A Terceira Margem – Parte CCCLXIII

Epopeia Acreana 1ª Parte – XV

Hiram Reis

O Acre na Imprensa – III

Pacotilha, n° 42
S. Luís, MA – Segunda-feira, 19.02.1900
A Propósito do Acre
Revelações de Galvez  

Do “Manifesto ao Povo”, tiramos a parte que se refere à maneira por que ele conseguiu saber das célebres negociações para a cessão do Território do Acre, pela Bolívia, aos Estados Unidos. Eis o que escreve o atual “General Comandante Supremo das Forças do Estado Independente do Acre na Fronteira” à respeito:

Convidado pelo Sr. Hutoff, dirigi-me ao “Hotel do Commercio”, onde aquele Sr. se hospedava, e na ocasião do almoço chegou o Sr. Ladislau Ibarra, administrador da aduana de Puerto Alonso, afilhado do Sr. Coronel Pando e indigitado ([1]) pelos bolivianos, incluindo o Sr. Paravicini, como futuro delegado nacional da Bolívia, nos Territórios do Acre, Purus e Iaco. O Sr. Ibarra sentou-se à mesa que ocupávamos e, sem preâmbulos, increpou ([2]) em termos exaltados os Srs. Paravicini e Hutoff, nos quais dizia não reconhecer competência “para venderem ao estrangeiro uma parcela da sua pátria, a Bolívia”.

O Sr. Hutoff, vivamente emocionado, respondera que não devia considerar-se ofendido perante às formidáveis acusações do Sr. Ibarra, acusações que devia dirigi-las ao Sr. Ministro, único chefe responsável da delegação da Bolívia. E que ele, Hutoff, “se negociava a venda, cessão ou o que fosse” [sic] “dos Territórios do Acre com a América do Norte, fazia-o por ordem do Sr. Paravicini, que nisto andara muito acertado; depois do ensaio de quatro meses compreendia que a Bolívia era incapaz de conservar sozinha aqueles Territórios”. O Sr. Ibarra tornou a mostrar-se exaltado e patriótico, acusando os Srs. Hutoff e Paravicini de serem os culpados do que estava acontecendo no Rio Acre “que àquelas horas talvez não fosse mais boliviano, pois os habitantes daquelas regiões tinham todo o direito de revoltar-se, vítimas como foram dos abusos daqueles Srs. que julgaram o Território boliviano da sua exclusiva propriedade e, por isso, depois de cometerem as mais absurdas arbitrariedades, desejavam terminar vendendo um pedaço do Território Nacional”.

Esta cena foi presenciada pele conceituado negociante boliviano residente no Pará, Sr. Chaves, pelo Sr. Dressel, empregado da Bolívia e pelo abaixo assinado.

Terminado o almoço, e ausente o Sr. Ibarra, indaguei do Sr. Hutoff a veracidade dos cargos que contra o Sr. Dr. Paravicini e ele lançara o primeiro, tendo a resposta de que se tratava, com efeito, de celebrar um acordo com a República do Norte da América, e que o Sr. Paravicini o encarregara de estabelecer as bases e apresenta-las ao Cônsul dos Estados Unidos, no Pará, bases que seguiriam a bordo do “Wilmington” ([3]), naquela ocasião ancorado no porto do Belém, de volta de Iquitos; que o acordo consistia em receber a Bolívia o auxílio da República Americana para conservar os Territórios do Acre, Purus e Iaco, mediante concessões aduaneiras e territoriais, que a Bolívia reconhecia a favor dos Estados Unidos do Norte da América; que as bases se achavam aprovadas por Paravicini; que na noite daquele mesmo dia se celebrava uma Conferência com o Sr. Cônsul americano para ultimar os detalhes da proposta que, em nome da Bolívia, o Ministro Paravicini ia dirigir ao governo de Mr. McKinley; que para evitar suspeitas a festa-banquete que Mr. Tood Comandante da “Wilmington”, tinha oferecido ao Sr. Paravicini não se realizaria mais; que o acordo com o Norte da América se faria inevitavelmente, pois o povo do Acre não aceitava os bolivianos e que o Cônsul Sr. Santivanez escrevera, esperando não se demoraria muito tempo em juntar-se, no Pará, com as outras autoridades bolivianas, pois a revolução naqueles territórios era iminente. De posse de tamanhas revelações, que tanto afetavam o Brasil, minha pátria adotiva, que sempre procurei honrar, não duvidei em denunciá-las a quem de direito competia.

