PA – Reunião discute projeto de plantio de arroz na Ilha do Marajó

Uma reunião na Associação Comercial do Pará (ACP) vai discutir, na próxima segunda-feira (9), um projeto que defende a implantação do plantio de arroz na Ilha do Marajó. A proposta é do deputado federal Paulo Quartiero. A reunião está marcada para às 9h, no salão nobre da ACP.

De acordo com Quartiero, a proposta pode ajudar a combater a pobreza no mundo inteiro através do plantio do arroz na região do Marajó. Ele acredita que a medida pode contribuir bastante com a produção de arroz que, segundo ele, pode chegar a 10 milhões de toneladas por ano.

Quartioli afirma que é necessário tomar como base o desenvolvimento do plantio do arroz no Rio Grande do Sul, que contribui bastante para a economia nacional através da atividade. “Isso ajudaria o Marajó, que vive hoje o pior Índice de Desenvolvimento Humano do Pará (IDH) com mais oportunidades comerciais e geração de emprego e renda para a população local, já que a rizicultura e toda desenvolvida em trabalho manual”, analisa.

O presidente da ACP, Sérgio Bitar, enfatiza a tese de que a associação vê a importância da rizicultura para promover o desenvolvimento socioeconômico do Marajó e que isso contribui para o desenvolvimento do Estado.

Sustentabilidade
O deputado defende que, além das vantagens econômicas, a rizicultura no Marajó traria quase nenhum tipo de impacto ambiental. A alta capacidade de regeneração do solo Marajoara e a fácil adaptação do plantio de arroz facilitariam o processo de enriquecimento do solo, que foi empobrecido devido a grande extração de madeira feito a anos por madeireiros na região.

Para Quartiero, a rizicultura não agride a natureza e afirma que a tecnologia utilizada no Marajó é a mesma no mundo inteiro, o que garante a preservação do meio ambiente além do sucesso na plantação.

FONTE :   http://g1.globo.com/pa/para/noticia/2012/07/reuniao-discute-projeto-de-plantio-de-arroz-na-ilha-do-marajo.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.