PNUMA: conheça seis espécies salvas pela restauração de ecossistemas

Sob o guarda-chuva da Década das Nações Unidas da Restauração de Ecossistemas, celebrada de 2021 a 2030, estão em andamento esforços ao redor do mundo para reavivar os habitats terrestres e marinhos danificados pelo homem, que colocaram o planeta à beira de uma sexta extinção em massa.

Postada por: ONU

Aqui está uma lista do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) de seis mamíferos, répteis e aves que se salvaram da extinção com a ajuda dessa restauração de ecossistemas, desde gorilas-da-montanha até onças-pintadas.

Ao redor do mundo, tanto em terra quanto nos oceanos, populações de plantas, animais e insetos que caem em colapso provocam temores de que o planeta Terra esteja entrando em sua sexta extinção em massa, com consequências catastróficas tanto para as pessoas, quanto para a natureza.

Estima-se que um milhão das oito milhões de espécies do mundo estejam sob ameaça de extinção. Os recursos dos ecossistemas essenciais para o bem-estar humano, incluindo o fornecimento de alimentos e água doce e a proteção contra desastres e doenças, também estão em declínio em muitos lugares.

Mas a esperança não está perdida. Sob o guarda-chuva da Década das Nações Unidas da Restauração de Ecossistemas, esforços estão em andamento para reavivar os habitats terrestres e marinhos danificados, desde montanhas e mangues até florestas e terras agrícolas.

Além de fornecer benefícios críticos para as pessoas, os ecossistemas restaurados são um refúgio para muitas espécies ameaçadas de extinção. Aqui está uma lista do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) de seis mamíferos, répteis e aves que se salvaram da extinção com a ajuda da restauração.

Saiga – Antílope do tamanho de uma cabra com um nariz comicamente grande, Saiga uma vez perambulou por milhões de pradarias da Europa até a China. Mas a caça excessiva, a perda do habitat e das rotas de migração, e os surtos de doenças os reduziram a populações remanescentes no Cazaquistão, na Rússia e na Mongólia.

Os esforços de restauração, incluindo a Iniciativa de Conservação Altyn Dala no Cazaquistão, estão protegendo e revitalizando cerca de 7,5 milhões de hectares de estepe, semi-deserto e deserto e já estão vendo resultados. Apesar da morte em massa de 200 mil saigas em 2015, a população cazaque saltou de menos de 50 mil animais em 2006 para mais de 1,3 milhões hoje.

Gorila-da-montanha – Confinados a duas florestas nebulosas na África central, existem apenas cerca de mil gorilas-da-montanha na natureza. No entanto, esse número representa um aumento constante desde os anos 80 e uma recompensa pelos consequentes trabalhos de proteção e restauração que estão resultando em renda turística para as autoridades e comunidades das áreas protegidas.

Metade dos gorilas restantes habita o maciço vulcânico-dotado Virunga, cuja área tripartite protegida atravessa as fronteiras de Uganda, Ruanda e a República Democrática do Congo. As ameaças, incluindo a insegurança, bem como as mudanças climáticas e as doenças, significam que os grandes macacos continuam ameaçados.

O trabalho de restauração na região incluiu a reabilitação de mais de mil hectares no Parque Nacional Mgahinga Gorilla de Uganda com a remoção de árvores exóticas para que as espécies florestais nativas possam retornar, e há planos para restaurar muito mais na região.

Onça-pintada – Enquanto a necessidade de preservar a Amazônia atrai uma atenção merecida, um foco de restauração recai sobre seu vizinho menos conhecido, a Mata Atlântica. Mais de 80% da vasta floresta que se estendia ao longo da costa do Brasil e do Paraguai e Argentina foi perdida para coisas como agricultura, exploração madeireira e infraestrutura.

Amplos esforços de restauração estão em andamento para combater a grave fragmentação deste hotspot de biodiversidade. Eles incluem a regeneração da floresta em terras abandonadas e a criação de corredores de vida selvagem entre áreas protegidas, estratégias que estão ajudando a preservar predadores como a onça-pintada e gato-maracajá que quase são consideradas espécies ameaçadas.

A população de onças-pintadas que vive mais ao sul percorre a região do Alto Paraná da Mata Atlântica, que faz fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai. Aqui, a redução do desmatamento e a restauração de milhares de hectares de antigas terras florestais ajudaram a população de onças-pintadas a aumentar em cerca de 160% desde 2005.

Dugongo – A restauração de ecossistemas é tão importante no meio aquático quanto na terra. No oceano, habitats vitais que sofreram destruição e degradação incluem prados de ervas marinhas, que são essenciais para as espécies marinhas, incluindo o dugongo, assim como os peixes que sustentam as comunidades costeiras ao redor do globo.

Os Dugongos, que são semelhantes a golfinhos, cuja expressão gentil e gosto por águas rasas pode estar por trás de velhos contos de sereias, desapareceram de grande parte de sua outrora vasta área de distribuição devido à caça, ao enredamento em equipamentos de pesca e à perda das ervas marinhas das quais se alimentam.

Mas a restauração e a proteção nos últimos redutos – que incluem a Austrália, Moçambique e o Golfo Arábico – oferecem esperança de que o único mamífero herbívoro do oceano possa evitar a extinção. Nos Emirados Árabes Unidos, por exemplo, Abu Dhabi planeja restaurar outros 12 mil hectares de mangues, recifes de coral e prados de ervas marinhas em cima de 7,5 mil hectares já reavivados.

Cobra Antiguan racer – Animais e plantas exclusivos de ilhas e arquipélagos são especialmente vulneráveis à extinção, como os gigantescos moas sem asas da Nova Zelândia ou a raposa voadora escura das Ilhas Maurício e Reunião. Mas as ilhas também são terreno fértil para a restauração ecológica de espécies ameaçadas de extinção.

A Antiguan racer é uma cobra inofensiva endêmica da nação de Antígua e Barbuda, que é uma das duas ilhas. Mangus não nativos foram introduzidos na década de 1890 para controlar ratos e presas de cobras, resultando que, em 1995, apenas cerca de cinquenta Antiguan racers sobreviveram em uma única ilhota fora da costa.

Desde então, os esforços de restauração eliminaram predadores invasores de várias ilhas, trazendo seus ecossistemas de volta a um estado natural, e os Antiguan racers contam agora com mais de 1,1 mil indivíduos espalhados por quatro locais. As colônias de aves nas ilhas também fizeram recuperações espetaculares graças à remoção dos predadores.

Abetouro – No Reino Unido, a restauração de processos naturais em áreas úmidas degradadas e em antigas paisagens industriais reviveu uma ave aquática icônica, além de proporcionar oportunidades de descanso e recreação às pessoas nos centros urbanos próximos.

A vocalização do Abetouro soa através dos lagos e canaviais de muitas zonas úmidas da Inglaterra, inclusive em antigas minas de carvão e poços de cascalho convertidos em reservas naturais. É uma grande reviravolta para um pássaro que há vinte anos atrás estava à beira da extinção no Reino Unido.

Mundialmente, as zonas úmidas são o tipo de ecossistema mais degradado. Outros 35% das zonas úmidas naturais foram perdidas desde 1970 e das 18 mil espécies terrestres que dependem das zonas úmidas avaliadas para a Lista Vermelha da IUCN estão globalmente ameaçadas.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

PNUMA – Programa das nações Unidas para o Meio Ambiente

PUBLICADO POR: ONUPNUMA: conheça seis espécies salvas pela restauração de ecossistemas | As Nações Unidas no Brasil  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: