A Terceira Margem – Parte CCCLXI

Epopeia Acreana   1ª Parte – XIII   

O canoeiro

O Acre na Imprensa – I  

Jornal do Comércio do Amazonas, n° 409
Manaus, AM – Domingo, 05.03.189
S. Exª o Deputado Federal Dr. Innocêncio Serzedello Correia e o Comércio do Amazonas  

[…] A Bolívia mandou um Delegado Especial para estabelecer aduanas no Rio Acre dentro de uma zona em litígio e em virtude do Convênio Cerqueira-Paravicini, cujo texto ninguém conhece. Como todo o Convênio ou Tratado Internacional, precise da sanção do Congresso Federal e ainda não foi remetido a esta corporação que é a única competente para fazer decidir a cessão do território ou submeter à arbitragem a solução do caso quando não exista conformidade entre as partes litigantes. Os anteriores Convênios nunca vigoraram, e hoje estão denunciados; pelo simples Acordo Cerqueira-Paravicini não é possível que o Brasil ceda todos os seus direitos a outra nação com prejuízo da mais importante e quase exclusiva produção da imensa zona Amazônica. Se vigorar o decreto Paravicini, batizado pelo “Comércio do Amazonas” de “Carta de Corso”, a navegação de cabotagem desaparece, pois além dos novos tributos a que ficam sujeitas as procedências brasileiras que seguem para o Acre, os comandantes dos vapores declararam às casas armadoras que eles não passariam de “Puerto Alonso” por não se acharem dispostos a sofrer humilhações, arriar bandeira e pagar direitos ao estrangeiro pelos aviamentos brasileiros encomendados por brasileiros e conduzidos a terras brasileiras, onde se sacrificam e trabalham há mais de 30 anos. […] (JCA, n° 409)

Jornal do Comércio do Amazonas, n° 428
Manaus, AM – Domingo, 26.03.1899
A Questão com a Bolívia 

O Dr. Serzedello Correia conferenciou com o Dr. Campos Salles, Presidente da República, a respeito do incidente Bolívia-Brasil na região do Purus e do Acre. Conferenciará também com o Dr. Olyntho de Magalhães, Ministro do Exterior. Posso assegurar que o governo, bem orientado agora, insta junto ao governo boliviano por uma nova exploração, afim de fixar-se definitivamente o paralelo das cabeceiras do Javari, conforme o Tratado de 1867. O governo declara que trata de preparar-se para pôr em prática essa medida e, se a Bolívia não aceder à nova exploração, mandará que continuem os Rios brasileiros fechados ao comércio boliviano, não podendo transitar por eles senão exportação nacional. Agora bem informado, o governo vela pela salvaguarda dos interesses da região amazônica. (JCA, n° 428)

Jornal do Comércio do Amazonas, n° 508
Manaus, AM – Sexta-feira, 14.07.1899
Mouros na Costa  

Acaba de tomar a palavra sobre o projetado convênio bolívio-americano a última parte interessada que faltava dizer a respeito. O governo da Bolívia, diz um telegrama publicado no Rio em 4 deste mês, ordenou aos respectivos cônsules no Pará e Amazonas, que desmintam a existência de um convênio entre o governo daquela república e o da América do Norte sobre o Rio Acre.

Como se vê, é mais uma negativa, tal qual as outras, e como elas, baseada num sofisma grosseiro. O governo boliviano nega, repare-se bem, a existência de um convênio com os Estados Unidos. Poderá, porém, negar que houve tentativa de levar a efeito esse convênio? Que a minuta respectiva foi redigida? Que o seu representantes deu os primeiros passos para o conseguir, e só não foi mais adiante graças à denúncia partida das colunas deste jornal, desmascarando a trama hedionda duma guerra entre vizinhos e da intervenção de um estranho? (JCA, n° 508)

Jornal do Comércio do Amazonas, n° 007
Manaus, AM – Quarta-feira, 23.08.1899
Estabelecimento de Alfândegas no Acre e Outros Rios 

O estabelecimento de uma alfândega ou Posto Fiscal da Bolívia à margem do Rio Acre ou Aquiri tem atraído tanto a atenção pública, que devo entrar em particularidades dispensáveis em outras circunstâncias. O primeiro documento que encontro é um “memorandum”, datado de fevereiro do ano próximo passado, em que o Sr. Paravicini, que então aqui estava exercendo o seu cargo de Ministro Boliviano, participou ao meu antecessor que o seu Governo tinha nomeado o Sr. Velarde, Delegado Nacional nas regiões dos Rios Purus, Iaco e Acre, ordenando-lhe que estabelecesse Alfândegas e Postos Fiscais em lugares inquestionáveis da fronteira. Em julho apresentou-se o Sr. Velarde em Manaus pedindo ao governador autorização para estabelecer Postos Fiscais nos lugares onde estão os marcos. O Governador recusou-lha por não conhecer oficial­mente o estado da Questão de Limites e pediu informações pelo telégrafo.

