Chequei o caiaque e as bagagens e depois fomos reconhecer o local da partida – a Ponte Prefeito Olavo Brasil Filho, concluída pelo 6° BEC, em 31.07.2009. Embora o 1° PEF fique às margens do Rio Tacutu, nos encontrávamos no final do verão amazônico e as fotografias aéreas de que eu dispunha mostravam, na seca, muitos bancos de areia até a ponte.

1° PEF e Rio Tacutu

Era uma pequena distância até lá, de apenas 6 km, mas eu já penara, por demais, no Rio Acre tendo de rebocar o caiaque inúmeras vezes nos dois primeiros dias e não pretendia repetir aquela desastrosa e cansa­tiva experiência. Primeiro verificamos se do lado da Guiana existia um local apropriado. Fizemos contato com um morador local, de origem indígena, que não colocou nenhum obstáculo ao nosso propósito, mas lembrou de que o Posto da Polícia Federal só permitia o tráfego a partir das 08h00.

Voltamos, então, nossa atenção para a Margem brasileira que constatamos permitir um fácil acesso do caminhão até as proximidades da margem, decidi então pela segunda opção.

Regressamos ao 1° PEF, para trocar de viatura e fazer uma breve incursão à Guiana para adquirir mais algumas baterias (pilhas) para o rastreador.

Correio Braziliense, n° 16.929, 15.09.2009

Até a passagem da Ponte nenhuma novidade, mas logo adiante, a pouco mais de 200 m, encon­tramos um raro exemplo de fronteira brasileira onde os motoristas precisam mudar o sentido de circulação adotando a “mão inglesa”, esta alteração é realizada através de um viaduto.

A cidade de Lethem possui uma população de uns 3.000 habitantes na sua sede municipal e apro­ximadamente 9.000 no município. Sua denominação é um preito ao antigo Governador da Guiana Inglesa, Gordon James Lethem (1946/7), que realizou a demar­cação dos limites da então Guiana com o Brasil.

O governador trouxe consigo policiais e operários da construção civil. Seus primeiros habitantes foram, na sua maioria, de origem africana, e mais tarde, vieram os indígenas, os indianos e chineses.

Mapa 1 – Bonfim a Boa Vista (01 a 03.09.2017)

Os administradoras e funcionários dos shoppings centers são, praticamente, na sua totalidade de origem chinesa e prestam um atendimento de péssima quali­dade o que me fez lembrar, mais uma vez, de minha descida do Rio Acre quando tive a oportunidade de observar o tratamento rude que os comerciantes bolivi­anos dispensavam a seus clientes.

Jantamos no 1°PEF, e logo após a refeição o comandante do Pelotão fez questão de nos presentear com três Rações Operacionais de Combate (R2). Mais uma vez a gentileza e camaradagem que tanto carac­terizam nossa instituição se fazia presente. Fomos, depois à cidade degustar um sorvete, e nos recolhemos cedo, pois pretendia madrugar no dia seguinte.

Gaúcho

Batendo Água
(Luiz Marenco)

Meu poncho emponcha lonjuras batendo água
E as águas que eu trago nele eram pra mim
Asas de noite em meus ombros sobrando casa
Longe da casa ombreada a barro e capim.

Faz tempo que eu não emalo meu poncho inteiro
Nem abro as asas da noite pra um Sol de abril
Faz muitos dias que eu venho bancando o tino
Das quatro patas do zaino, pechando o frio.

Troca um compasso de orelha a cada pisada
No mesmo tranco da várzea que se encharcou
Topa nas abas sombreras, que em outros ventos
Guentaram as chuvas de agosto que Deus mandou.

Meu zaino garrou da noite o céu escuro
E tudo o que a noite escuta é seu clarim
De patas batendo n’água depois da várzea
Freio e rosetas de esporas no mesmo trim.

Falta distância de pago e sobra cavalo
Na mesma ronda de campo que o céu deságua
Que tem um rumo de rancho prás quatro patas
Bota seu mundo na estrada batendo água!

Porque se a estrada me cobra, pago seu preço
E desabrigo o caminho prá o meu sustento
Mesmo que o mundo desabe num tempo feio
Sei o que as asas do poncho trazem por dentro.

Rio Tacutu (01 e 02.09.2017)

Por Hiram Reis e Silva (*), Bagé, 13.01.2023 – um Canoeiro eternamente em busca da Terceira Margem.

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;  

  • Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)
  • Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);
  • Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);
  • Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);
  • Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)
  • Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);
  • Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);
  • Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);
  • Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)
  • Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);
  • Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)
  • Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).
  • Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).
  • E-mail: hiramrsilva@gmail.com

NOTA – A equipe do EcoAmazônia esclarece que o conteúdo e as opiniões expressas nas postagens são de responsabilidade do (s) autor (es) e não refletem, necessariamente, a opinião deste ‘site”, são postados em respeito a pluralidade de ideias. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: