Advogado-geral da União busca solução pacífica para a Suiá-Missú

Após súplica de parlamentares mato-grossenses, o advogado-geral da União, Luis Inácio Adams, reavaliou a determinação da Justiça Federal de despejo dos não índios que residem na região Suiá-Missú. Mesmo sem uma solução pacífica em vista para a região do Araguaia, o ministro propõe que a população passe a ser notificada, durante os próximos 30 dias, sobre a desocupação da reserva Marãiwatsédé.

Em reunião nesta quarta-feira (31.10), com o senador Cidinho Santos e os deputados federais Valtenir Pereira e Homero Pereira, Adams explicou que é interesse do Governo Federal colaborar com o Estado de Mato Grosso, em evitar um possível conflito civil que pode ser gerado em consequência do despejo dos não índios que ‘há mais de 30 anos habitam a região’, considerou.

O ministro também se comprometeu a reunir-se ainda esta tarde, com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ayres Brito, para junto à Associação de Produtores Rurais da Suiá-Missú (Aprosum), enfatizar o pedido de reconsideração da liminar do TRF – que impedia a desocupação imediata daqueles moradores.

“Estamos há 15 dias suplicando ao presidente da Suprema Corte que reconsidere essa liminar. Entendemos a importância das questões indígenas e a letra da Constituição Federal, mas o que enfatizamos é uma questão humanitária, ou seja, são 5 mil famílias que estão a um passo de perderem suas casas e, me pergunto, para onde vão essas famílias? O que será dessas crianças e adolescentes?”, recorreu Cidinho.

De acordo com o advogado da associação, Luiz Alfredo Feresin de Abreu, na reunião de hoje também serão apresentados a Ayres Brito documentos que comprovam que a área em questão não pertence historicamente aos xavantes.

Desde a última sexta-feira (26.10), além da polícia militar e rodoviária federal, o exército brasileiro ocupa a área a fim de cumprir a determinação judicial de despejo, no entanto, enquanto parlamentares de Mato Grosso buscam resolver o impasse em Brasília, o Exército ficará acampado na gleba Suiá-Missú visando garantir a ordem e a segurança na região.

FONTE:

http://agenciadanoticia.com.br/noticias/geral/1918046/advogado-geral-da-uniao-assume-impasse-e-busca-no-stf-solucao-pacifica-na-suia-missu

http://agenciadanoticia.com.br/noticias/geral/1824043/justica-amplia-data-de-retirados-de-posseiros-da-suia-missu-e-a-desocupacao-de-maraiwatsede-comeca-a-partir-de-outubro

http://agenciadanoticia.com.br/noticias/geral/1771536/incra-define-tres-fazendas-para-abrigar-posseiros-no-vale-do-araguaia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.