Assentamentos lideram desmatamento

Mais da metade do desmatamento praticado na Amazônia no mês passado ocorreu em assentamentos rurais, atingindo aproximadamente 100 quilômetros quadrados (ou 10 mil hectares).

Sete dos 10 assentamentos com mais desmatamento se localizam no Pará. A situação é mais grave nas duas áreas do PDS (Projeto de Desenvolvimento Sustentável) Liberdade, em Pacajá.

O Pará foi responsável por 60% dos desmatamentos registrados em outubro pelo Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia), com sede em Belém. Mato Grosso ficou com 12%. Rondônia (9%), Acre (8%), Amazonas (6%) e Roraima (5%) vieram depois. Veja os dados aqui.

Dos 10 municípios considerados críticos na Amazônia, seis ficam no Pará, que abriga sete dos 10 assentamentos mais desmatados em outubro, quatro das 10 unidades de conservação e quatro das 10 áreas indígenas no topo da destruição de floresta.

No total, foram desmatados 187 quilômetros quadrados (ou quase 20 mil hectares), 28% a menos do que no mesmo mês do ano passado, quando a derrubada alcançou 261 km2. Mato Grosso, que em 2017 foi o principal agente, ficou bem abaixo neste ano: 12% do total.

Por causa da devastação no assentamento Liberdade e Liberdade I, Pacajá foi o município mais desmatado. Perdeu 45 km2 da sua floresta. O segundo foi Portel (25 km2), seguindo-se, com áreas muito menores, São Félix do Xingu, Altamira, Itupiranga e Óbidos. O PDS foi criado pelo Incra entre 2005 e 2006.

Em 2007, o Ministério Público Federal propôs seu cancelamento na justiça. Esse e outros assentamentos foram considerados inexistentes, criados apenas no papel.  Não dispunham de licenciamento ambiental nem estudos socioeconômicos. Também não atendiam os clientes da reforma agrária e ainda, em alguns casos, suas áreas estavam superpostas a unidades de conservação federais.

Como ainda não foram extintos, esses assentamentos servem aos desmatadores. E desservem a Amazônia.

Ao final da temporada de fogo na Amazônia, o Greenpeace esteve em campo para registrar o estrago deixado pelas queimadas, na região entre os estados do Amazonas, Acre e Rondônia
Mesmo com sua reconhecida importância para conservação da sociobiodiversidade e do clima no mundo todo, a Amazônia ainda possui focos ativos de incêndio e áreas de cinzas. O fogo oferece risco às pessoas e aos animais e contribui para engordar as emissões de gases do efeito estufa. Em 2018, apesar da tendência geral de queda no número de focos de calor na Amazônia Legal, estados críticos em desmatamento registraram mais fogo. (Foto: Daniel Beltrá/Greepeace)

Em 2018, apesar da tendência geral de queda no número de focos de calor na Amazônia Legal, estados críticos em desmatamento registraram mais fogo (Foto: Daniel Beltrá/Greenpeace)

Lúcio Flávio Pinto é jornalista desde 1966. Sociólogo formado pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo, em 1973. Editor do Jornal Pessoal, publicação alternativa que circula em Belém (PA) desde 1987. Autor de mais de 20 livros sobre a Amazônia, entre eles, Guerra Amazônica, Jornalismo na linha de tiro e Contra o Poder. Por seu trabalho em defesa da verdade e contra as injustiças sociais, recebeu em Roma, em 1997, o prêmio Colombe d’oro per La Pace. Em 2005 recebeu o prêmio anual do Comittee for Jornalists Protection (CPJ), em Nova York, pela defesa da Amazônia e dos direitos humanos. Lúcio Flávio é o único jornalista brasileiro eleito entre os 100 heróis da liberdade de imprensa, pela organização internacional Repórteres Sem Fronteiras em 2014. Veja outros artigos do autor.

FONTE: VER MAIS EM:

http://amazoniareal.com.br/assentamentos-lideram-desmatamento/ 

NOTA

A equipe do ECOAMAZÔNIA esclarece que o conteúdo e as opiniões expressas nos artigos são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a opinião deste ‘site”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.