A Terceira Margem – Parte CDXI

EPOPEIA ACREANA

Hiram Reis e Silva -um Canoeiro eternamente em busca da Terceira Margem.

Brasiléia, AC ‒ Xapuri, AC  

09.09.2017 – Partindo de Brasileia  

Os amigos bombeiros acompanharam-me até a margem. Depois de conceder uma entrevista a uma emissora local, parti às 06h00. As condições de navegabilidade eram bem mais favoráveis agora, os bancos de areia eram raros e facilmente transpostos, as tão decantadas “cachoeiras” eram apenas corredeiras transpostas sem qualquer dificuldade.

Os ribeirinhos eram um pouco mais amistosos que os desconfiados bolivianos que olhavam de soslaio e raramente correspondiam ao cumprimento. Numa longa curva à direita avistei duas belas jovens pescando. Vestidas de modo a se proteger do Sol e dos mosquitos deixavam entrever apenas os belos e sorridentes rostos. Ambas corresponderam com extrema cortesia ao meu cumprimento desejando sucesso ao meu empreendimento. Senti uma nova energia percorrer meu corpo e arremeti com mais vigor.

No meu planejamento eu previra remar 60 km, acampar nas proximidades de uma moradia e no dia seguinte alcançar Xapuri remando apenas uns 45 km. O Sol causticante minava minha energia e o cansaço foi aos poucos tomando conta de mim, de repente, parece que o Patrão Celestial compadecendo-se de minha sorte enviou duas graciosas mensageiras em forma de borboletas que posaram na minha camiseta e começaram a sugar a água que eu jogava no corpo, tentando arrefecer o calor, misturada com o meu suor. As criaturinhas me acompanharam por mais de hora fazendo-me momentaneamente esquecer o cansaço e o desconforto.

Nos Rios Solimões, Negro, Amazonas e Juruá os emissários divinos assumiam a forma de botos e além de transmitirem muito de sua energia eram, não raras vezes, meus guias mostrando a melhor rota a ser seguida. Por volta das 14h00, decidi acampar, o local era adequado embora ermo (AC 03 – 10°47’34,6” S / 68°33’38,7” O)

Total do 4° Dia – Brasileia / AC 03           =   59,6 km
Total Parcial ‒ Iñapari / AC 03                 = 247,8 km

10.09.2017 – Partindo para Xapuri 

Brasão de Xapuri

Acordei tarde, por volta das 05h00, e parti, às 05h50, sem pressa, Xapuri estava a pouco mais de 45 km e, portanto, podia ser alcançada facilmente na parte da manhã. A viagem transcorreu sem grandes alterações. Às 10h30, liguei para o Ten BM Marcelo Melo de Andrade, Cmt da 1ª Cia do 5° BEPCIF avisando que chegaria antes do meio-dia na Prainha onde estava ocorrendo o Carna-Xapuri ‒ era um festivo domingo. Novamente a cortesia dos Bombeiros Militares se fez presente. Fui conduzido ao Quartel, tomei um banho e fomos juntos almoçar. Parto somente dia 14 (quinta-feira) para Rio Branco. Previsão de chegada na segunda-feira (18) por volta do meio-dia. Continuamos visitando lugares históricos e entrevistando pessoas interessantes no Município de Xapuri. A permanência aqui tem sido extremamente gratificante.

Agradeço o apoio incondicional dos amigos Bombeiros Militares do Acre e da Secretaria de Cultura de Xapuri. Que o Grande Arquiteto do Universo vos abençoe ilumine e guarde é o que deseja este humilde Canoeiro eternamente em busca da Terceira Margem.

Acampamento 03

Princípios Éticos 

A Falta de Justiça, a Fonte de Todo o Nosso Descrédito 

A falta de justiça, Srs. Senadores, é o grande mal da nossa terra, o mal dos males, a origem de todas as nossas infelicidades, a fonte de todo nosso descrédito, é a miséria suprema desta pobre nação. A sua grande vergonha diante o estrangeiro, é aquilo que nos afasta os homens, os auxílios, os capitais. A injustiça, Senhores, desanima o trabalho, a honestidade, o bem; cresta em flor os espíritos dos moços, semeia no coração das gerações que vem nascendo a semente da podridão, habitua os homens a não acreditar senão na estrela, na fortuna, no acaso, na loteria da sorte, promove a desonestidade, promove a venalidade promove a relaxação, insufla a cortesania, a baixeza, sob todas as suas formas. De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantaremse os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rirse da honra, a ter vergonha de ser honesto. (Ruy Barbosa)

Percorrendo caminhos fluviais, ou não, desta imensa Terra Brasilis o encantamento e o desencanto acompanham a par e passo, dia a dia, hora a hora nossa jornada e aqui no Acre não seria diferente. Desde Assis Brasil as plantações de melancias às margens do Rio Acre chamaram minha atenção. As margens arenosas, preparadas com esmero para o cultivo, mostravam o esforço enorme deste brioso povo na busca de um recurso importante para complementar sua parca renda.

Infelizmente em alguns locais notava-se o deslize moral de piloteiros que aportando naqueles sítios se apropriavam indevidamente daquele produto tão arduamente cultivado.

Estes mesmos indivíduos são aqueles que se mostram indignados com a postura de nossos políticos como se o seu procedimento fosse diverso daqueles. O desvio de conduta é o mesmo e independe do valor do bem alheio que foi desviado. Acredito apenas que a “oportunidade” é que determina o montante a ser desviado.

Total do 5° Dia – AC 03 / Xapuri)                  =   45,6 km
Total Parcial ‒ Iñapari / Epitaciolândia      = 188,2 km
Total Parcial ‒ Epitaciolândia / Xapuri       = 105,2 km
Total Geral ‒ Iñapari / Xapuri                       = 293,4 km

Por Hiram Reis e Silva (*), Bagé, 25.03.2022 – um Canoeiro eternamente em busca da Terceira Margem.

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

  • Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)
  • Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);
  • Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);
  • Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);
  • Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)
  • Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);
  • Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);
  • Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);
  • Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)
  • Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);
  • Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)
  • Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).
  • Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).
  • E-mail: hiramrsilva@gmail.com.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: