MCTI inaugura o Laboratório Flutuante Vitória-Régia e o monitoramento em tempo real na Reserva Mamirauá em Tefé (AM)

A unidade de pesquisa da Reserva Mamirauá na Amazônia é a primeira no mundo a ter o serviço de monitoramento totalmente em tempo real, pelo Projeto Providence

Fotos: Wesley Souza – ASCOM/MCTI

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, astronauta Marcos Pontes, realizou nesse sábado (5), a inauguração do Laboratório satélite Vitória-Régia e do Projeto Providence na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, localizada na Amazônia, a 600 quilômetros de Manaus (AM), em pronunciamento o ministro disse que a reserva será a primeira unidade de conservação no mundo a ter a biodiversidade totalmente monitorada de maneira automatizada e em tempo real.

Pontes agradeceu pelo “excelente” trabalho que tem sido desenvolvido pelo Instituto Mamirauá. “Muita gente fala de desenvolvimento sustentável, e aqui a gente coloca na prática esse desenvolvimento sustentável, então parabéns para toda equipe e retransmita aos pesquisadores e a todos os colaboradores do instituto Mamirauá”, declarou o ministro que também agradeceu o apoio do Exército Brasileiro, Polícia Federal e Polícia Militar do Amazonas pelo apoio logístico e operacional na missão.

O direto Geral do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá/MCTI, João Valsecchi relata que a estrutura do Flutuante Vitória-Régia é totalmente voltada para ações sustentáveis. “Agradeço ao fato de o Instituto Mamirauá ter sido a instituição escolhida para receber a primeira base, e é um projeto que tem por objetivo a instalação de infraestrutura voltado para pesquisas no território amazônico. A ideia é de que com essa infraestrutura a gente consiga criar ampliar pesquisas científicas e formação de recursos humanos e apoiar atividades de pesquisas em diferentes áreas de conhecimento”, afirma.

O ministro também destacou a relevância das estratégias voltadas para atuação em diversas áreas. “Eu posiciono o Ministério como uma caixa de ferramentas para ajudar em todos os outros setores, seja na indústria, no agronegócio, na infraestrutura, no meio ambiente, em todas as áreas, e a partir daí nós criamos as nossas estratégias, diretrizes e assim por diante.”

Ministro conselheiro e chefe da Chancelaria da Embaixada da Argentina no Brasil, Pablo Antonio de Angelis, parabenizou a equipe envolvida pelo “belíssimo” trabalho de inauguração do laboratório Flutuante Vitória-Régia. “Parabéns por conseguir tirar do papel essa ideia maravilhosa. Essa é uma ferramenta incrível; ninguém poderia imaginar que existe um laboratório flutuante na Amazônia e que, sem dúvida, vai ajudar a ciência” disse.

O embaixador da República Federal da Alemanha no Brasil, Heiko Thoms lembrou que existe uma cooperação científica de longa data entre a União Europeia, Alemanha e Brasil, e há intenção de ampliá-la e difundi-la. Ele parabenizou o MCTI e o Brasil, destacando que o projeto SALAS/MCTI é muito promissor, ambicioso e vai fortalecer a nossa relação e promover maior interação entre os países.

O embaixador da Suíça no Brasil, Pietro Adolpho Giuseppe Lazzeri declarou que “esses laboratórios são olhos e ouvidos”, que permitem conhecer melhor o território, para trazer benefícios não só para a pesquisa, mas também as comunidades. “Porque um componente importante fundamental é a integração na sociedade, no lugar onde a pesquisa está sendo desenvolvida”, afirma.

O embaixador-chefe da delegação da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez Rubio, falou da importância de divulgação das ações que o Brasil desenvolve na área de pesquisa científica. “Essas são as boas notícias que o Brasil nos faz chegar. Essas são coisas que queremos ouvir no mundo inteiro, sobre coisas que o Brasil está fazendo, e fazendo bem”, ressaltou.

O ministro finalizou a cerimônia de lançamento do Laboratório Satélite Vitória-Régia e do Projeto Providence exaltando as tecnologias que irão beneficiar os estudos e pesquisas científicas na Região Amazônica. “Esta é a primeira reserva do Planeta que é monitorada 24h, sete dias por semana, e isso é muito importante para que a gente acompanhe cada um desses desenvolvimentos”, destacou. “É muito importante ampliar isso aí agora para todo o restante, então estou muito feliz hoje. Esse laboratório totalmente sustentável dá um exemplo de coerência”.

Monitoramento em tempo real

O monitoramento automatizado dos animais da Reserva Mamirauá/MCTI por meio de imagens e sons faz parte do Projeto Providence, uma cooperação internacional liderada pelo Instituto Mamirauá e financiada pelo MCTI e pela Fundação Moore.  A reserva possui mais de 1,1 milhão de hectares e fica localizada na região do médio Solimões, no estado do Amazonas.

O projeto Providence, desenvolvido pelo Instituto Mamirauá/MCTI em parceria com a Universidade Politécnica da Catalunha, na Espanha, monitora a biodiversidade com uma rede de câmeras e microfones escondidos na reserva, automatizando o processo de monitoramento da fauna brasileira e identificando as espécies por conta própria, em tempo real.

O diretor Técnico-Científico do Instituto Mamirauá/MCTI, Emiliano Ramalho explica que o equipamento Providence escuta, identifica, entende e classifica as espécies; ele também faz a classificação por meio da imagem. A ideia é aproximar as pessoas da biodiversidade da Amazônia. São 20 módulos totalmente autônomos que fazem análise e enviam as informações para uma base via satélite em tempo real.

O sistema foi instalado em módulos de vídeo e áudio terrestres e é capaz de identificar 40 espécies, incluindo aves, mamíferos e répteis. A identificação é feita visualmente e por meio dos sons que animais produzem como o canto de uma arara ou o urro de um macaco. Com a tecnologia ainda mais aprimorada, com custos reduzidos prevê o monitoramento total da reserva e em tempo real.

Os módulos instalados na unidade de conservação não apenas registram a imagem dos animais como também identificam a espécie através de um software. As câmeras são alimentadas por energia solar e os dados enviados em tempo real para os pesquisadores via satélite.

Segundo o Secretário de Pesquisa e Formação Científica do MCTI, Marcelo Morales, o Providence será o Big Brother da biodiversidade brasileira e vai permitir que tenhamos respostas rápidas sobre o que está acontecendo com a biodiversidade. “É uma ação extremamente importante, emocionante para todos nós, termos a primeira reserva monitorada em tempo real através do Providence no mundo, é uma conquista muito grande, parabéns ao Mamirauá”.

Marcos Pontes conhece o aparelho “Providence”, responsável pela captação de som e imagem dos animais

Expansão
O diretor Técnico-Científico do Instituto Mamirauá/MCTI, Emiliano Ramalho, explica que a primeira etapa do Projeto Providence buscou demonstrar que a tecnologia de monitoramento de maneira automatizada era possível. A segunda etapa aprimorou a tecnologia e resultará na primeira reserva do mundo totalmente monitorada em tempo real. “A próxima etapa é expandir essa tecnologia para toda a Amazônia e para outras unidades de conservação do país. A gente acabou de concluir um marco importante no Brasil”, afirma.

Ainda segundo Emiliano Ramalho, o monitoramento automatizado vai permitir aos gestores ter informações rápidas e precisas sobre a biodiversidade da reserva. “Atualmente, a gente tem um gestor de unidade de conservação para cada 280 mil hectares de floresta. Com esse sistema, gestores e o governo brasileiro terão respostas com velocidade sobre as espécies e a unidade de conservação para a tomada de decisões.”

Delegação 

A comitiva do MCTI saiu do Instituto Mamirauá, em Tefé, em duas embarcações, sendo acompanhadas pelo Exército brasileiro e a Polícia Militar do Amazonas. O deslocamento até o Laboratório Satélite Vitória-Régia durou em torno de 1h30 até a chegada na reserva do Instituto Mamirauá.

Compõem ainda o grupo o diretor do departamento de Promoção Tecnológica, representando  o ministro das Relações Exteriores, Luciano Mazza de Andrade; a secretária de Articulação e Promoção da Ciência do  MCTI, Christiane Corrêa; o secretário de Empreendedorismo do MCTI, Paulo Alvim, o presidente da Financiadora de Estudos e Projetos, FINEP/MCTI, Waldemar Barroso, o diretor do Departamento de Ciências da Natureza – SEPEF/MCTI, Savio Raeder; o secretário Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação de Tefé, Daniel Sacha Caminha Beserra, entre outros.

Instituto Mamirauá  

O Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá foi criado em abril de 1999. É uma organização social fomentada e supervisionada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. O Instituto Mamirauá é referência nacional e internacional em desenvolvimento sustentável para a conservação da biodiversidade e melhoria da qualidade de vida das populações amazônicas.

As ações do Instituto Mamirauá incluem a aplicação da ação de ciência, tecnologia e inovação na adoção de estratégias e políticas públicas de conservação e uso sustentável da biodiversidade da Amazônia. Também abrangem a construção e a consolidação de modelos para o desenvolvimento econômico e social de pequenas comunidades ribeirinhas por meio do desenvolvimento de tecnologias socialmente e ambientalmente adequadas.

PUBLICADO POR:      MCTI 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: