Relação entre morcegos e javalis pode aumentar a transmissão de raiva

População de javalis e javaporcos na zona rural cresceu 500% desde 2007.  A relação entre morcegos-vampiros e javalis, no Brasil, tem preocupado pesquisadores e agropecuaristas quanto ao risco de transmissão de raiva.   

Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista e da Universidade de Campinas conseguiram evidenciar um aumento alarmante na distribuição e no número de javalis e javaporcos ( animais resultantes do cruzamento entre javalis e suínos)  no Brasil. Os estudiosos demonstraram também que os morcegos-vampiros passaram a se alimentar do sangue desses animais. 

O Brasil enfrenta uma grande invasão de javalis e javaporcos na zona rural, com aumento de 500% desde 2007, segundo dados da Fapesp, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. 

Para o professor do Instituto de Biociências da Unesp, em Rio Claro, Mauro Galetti , a questão pode se tornar um problema de saúde pública e pode ser resolvida com o trabalho de caçadores de javalis, mas há um impasse quanto a esse método. 

O javali e o javaporco são considerados espécies exóticas invasoras. Em 2013, o Ibama normatizou o controle populacional por meio da Instrução Normativa Ibama 03/2013.  Segundo o Ibama, espécies exóticas invasoras são consideradas a segunda maior causa de perda da biodiversidade em escala global e representam um desafio para a conservação dos recursos naturais. 

No Brasil, há registros da presença de javalis em quinze unidades da federação. Na Amazônia, eles são encontrados no Mato Grosso, em Roraima, Tocantins e Maranhão. 

Também são destaques do Jornal da Amazônia 1ª Edição desta quarta-feira (25): 
 
– Operação em garimpo de Mato Grosso resulta na prisão de duas pessoas
 
– Justiça de Roraima interdita cadeia pública no interior do estado
 
 
O Jornal da Amazônia 1ª Edição vai ao ar, de segunda a sexta-feira, às 7h45, na Rádio Nacional da Amazônia.

FONTE: EBC

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.