Nesse 12 de outubro, conheça as memórias e sonhos de crianças refugiadas no Brasil

Para celebrar o Dia das Crianças, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) convidou três refugiados para compartilharem suas memórias e percepções sobre as vidas que deixaram para trás ao saírem de seus países de origem: Adrian, venezuelano de 14 anos; Maravilha, congolesa de 13 anos, e Mohammad, sírio de 13 anos. Eles compartilharam também como estão se integrando aqui no Brasil e seus sonhos para o futuro.

Para celebrar o Dia das Crianças, o ACNUR conversou com Adrian (Venezuela), Maravilha (RDC) e Mohammad (Síria). Foto: ACNUR

Confira:

1. Do que você mais gosta no Brasil?

Para Mohamad, o mais importante não são coisas, e sim pessoas: “O que eu mais gosto do Brasil é do povo brasileiro, que nos ajudou muito quando chegamos aqui. Nos deram alimento, moradia… nos ajudaram em tudo, de uma maneira inesquecível”, reflete o jovem sírio.

Adrian não pensa duas vezes e logo responde: “Paçoca!”. Maravilha ressalta várias coisas do seu universo cotidiano: “A escola, a comida, meus amigos, a lua, a paisagem…”.

2. E do que você mais sente falta da vida no seu país de origem?

Apesar de terem se integrado no Brasil, muitas lembranças da vida na Síria, Venezuela e República Democrática do Congo permanecem muito presentes na vida de cada um. Todos trazem consigo um sentimento de saudade da família.

“Eu sinto falta da minha família, dos meus amigos, meus primos…”, fala Maravilha. “Lembro de quando eu brincava, ia pra escola, várias coisas. Sinto falta do meu pai, de quando eu passava férias na casa da minha avó… sinto falta de tudo”, completa.

Apesar de toda a saudade do que é bom, há também memórias que são difíceis de esquecer, como compartilha Mohammad. “Tenho saudades dos meus parentes e das lembranças boas… Sempre há coisas ruins e boas, mas vamos começar pelas ruins: são lembranças muito, muito difíceis que eu tenho de quando meu avô perdeu a vida na guerra. Ele foi baleado dentro do carro dele. E também uma vez eu estava sentado na varanda com a minha vó, estávamos conversando, e de repente veio uma bala que passou raspando entre nós dois. Deixamos imediatamente tudo lá fora e entramos em casa. Fomos nos esconder em outro cômodo, o mais longe possível. Eu e ela ficamos aterrorizados esse dia, não conseguimos fazer nada.”

Mohammad, 13 anos, natural da Síria. Foto: ACNUR

3. Como você conheceu seus amigos aqui no Brasil? E como vocês mantêm contato durante a pandemia?

Adrian teve uma experiência difícil na escola quando chegou ao Brasil. E releva como contornou a situação: “Quando você chega aqui [no Brasil], tudo é diferente. A cultura é outra, escola, idioma… No começo eu sofria bullying na escola. Parece coisa besta, mas dói. Eu me sentia muito triste, deprimido. Minha mãe falou que se eu quisesse ser respeitado, eu teria que começar a aprender português e a falar com as pessoas. Isso foi uma ferramenta muito boa, isso me ajudou a me desenvolver com as pessoas. Tanto que quando eu fui embora da escola ninguém queria se desapegar de mim, várias pessoas começaram a chorar, eu também não me segurei não… Foi triste. Foi uma despedida”, lembra.

“Quando eu cheguei em Vitória eu fiquei com medo de passar por tudo de novo – bullying, não é muito fácil. Mas logo fiquei amigo das pessoas, todo mundo queria falar comigo. Já pensou você na minha idade chegar em um novo país que não fala o seu idioma e você se sentir diferente de todo mundo da sua sala?”

Adrian ainda mantém contato com seus amigos pela internet, assim como Maravilha e Mohammad, que se conectam com os amigos brasileiros também por meio das redes sociais.

4. O que você mais gosta de fazer todos os dias?

Durante a pandemia, Maravilha fica em casa direto. “Quando eu acordo faço minha rotina matinal, depois eu vou olhar a TV. Eu gosto de ler, ouvir música, conversar com meus amigos e gosto de vários gêneros de música: eletrônica, K-pop, sertanejo, entre outros”, diz animada.