Com efeito, separando-me do Sr. Hutoff, dirigi-me ao Palácio dó Governo, e solicitei conferenciar com S. Exª o ilustre governador Dr. Paes de Carvalho, a quem comuniquei quanto acabava de ouvir e presenciar. S. Exª tomou nota das minhas declarações e convidou-me a manifesta-las ao Sr. Senador Antonio Lemos, a cujo pedido me neguei, pois nunca representei papel de delator e, se comunicava ao governador do Estado do Pará o que descobrira à respeito do acordo Américo-boliviano, fazia-o cumprindo o dever a que todo o cidadão está obrigado, tratando-se de negócios que afetem a integridade da Pátria. Naquele memorável dia terminei de conhecer e comprovar os planos do Ministro boliviano.

Daqui por diante há uma longa narração do modo por que Galvez diz ter conseguido entrar na posse do documento contendo supostas bases escritas, em papel oficial da Comissão Boliviana, do acordo Américo-boliviano. Esse documento, como ficou provado, não passou de uma chantagem e a história de sua aquisição já é sem interesse. Na posse dessas bases adrede arranjadas, escreve Galvez:

Procurei os meus companheiros revolucionários do Acre, aos quais fiz as revelações de quanto eu descobrira a respeito das intenções do Ministro da Bolívia nos Territórios do Acre, Purus e Iaco.

Discutimos sobre o procedimento a seguir-se e acordamos na minha viagem até ao Rio Acre, levando elementos para proclamar a independência daquelas regiões. Não possuíamos grandes recursos nem podíamos esperar auxílio da praça de Belém; por isso resolvemos não organizar uma expedição no Pará, e fazê-lo em Manaus, onde não eram conhecidas as nossas intenções. Reunidos os recursos daqueles patriotas foram-me entregues, e parti para a capital do Amazonas.

Antes da minha saída escrevi ao Exm° Sr. Dr. Paravicini, manifestando-lhe não poder continuar a prestar os meus serviços de tradutor, assim como lhe declarava achar-se fechado o negócio que me confiara da compra de uma máquina rotativa Marinoti, o que realizei, conforme podem testemunhar os Ex.mos Srs. Senador Antonio Lemos o Antonio Chermont. (PACOTILHA, N° 42)

Expedição dos Poetas  

A revolta em Manaus era crescente. O povo clamava por uma ação veemente do governo estadual que decide organizar a “Expedição Floriano Peixoto”, batizada de “Expedição dos Poetas” por ser formada, em grande parte, por jornalistas, boêmios e homens de letras, sem qualquer experiência de combate.

Logo que chegaram ao Acre, a bordo do vapor “Solimões”, em 29 de dezembro de 1900, foram derrotados, facilmente, pela guarnição boliviana de Puerto Alonso. O Acre permanecia em mãos bolivianas.

A Imprensa, n° 807
Rio, RJ – Segunda-feira, 17.12.1900
O Acre
Organização da Resistência  

Ultimavam-se os trabalhos da Comissão Expedicioná­ria Acreana, quando chegou a Manaus a lancha “Bolívar”, trazendo a seu bordo um dos comandantes das forças bolivianas, Sr. Manuel A. Sanjurés, que vinha com destino a esta Capital. Este oficial, apesar da sua natural prudência, deixava perceber grande desgosto por não terem ainda chegado os armamen­tos e apetrechos de guerra, que ele contava encontrar na capital do Amazonas e que parecia considerar de urgente necessidade, para melhorar as condições das tropas acampadas no Acre. Compreendia-se que se achava fundamente contrariado e que a demora do despacho e embarque do material bélico trazia ao seu espírito, presságios de insucesso.