O Sr. General Cerqueira respondeu nestes termos:

A demarcação dos limites com a Bolívia foi suspensa por parte do Brasil, em consequência principalmente do erro cometido em 1874 na determinação da Latitude da nascente do Javari. Em 25 de abril passei nota ao Ministro Boliviano participando a suspensão e propondo retificação.

Concordar no estabelecimento de Postos Fiscais nos lugares onde estão os marcos seria admitir a demarcação errada, em prejuízo desse Estado. Penso, pois, que respondestes bem ao Sr. Velarde. Os marcos são seis, porque em cada um dos Rios foram colocados dois, em cada margem.

Esses marcos foram postos nos pontos em que a linha geodésica que parte do Madeira corta os três Rios na direção que lhe dá a Latitude atribuída à nascente do Javari pela Comissão Mista que concluiu, em 1874, a demarcação dos limites entre o Brasil e o Peru. Segundo a Latitude achada pelo Capitão-Tenente Cunha Gomes, que foi ao Javari expressamente para verificar se aí tinha havido erro na computação de 1874, a linha geodésica desviou-se um pouco para o Sul. É nesta nova direção que devem ser colocados os marcos, evitando-se assim uma perda para o Estado do Amazonas de 242 léguas quadradas do território, como consta do Relatório de 12 do julho do ano próximo passado.

Por isso, o meu antecessor, concordando no estabelecimento de uma Alfândega ou Posto Fiscal no Rio Acre [Memorandum de 22 de outubro de 1898], declarou positivamente que esse estabelecimento só podia ser feito em território incontestavelmente boliviano, isto é, acima da linha tirada do Rio Madeira à nascente do Javari, na verdadeira Latitude determinada pelo Capitão-Tenente Cunha Gomes. (JCA, n° 007)

Jornal do Comércio do Amazonas, n° 070
Manaus, AM – Terça-feira, 23.10.1900
A Verdade dos Boatos  

Notícias vindas do Acre dizem que o Vice-Presidente do Estado Independente, Joaquim Victor, mancomunado com Alberto Moreira Júnior e Rogério Guanabara, o primeiro português e renegado e o segundo brasileiro, hoje coronéis do exército boliviano, traindo os companheiros de revolução, convidaram os bolivianos, comandados por Muñoz, chefe da Delegación Nacional Boliviana, a penetrar no território brasileiro pelo sítio Capatará, alojando-se na Boca do Riozinho. A expedição invasora é de 300 homens e 29 mulheres, sendo quase toda composta de índios. […]

Os acreanos acham-se preparados para atacá-los e dominam “Puerto Alonso”. Esperam a chegada do seu Delegado Coronel Rodrigo de Carvalho para operarem. O Coronel Antonio de Sousa Braga, que se acha nesta capital segue amanhã para o Pará, afim de reunir-se ao Coronel Rodrigo de Carvalho e subirem juntos e restabelecerem o domínio da legalidade no Acre. (JCA, n° 070)

Jornal do Comércio do Amazonas, n° 100
Manaus, AM – Sexta-feira, 23.11.1900
O Mucuripe  

[…] O vapor “Mucuripe”, de propriedade do Sr. comandante Antônio Bandeira, que o destina à navegação no Rio Acre, não pode partir para aquela região, tendo sido impedido por ordem do Ministério das Relações Exteriores do Brasil. O motivo foi uma denúncia anônima ao nosso governo, dizendo que o “Mucuripe” fora fretado pelos revolucionários do Acre a fim de levar carregamento de armas, munições e víveres para o movimento projetado pela junta do Estado Independente do Acre. […]

A este respeito foram passados inúmeros telegramas para cidadãos conspícuos e para os jornais, e um, entre eles, ao Sr. Dr. Serzedello Correia. A última hora o “Mucuripe” parece que teve autorização para a sua livre saída, mas o Sr. Comandante Bandeira não se servirá da autorização sem antes tornar efetivo e legal o seu protesto às autoridades competentes reclamando a indenização dos prejuízos sofridos com o impedimento do Governo Federai. Parece que não é estranho a esse fato a rivalidade das principais casas aviadoras para o Acre. O que é mais curioso é que o vapor “Lábrea”, da Companhia do Amazonas partiu tranquilamente, para a mesma região, sem ter sido molestado nem visitado, apesar de conduzir dois mil volumes para a Expedição Boliviana em “Porto Alonso”. Nesses dois mil volumes não poderia também encontrar-se alguma munição ou algum armamento? (JCA, n° 100)