Todos eles gostam de jogar online com os amigos. Jogos como RPG e Minecraft parecem ser uma unanimidade. “O tempo que eu passo com os meus amigos jogando é bom”, releva Adrian. “Eu também estudo inglês, eu assisto anime, eu arrumo a casa às vezes com minha mãe e avó… Eu só não saio tanto por causa da pandemia. Eu ainda tenho medo de sair, pegar e morrer, é um medo que não sai nunca”, conclui.

Para Mohammad, a rotina só é completa quando ele realiza suas práticas religiosas com sua família. “Quando acabo meus estudos eu faço oração. Lemos o Alcorão, a gente faz muita oração. É parte da nossa religião, isso é mandatório na nossa rotina diária – fazemos isso muito, muito mesmo. E no meu momento de paz gosto de ficar ouvindo música, jogar jogos no celular… E a música dá até uma inspiração no jogo, você consegue conquistar o que você quer,” afirma com convicção.

Maravilha, 13 anos, natural da República Democrática do Congo. Foto: ACNUR

5. Qual é seu prato preferido da cozinha brasileira? E da cozinha congolesa/síria/venezuelana?

Da comida congolesa, vinagrete. Já da síria, o quibe cru. Mas de comida brasileira, Maravilha e Mohammad amam strogonoff. “Mas não é qualquer strogonoff”, alerta Mohammad. “Tem que ser o do meu pai. Ele faz de um jeito que, meu Deus, é uma delícia demais, não dá pra esquecer o gosto que fica na boca. É muito, muito, gostoso. E ele faz de um jeito muito especial.”

Já Adrian tem um gosto favorito que ultrapassa as fronteiras: “Minha comida favorita, seja no Brasil ou na Venezuela, é macarrão. Não tem jeito, eu gosto muito.”

6. O que você gostaria de ser quando crescer?

“Não é uma coisa grande, eu não quero ser trilionário”, diz Adrian. “Eu sempre me vi trabalhando em uma coisa normal, não tão cansativa, mas que me desse um lucro.”

Maravilha fica na dúvida entre uma profissão na área da saúde e na área criativa. “Quando eu crescer, quero ser médica. Mas se não der certo eu posso ser designer”, reflete.

Já Mohammad tem muitas opções em mente: empresário, astronauta ou jogador de basquete. “Quero ir pro espaço, explorar novas galáxias, outros planetas, novas vidas nesses lugares… Seria bem legal não só pra mim, mas para o planeta todo! Descobrir vida em Marte, imagina?”

7. O que você deseja para o futuro do Brasil?

“Definitivamente quero que seja um lugar mais cheio de paz e amor”, reforça Mohammad. Ele se incomoda muito com racismo e bullying. “Quando eu vejo racismo eu só consigo pensar ‘que coisa horrível’. Também não sei o que se passa na cabeça das pessoas que praticam bullying. Isso é muito errado, não é certo fazer isso.”

Maravilha quer prosperidade para o país. “Eu quero que mais pra frente o Brasil seja um país melhor, com novas oportunidades não só pra gente [refugiados] mas para todas as pessoas também. Que seja um lugar com mais segurança, tecnologia, sabe? Essas coisas assim.”

Adrian reforça que o respeito é essencial para um país melhor. “Eu quero que a pandemia saia e que as pessoas não tenham mais preconceito contra refugiados. Eu sei que têm umas pessoas que acham que a gente é um ET, um ÓVNI, mas a gente é normal, só temos um idioma diferente.”

Se você gostou deste conteúdo, confira o episódio 3 do Podcast “Refúgio em Pauta” do ACNUR produzido em parceria com a Cátedra Sérgio Vieira de Mello, disponível em nosso site e nas principais plataformas de streaming.

Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) é uma organização dedicada a salvar vidas, proteger os direitos e garantir um futuro digno a pessoas que foram forçadas a deixar suas casas e comunidades devido a guerras, conflitos armados, perseguições ou graves violações dos direitos humanos. Presente em 135 países, o ACNUR atua em conjunto com autoridades nacionais e locais, organizações da sociedade civil e o setor privado para que todas as pessoas refugiadas, deslocadas internas e apátridas encontrem segurança e apoio para reconstruir suas vidas.

O trabalho do ACNUR de proteção às crianças refugiadas é mantido por contribuições voluntárias de países e por doações de empresas e pessoas físicas. Para contribuir com qualquer valor, clique aqui.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
UNHCR – United Nations Office of the United Nations High Commissioner for Refugees 
PUBLICADO EM:     ONU NAÇÕES UNIDAS    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.