Com Rio Acre a pouco mais de 2 metros da cota de alerta, Defesa Civil não descarta enchente em janeiro

No primeiro dia do ano, o Rio Acre amanheceu com 11,14 metros em Rio Branco. Uma elevação de 48 centímetros nas últimas 24h. Com a cota, o manancial está a 2,36 metros da cota de alerta.

Foto: Odair Leal – Postada em: Contilnet Notícias

Desde de dezembro do ano passado a Defesa Civil iniciou ações de contenção, prevendo uma elevação acima da média do Rio Acre em meados de fevereiro.

O coordenador da Defesa Civil de Rio Branco, major Cláudio Falcão, disse ao ContilNet hoje que os atuais 11, 14 metros é considerada uma cota alta para este início de ano. “De fato estamos uma eminência de uma inundação. Estamos hoje com 11 metros e 14 centímetros o que é uma cota alta para a data”, disse.

Falcão explicou que os primeiros quatro meses do ano são de alerta total. “Somados fevereiro e março, somem 73% das inundações ocorridas aqui em Rio Branco. Então temos mais risco nestes meses do que em janeiro, contudo já ocorreram transbordamentos nos meses de dezembro, janeiro, fevereiro, março e até abril”, ponderou.

Apesar dos riscos, o major garantiu que a Defesa Civil está em alerta junto aos órgãos necessários. No dia 23, a Prefeitura de Rio Branco deu início às preparações do Parque de Exposições Wildy Viana,  para receber famílias que possam ser atingidas.

Cheia de 2021

No início do ano, a cheia do Rio Acre em Rio Branco chegou a atingir mais de 13 mil pessoas e deixou pelo menos 129 famílias desalojadas e outras 75 desabrigadas, totalizando 15% da população do estado.

Já nos primeiros dias de janeiro os rios acreanos estavam transbordando. Em Cruzeiro do Sul, o Rio Juruá castigou a população e tirou muitas pessoas de suas casa. Situação semelhante ocorreu em Sena Madureira, Tarauacá e Rio Branco.

O Acre vivenciou uma situação dramática, enfrentando três crises simultâneas: Covid-19, enchentes, com milhares de desabrigados, e a dengue.

Em Cruzeiro do Sul, segunda maior cidade do estado, o Rio Juruá atingiu em 2021 o maior nível histórico, impactando 33 mil pessoas.

Sena Madureira, teve 80% da cidade coberta pelas águas do Rio Iaco, cerca de 60% da população foi atingida.

O estado decretou estado de calamidade públicaapós a cheia dos rios Acre, Juruá, Envira, Iaco e Purus.

POR NANY DAMASCENO, DO CONTILNET

PUBLICADO POR:   CONTILNET NOTÍCIAS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*