Jornal do Comércio do Amazonas, n° 102
Manaus, AM – Domingo, 25.11.1900
O Acre  

Por carta fidedigna, vinda no “Antônio Olyntho”, sabemos que o Dr. Gentil Norberto com dez companheiros conseguiu aprisionar Dom Lucio Velasco, Vice-Presidente da República da Bolívia, quando este descia o Rio Acre, com pequeno séquito, em demanda de “Puerto Alonso”, julgando achar-se tudo pacificado. O Dr. Gentil Norberto, porém, obtendo a palavra do prisioneiro de que não voltaria a “Puerto Alonso”, deu-lhe liberdade e aos seus companheiros. Consta, porém, que Dom Lucio Velasco, desesperado com a façanha dos heroicos moços acreanos, jurou vingar-se. (JCA, n° 102)

Jornal do Comércio do Amazonas, n° 123
Manaus, AM – Domingo, 16.12.1900
Ecos do dia ‒ Prisões de Brasileiros  

Aumenta a indignação patriótica diante do insólito fato de estarem os bolivianos, não satisfeitos da usurpação de um território descoberto, explorado, povoado e cultivado por brasileiros, prendendo arbitrariamente os nossos compatriotas que pacificamente sobem o Rio Acre a interesses particulares. Ninguém ignora nesta capital a longa e angustiosa situação do bravo engenheiro civil Gentil Tristão Norberto que, tendo sido portador de um protesto por parte dos habitantes da Vila de Floriano Peixoto, antiga Antimarí, contra a invasão do território deste município praticada por bolivianos em perseguição de desertores, foi preso e lançado nas masmorras de “Puerto Alonso”, apesar do ter ido só e sem armas àquele entrincheiramento, fiado na polícia e urbanidade de um povo que se diz civilizado. Ninguém duvida também da prisão ostensiva e agressiva do distinto farmacêutico José Carlos Gomes do Sousa, em viagem de caráter comercial, apesar da contestação do Coronel Gentil Baptista Pereira.

Temos em nosso poder uma carta, do seu punho escrita e assinada, datada do Antimarí, a 24.11.1900, e que expomos em nosso escritório ao público. Eis um dos seus trechos:

Na nossa estada no território boliviano, estivemos todos presos pelos aludidos bolivianos, e, depois de muitas arbitrariedades que fizeram conosco, resolveram soltar-nos. […] (JCA, n° 123)

Jornal do Recife, n° 225
Recife, PE – Sexta-feira, 03.10.1902
O Acre

As viagens de Paul Marcoy, em 1859 a 1860 desde a costa do Pacífico até o Pará veio transformar todas as cartas, e reformar a geografia dessas regiões. Nas cartas que acompanham a descrição de sua viagem de exploração, assinala uma vasta região compreendendo os cursos superiores dos Rios confluentes do Amazonas pela margem direita que deve ser, diz ele, representada mais de um grau para Oeste.

[…] não obstante a acreditada Carta de Petermann, edição de 1867, trazer esta indicação e assinalar o Rio Aquiri, que até então não figurava nas Cartas corográ­ficas, com um curso muito limitado. (JDR, n° 225)

Jornal do Comércio do Amazonas, n° 002
Manaus, AM – Segunda-feira, 04.01.1904
Plácido de Castro  

A “Revista da Semana” acaba de publicar o mais recente e belíssimo retrato do intrépido chefe dos Acreanos. Das suas raras qualidades militares de comando, da exemplar disciplina em que sabe manter as suas tropas, têm falado ou escrito com louvor soldados da maior competência, que conheceram de perto o heroico rio-grandense, como são os Generais Henrique Valladares e Pinheiro Machado, os Coronéis Siqueira de Menezes, Salles Torres Homem e Cunha Mattos, o Major Gomes de Castro e outros que poderíamos citar.

Ainda há dias, um dos mais considerados oficiais superiores do Exército Brasileiro, portador de um nome ilustre, publicava o seguinte, em artigo assinado “Um Soldado”:

[…] Também não poderíamos, se sucedesse o contrário, deixar de repelir devidamente quaisquer doestos ([1]) que fossem lançados à reputação do brilhante chefe da Revolução Acreana, Coronel Plácido de Castro, que em plena mocidade tem revelado, como acontece às individualidades extraordinárias, um admirável tino militar, político e administrativo.