Por outra parte, as notícias de que era portador o Sr. Caldas, comandante da “Bolívar”, mais animava os Expedicionários Acreanos. As tropas bolivianas, acampadas em Puerto Alonso e em Capatará, não eram tão numerosas quanto se havia propalado e o armamento de que elas dispunham era de sistema antigo, que não admitia competência com o que já possuíam os habitantes do Acre e o que ia ser usado pela Tropa Expedicionária. Além disso, as febres de mau-caráter e o beribéri dizimavam os soldados bolivianos e os aterravam, a ponto de começarem; em grande número, as deserções. Chegando estas notícias ao conhecimento da Comissão Acreana, esta tratou de agir com a maior celeridade, de maneira a despachar a Expedição dentro do mais breve prazo.

Foi assim que se fizeram em poucas horas os últimos preparativos do vapor “Solimões”, fretado para conduzir os Voluntários Acreanos. Antes, porém, de dar-se o embarque, foi organizado o pessoal a cujas ordens deviam ficar até o pleno domínio da região ocupada pelos bolivianos. A organização desse pessoal ficou assim assentada:  

‒  Chefe do Governo: Rodrigo de Carvalho;
‒  Secretário de Governo: Engenheiro Civil Manuel Queiroz Ribeiro de Castro;
‒  Comandante em Chefe, das Forças de Terra: Engenheiro Civil Orlando Lopes;
‒  Comandante em Chefe das Forças de Mar: Antonio Gonçalves Bandeira;
‒  Inspetor da Alfândega e Terras: Engenheiro Civil Deocleciano Coelho de Souza.

O material naval ficou assim constituído:

‒  Cruzador General Tibúrcio: comandado por Antonio Gonçalves Bandeira;
‒  Aviso de Guerra Ruy Barbosa: comandado por Pery de Lamare;
‒  Aviso de Guerra Serzedello Correia.

A primeira Expedição de Voluntários partiu a bordo do vapor “Solimões” e compunha-se de diversos oficiais superiores e de 200 patriotas. Neste mesmo vapor partiu o Comandante em Chefe das Forças de Terra, que levava instruções reservadas do chefe do governo. A partida do “Solimões” teve lugar às 2 horas da madrugada do dia 13 de novembro. Horas depois foi tomada a lancha blindada “Alonso”, que o governo boliviano mantinha em constantes viagens entre os Rios Negro e Amazonas, para receber os contrabandos de guerra que eram levados por ela ao Acre. A tripulação da “Alonso” seguiu prisioneira. É quase toda boliviana.

A lancha seguiu rebocada pelo “Solimões” e vai prestar aos acreanos importantes serviços, pois é toda de aço, de fundo raso, muito veloz e está armada em guerra, com canhões de tiro rápido e metralhadoras. É bom dizermos que a “Alonso” foi mandado construir em Londres pelo governo boliviano, exclusivamente para a navegação do Rio Acre. O armamento que os vapores da Expedição Acreana receberam nas águas do Purus, compõe-se do seguinte:

‒  Vapor “Solimões”: 200 espingardas Mauser com 40.000 tiros; 200 rifles Winchester de 18 tiros com 60.000 tiros; um canhão revólver; uma metralhadora Nordenfeldt e um canhão de tiro rápido, com grande quantidade de munição;

‒  Aviso “Ruy Barbosa”: este comboiava o “Solimões” e levava duas metralhadoras e dois canhões de tiro rápido e muita munição. A guarnição de ambos os navios ia completa;

‒  Cruzador “General Tibúrcio”: dois canhões de tiro rápido; um canhão revólver e duas metralhadoras Nordenfeldt. Neste cruzador iam 150 patriotas armados com Mauser, levando 40.000 tiros; 300 rifles Winchester de 18 tiros com 60.000 balas; 100 Comblains ([4]) com 20 000 balas. O “General Tibúrcio” é o antigo vapor “Normandia”, muito conhecido neste porto e que já serviu de transporte de guerra no Rio Grande do Sul, numa das revoluções abortadas. Este cruzador ia comboiado pelo Aviso “Serzedello Correia”, convenientemente armado com canhões de tiro rápido e metralhadoras Nordenfeldt. Ambas as guarnições iam completas.

