A Terceira Margem – Parte CXXVIII

Foz do Breu, AC/ Manaus, AM ‒ Parte IV

FOZ DO BREU/AC – Google maps

Descendo o Juruá ‒ IV 

Expedição Gen Bellarmino Mendonça 

Quando surge um problema, você tem duas alternativas ‒ ou fica se lamentando, ou procura uma solução. Nunca devemos esmorecer diante das dificuldades. Os fracos se intimidam. Os fortes abrem as portas e acendem as luzes.
(Dalai Lama) 

Em mais de uma oportunidade, o Tenente-Coronel de Engenharia Lauro Pastor havia-me perguntado por que eu ainda não resolvera descer o Rio Juruá. Embora meu destino e minha meta sejam, sem dúvida, percorrer todos os grandes afluentes da magnífica Bacia do Rio-Mar, somente aqueles que têm conhecimento da série de obstáculos que tenho enfrentado para realizar minhas épicas jornadas, desde a Descida do Solimões, podem compreender minha relutância neste caso.

Quando apresentei, nos idos de 2008, minha proposta para descer o Rio-Mar (Solimões/Amazonas), desde Tabatinga, AM, até Belém, PA, ao Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA), onde sou Professor, o Comando, o Corpo Docente e Discente me apoiaram e elaboramos entusiasmados as diretrizes que norteariam este grande projeto multidisciplinar e interdisciplinar com uma face pedagógica bastante definida de total interesse não só para alunos e professores do CMPA, mas para a sociedade brasileira, que discutia e discute seriamente as questões ambiental, indígena e desenvolvimento sustentável da nossa floresta. Cada disciplina apresentou seus objetivos gerais e específicos, o procedimento que eu, como pesquisador, deveria seguir para colher as informações que atendessem plenamente as metas propostas e como estes conteúdos seriam trabalhados em sala pelos alunos do CMPA.

Eu pretendia partir de Tabatinga, AM, percorrer todo o Solimões e o Amazonas de caiaque, e chegar a Belém, PA, em quatro meses depois de percorrer aproximadamente 3.300 km.

Na época, as Organizações Militares de ensino a que o Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA) estava diretamente subordinado, determinaram que eu refizesse meu planejamento e o limitasse ao período das férias escolares. Reprogramei a descida para dois meses com o objetivo de percorrer todo o Rio Solimões nos meses de dezembro e janeiro (Tabatinga/Manaus). Novamente minhas expectativas foram frustradas! O Escalão Superior entendeu que o projeto devesse ser executado apenas durante o mês de férias a que eu tinha direito.

Parti em busca de uma alternativa, não tinha nenhum sentido concluir a jornada em Tefé percorrendo apenas metade do Solimões. A solução, finalmente encontrada, com o apoio irrestrito do Comandante do CMPA, meu caro amigo Coronel Paulo Contieri, foi a de solicitar rescisão do contrato com o Colégio nos meses de dezembro e janeiro e tentar a recontratação a partir de fevereiro de 2009.

Eu sabia que o adicional de salário que percebia como Professor do Colégio Militar iria fazer muita falta. Os custos de enfermagem e produtos farmacêuticos com minha esposa inválida eram muito altos, as perspectivas eram extremamente desfavoráveis, mas eu já não podia, absolutamente, recuar.

Foi neste triste momento de desencanto e desânimo que recebi um e-mail de meu velho amigo, General Joaquim Silva e Luna, na época Chefe do Estado Maior do Exército, no qual ele me incitava com seu lema predileto: “Prossiga na Missão!”.

O velho camarada, parceiro de tantos desafios enfrentados na BR-174 (Manaus, AM/Boa Vista, RR), no início da década de 80, me animou com sua lacônica mensagem. Mesmo enfrentando a falta de apoio por parte da Força Terrestre e de quaisquer patrocínios institucionais consegui, finalmente, cumprir a Missão antes do prazo previsto e com todas as metas alcançadas.

Vento Xucro  

(Jayme Caetano Braun) 

E como um centauro errante

Vagueias no continente

Remexendo a cinza quente

Da nossa História distante.

Fiz questão de fazer esse pequeno preâmbulo para revelar alegremente que, hoje, novos e salutares “ventos xucros” percorriam os corredores e gabinetes das Organizações Militares que tratam efetivamente dos assuntos afetos ao Ensino e à Cultura de nosso Exército.

O “Vento Xucro do meu Pago” rompeu as fronteiras Rio-grandenses e resolveu arejar as instituições de ensino da Força Terrestre mostrando a todos que apenas “Remexendo a cinza quente da nossa História distante” podemos crescer como Nação e para isso temos de nos valer de pesquisadores.

Nosso projeto, finalmente, está sendo tratado como uma pesquisa de interesse da Força Terrestre e, por isso mesmo, minha contratação como Prestador de Tarefa por Tempo Certo (PTTC) passou de “Professor” para “Pesquisador”.

Graças ao apoio irrestrito do Comandante Militar da Amazônia, General de Exército Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, do Chefe do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEX), General de Exército Ueliton José Montezano Vaz e do seu Vice-Chefe, General de Divisão Antônio Hamilton Martins Mourão, companheiro de Turma (Tu AMAN/1975) da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) vamos contar, desta feita, com o apoio oficial das Organizações Militares da Bacia do Juruá/Solimões.

O Diretor Geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), Autarquia Federal vinculada ao Ministério dos Transportes, General de Divisão Jorge Ernesto Pinto Fraxe (Tu Eng AMAN/1975) nos incumbiu de atualizar seus Mapas Multimodais prenhes de incorreções além de outras missões afetas a um Reconhecimento de Engenharia. O General Villas Bôas montou uma verdadeira Operação Militar como podemos constatar na Ordem de Serviço abaixo, onde estão atribuídas as responsabilidades pelo apoio em cada fase da missão.

Por Hiram Reis e Silva (*), Bagé, 12.01.2021 – um Canoeiro eternamente em busca da Terceira Margem.  

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

  • Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)
  • Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);
  • Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);
  • Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);
  • Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)
  • Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);
  • Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);
  • Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);
  • Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)
  • Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);
  • Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)
  • Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).
  • Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).
  • E-mail: hiramrsilva@gmail.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.