O Major Gomes de Castro, em relatório de 1° de maio, escreveu:

[…] Ao meio dia de 25 [abril], fiz a minha entrada em Gironda, sendo recebido por Plácido de Castro com a gentileza e a camaradagem que lhe são peculiares. Imediatamente, fiz-lhe entrega da vossa carta e dei-lhe ciência de todas as instruções que lhe enviastes. Só então o chefe acreano teve conhecimento do Acordo Diplomático de 21 de março. É dever de justiça declararvos o modo cavalheiresco, pelo qual o chefe acreano deuse pressa em cumprir as deliberações do nosso governo

Com as suas próprias mãos, Plácido preparou a bandeira branca, o símbolo sagrado da paz, que foi mandado arvorar imediatamente na posição acreana, confronte de Porto Rico. Ao comandante dessa trincheira enviou ele um cartão comunicando a suspensão das hostilidades.  

Por efeito do Convênio preliminar e a aproximação de um oficial do nosso Exército com ofício do General Brasileiro, propondo Conferência Parlamentar. O Quartel General de Plácido de Castro está instalado num grande barracão pouco distante daquele em que fica o Vice-Consulado “alemão” (?), assinalado pela respectiva bandeira. 

A fim de evitar os desastrosos efeitos do sítio, agravados pela circundação do Campo pelas matas, Plácido de Castro, ao em vez de colocar a sua gente num mesmo ponto aplica a engenhosa tática de distribuí-la em pequenos grupos em torno do Quartel General, abrigados pelas matas, em tapiris e outros meios de bivacamento. A segurança do seu campo é completa, devido a um meticuloso serviço de vigilância. De Girona, por Bela Flor, até pouco acima de Porto Rico, onde o Orton faz uma imensa volta, se estendem as linhas acreanas, tolhendo completamente o passo ao inimigo.  

Tendo seguido a marchas forçadas, Plácido de Castro estava reduzido a alimentar as suas tropas com milho torrado, enquanto esperava pelos comboios de mantimentos que daqui [Boa-Fé] iam partir […]

São esses patrióticos brasileiros, habituados às privações, à disciplina militar, valentes nos combates, generosos na vitória, que um compatriota nosso entendeu dever chamar debandidos”. (JCA, n° 002)

Por Hiram Reis e Silva (*), Bagé, 07.12.2021 – um Canoeiro eternamente em busca da Terceira Margem.

Bibliografia  

JCA, n° 002. Plácido de Castro – Brasil – Manaus, AM – Jornal do Comércio do Amazonas – n° 002, 04.01.1904.

JCA, n° 007. Estabelecimento de Alfândega no Acre e Outros Rios – Brasil – Manaus, AM – Jornal do Comércio do Amazonas – n° 007, 23.08.1899

JCA, n° 070. A Verdade dos Boatos – Brasil – Manaus, AM – Jornal do Comércio do Amazonas – n° 70, 23.10.1900.

JCA, n° 100. O Mucuripe – Brasil – Manaus, AM – Jornal do Comércio do Amazonas – n° 100, 23.11.1900.

JCA, n° 102. O Acre – Brasil – Manaus, AM – Jornal do Comércio do Amazonas – n° 102, 25.11.1900.

JCA, n° 123. Ecos do dia – Prisões de Brasileiros – Brasil – Manaus, AM – Jornal do Comércio do Amazonas – n° 123, 16.12.1900.

JCA, n° 409. Importante Interview – Brasil – Manaus, AM – Jornal do Comércio do Amazonas – n° 409, 05.03.1899.

JCA, n° 428. A Questão com a Bolívia – Brasil – Manaus, AM – Jornal do Comércio do Amazonas – n° 428, 26.03.1899.

JCA, n° 508. A Revolução de Iquitos – Brasil – Manaus, AM – Comércio do Amazonas, n° 508, 14.07.1899.

JDR, n° 225. O Acre – Brasil – Recife, PE – Jornal do Recife – n° 225, 03.10.1902.  

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;  

  • Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)
  • Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA) (2000 a 2012);
  • Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);
  • Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);
  • Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)
  • Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);
  • Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);
  • Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);
  • Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)
  • Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);
  • Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)
  • Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).
  • Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).
  • E-mail: hiramrsilva@gmail.com.

[1]   Doestos: insultos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*