A Expedição transportava víveres para 2.000 homens em cinco meses, ambulância e boa farmácia. As forças da Expedição, reunidas às que já se achavam no Acre, formavam um efetivo total e 3.500 homens. […] (A IMPRENSA, N° 807) 

A Imprensa, n° 809
Rio, RJ – Quarta-feira, 19.12.1900
O Acre
A Expedição dos Patriotas  

A maior parte das Forças embarcadas nos navios, a que fizemos referência em nosso artigo de anteontem, é composta de acreanos que se achavam no Pará ([5]) e em Manaus cuidando dos seus interesses. A tripulação militar do Aviso “Ruy Barbosa” compõe-se, além da guarnição, de 39 patriotas das Forças de Terra, comandados por um Capitão de Guerrilhas e armados de espingardas Mauser, dispondo de uma metralhadora.

A tripulação do Aviso “Serzedello Correia” compôs-se de 20 patriotas das Forças de Terra, comandados por um Tenente de Guerrilhas e igualmente providos de espingardas Mauser e de uma metralhadora.Os elementos bélicos de que dispõem as Forças Acreanas foram obtidos diretamente do estrangeiro, mandados vir pelo Coronel Rodrigo de Carvalho, por intermédio de quatro casas importantes desta praça, as quais se encarregaram de embarcar as armas no porto indicada por aquele chefe.

A Expedição levou todo o material de escrituração que julgou necessário códigos, constituição e leis brasileiras, que se farão adotar na região do Acre.

Levou também um prelo, caixas tipográficas, tendo sido contratado o serviço de dois bons compositores e um impressor para a publicação do “Diário Oficial”.

Fazem parte da Expedição os seguintes chefes:

Coronel Manuel Odorico de Carvalho, Coronel João Passos de Oliveira e Tenentes-coronéis Raymundo Barbosa Leite, Gastão de Oliveira e Antonio Passos de Sant’Anna.

Estes chefes gozam do maior prestígio no Acre, tendo figurado à frente da Revolução desde o seu início, quando Luiz Galvez deu o primeiro grito contra a dominação boliviana. Os capitais necessários para levar a efeito esta nova Expedição foram obtidos, parte nesta praça, e parte nas do Pará e Amazonas, tendo a Revolução que pagar juros de 12% ao ano e comissão de 10% aos intermediários.

Para garantir o capital de empréstimo foram feitas hipotecas de dois seringais do Acre. Desejando conhecer o representante da “Imprensa” qual seria a exigência que imporiam os acreanos à Bolívia, no caso de conquistarem a vitória, o Coronel Rodrigo de Carvalho informou:

‒  Assinaremos o Tratado de Paz mediante as seguintes condições que constituem os limites naturais ‒ margem esquerda do Beni até a foz do Madre de Dios e toda a margem esquerda até os limites da Bolívia com o Peru.

Desta maneira, o Brasil ganhará todo o Rio Orton e seus afluentes, o Talmamann e o Mapuripe e metade do Abuman, em ambas as margens. (A IMPRENSA, N° 809)

A Imprensa, n° 810
Rio, RJ – Quarta-feira, 19.12.1900
O Acre
Documento Importante
Propostas Rejeitadas 

O nosso colega de redação, que acaba de regressar de Manaus, onde fora exclusivamente para acompanhar de perto os trabalhos da nova Expedição Acreana, e assistir ao seu embarque, recebeu uma carta do Coronel Rodrigo de Carvalho, datada do 16 de novembro último, contendo as seguintes revelações, cujo interesse os leitores julgarão;

Às 2 horas da manhã de 13, partiu o “Solimões” e às 3 deu-se o assalto à “Alonso” [hoje “Ruy Barbosa”]. O sucesso foi esplendido. Eu e o infatigável, Dr. João Araripe a tudo assistimos… A tripulação seguiu prisioneira.

