Maiores bancos privados do Brasil se unem em defesa da Amazônia

Presidentes de Itaú, Bradesco e Santander se reúnem com Mourão para lançar iniciativa de proteção ambiental. Plano é divulgado em meio à crescente pressão internacional pelo fim do desmatamento

Em meio a pressão internacional contra o desmatamento da Amazônia e da deterioração da imagem do Brasil no exterior, os três maiores bancos privados que atuam no país – Bradesco, Itaú e Santander – se uniram e divulgaram nesta quarta-feira (22/07) um plano integrado para contribuir com a conservação e desenvolvimento sustentável da floresta.

Representantes das três instituições se reuniram com o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, para detalhar as medidas. Mourão é também presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal, recriado no começo deste ano pelo presidente Jair Bolsonaro na tentativa de diminuir críticas de entidades ambientalistas e de governos internacionais descontentes com as controversas políticas ambientais de sua gestão.

Os bancos estabelecerão, agora, um conselho de especialistas de diferentes áreas para auxiliar nos desdobramentos do plano. As ações devem começar ainda este ano em três frentes identificadas como prioritárias: conservação ambiental, investimento em infraestruturas sustentáveis e garantia dos direitos básicos da população da região amazônica. Entre as medidas, estão atuar visando o desmatamento zero no setor de carnes e estimular monoculturas sustentáveis por meio de linhas de financiamento diferenciadas.

Leia na íntegra: Deutsche Welle Brasil

Leia também:

Folha de S. Paulo – Maiores bancos privados fazem iniciativa conjunta em defesa da Amazônia

O Estado de S. Paulo – Executivos dos três maiores bancos privados têm reunião com Mourão para lançar fundo para a Amazônia

PUBLICADO EM:                JORNAL DA CIÊNCIA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.