Mamíferos aquáticos amazônicos protegidos

Plano de Ação Nacional contempla seis espécies – boto-cor-de-rosa, peixe-boi-da-amazônia, ariranha, lontra, tucuxi e boto-do-araguaia.

 O Diário Oficial da União acaba de publicar o Plano de Ação Nacional para Conservação de Mamíferos Aquáticos Amazônicos Ameaçados de Extinção (PAN Mamíferos Aquáticos Amazônicos). O PAN contempla seis espécies – boto-cor-de-rosa, peixe-boi-da-amazônia, ariranha, lontra, tucuxi e boto-do-araguaia. O objetivo é reduzir e mitigar as pressões antrópicas e aumentar o conhecimento sobre os mamíferos aquáticos da Amazônia, visando a sua conservação em cinco anos.

O PAN será coordenado pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Aquáticos (CMA), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), autarquia do Ministério do Meio Ambiente, e terá vigência até janeiro de 2024. O monitoramento será feito por meio de revisões e ajustes das ações anualmente e uma avaliação intermediária, prevista para o meio da vigência do PAN, e avaliação final do ciclo de gestão.

O PAN estabelece, prioritariamente, estratégias de conservação para três espécies constantes da Lista Nacional de Espécies Ameaçadas de Extinção, sendo uma classificada na categoria EN (em perigo), o boto-cor-de-rosa (Inia geoffrensis) e duas na categoria VU (vulnerável), o peixe-boi-da-amazônia (Trichechus inunguis) e ariranha (Pteronura brasiliensis).

O plano estabelece ainda estratégias para conservação de outras três espécies, sendo duas  classificadas como NT (quase ameaçada) – Tucuxi (Sotalia fluviatilis) e lontra (Lontra longicaudis) e uma espécie considerada ameaçada de extinção no segundo ciclo de avaliação do estado de conservação de mamíferos aquáticos (2016-2020), o boto-do-araguaia (Inia araguaiaensis).

As ações foram distribuídas nos seguintes objetivos específicos: redução dos conflitos entre mamíferos aquáticos e atividades pesqueiras; redução da pressão de caça sobre os mamíferos aquáticos; promoção da integridade dos habitats críticos para os mamíferos aquáticos; aumento do conhecimento sobre a dinâmica populacional, ecologia, interações com humanos e saúde dos mamíferos aquáticos; e promoção da educação ambiental e do engajamento da sociedade voltados à conservação de mamíferos aquáticos, influenciando políticas públicas.
Por: Ascom MMA, com Comunicação ICMBio – (61) 2028-9280
Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA)
(61) 2028-1227/ 1311/ 1437
imprensa@mma.gov.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.