Às 7 horas da manhã de hoje, três dias depois de ter saído deste porto, o meu bom Orlando Lopes, Chefe da Força de Terra, deverá abrir a minha “carta de prego” ([6]) e tenho certeza que será totalmente cumprida. O Purus será bloqueado, não se consentindo que adiante do “Solimões” naveguem lanchas ou vapores. Eu e os Drs. Deocleciano de Souza e Ribeiro de Castro, meus auxiliares no governo do Acre, assim como o Dr. Ayres, médico da Expedição, partimos hoje ao encontro do “Solimões”. Iremos a bordo do vapor “Isidoro Antunes”.

Mudei de ideia relativamente a seguir no “Mucuripe”, porque o comandante Bandeira telegrafou-me dizendo que o Dr. Paes de Carvalho impediu a saída desse vapor, alegando ter recebido ordens expressas do Dr. Campos Salles. Haja o que houver, ou o Acre volta a ser brasileiro, ou os 300 homens que se acham a bordo do “Solimões” e mais os que vão nos Avisos de Guerra morrerão a meu lado. Havemos de mostrar ao Brasil que somos briosos e patriotas, e não políticos de campanário ([7]) …

Se perdermos na luta que vai ser travada, nunca mais o Amazonas será nada. Enojam-me as traições, e tenho a registrar mais uma de pessoa altamente colocada no comércio do Pará, que sempre se mostrou muito amiga dos acreanos e que acaba de se pôr ao serviço da Bolívia, dizem-me que para obter uma comissão, que lhe renderá dez ou quinze contos de réis! Não sei explicar a atitude do Governador do Pará relativamente ao “Mucuripe”, que vem repleto de mercadorias, não para a Revolução, mas sim para serem vendidas no Acre, em nome e por conta de casas aviadoras do Pará.

Não fossem estas notícias desagradáveis, partiria para o Acre, com o coração cheio de alegria. Nesta minha Expedição procurarei agir com prudência, evitando sempre o derramamento de sangue, desde que isso não prejudique a energia necessária quando se tem que ver com inimigo ardiloso… A publicação destes artigos e a narração minuciosa feita nas colunas da “Imprensa” trouxeram ao conhecimento do Sr. Salinas Vega; Ministro da Bolívia, tudo quanto o seu Delegado Montes e os Vice-cônsules em Manaus e Pará ainda não tiveram ocasião de comunicar-lhe, preocupados com outros gêneros de interesses.

À medida que o diplomata boliviano se ia informando da importância da nova Expedição Acreana; desde que provávamos com todos os detalhes a veracidade das notícias telegráficas que o nosso representante especial nos enviara do Pará e de Manaus, notícias que o mesmo Sr. Salinas Vega qualificou injustamente de inverídicas, em carta dirigida ao eminente diretor da “Imprensa”, foi se forjando no seu espírito a ideia que o ilustre governador do Estado do Amazonas era conivente na agitação acreana.

Qual a razão que assim o impelisse a pensar, não conhecemos. Entretanto, nada mais injusto. O Coronel Silvério Nery, supremo magistrado do Amazonas, poderá parecer ao Sr. Salinas Vega um aliado dos acreanos, porque para S. Exª o são todos os que se não colocam incondicionalmente ao serviço da Bolívia, ou os que exercendo cargos públicos na Amazônia, não servem os interesses bolivianos, com prejuízo do Brasil, ou não se acomodam às exigências ou aos caprichos de S. Exª.

O que não resta dúvida, porém, é que o Sr. Nery, tendo a perfeita noção dos deveres e das responsabilidades inerentes ao seu cargo e, tendo perfeita compreensão dos deveres que impõe o patriotismo, não precisa e despreza quaisquer advertências ou censuras que por ventura lhe sejam feitas, assim como soube rejeitar dignamente tentativas de diversos sindicatos e propostas do mencionado Sr. Salinas Vega, Ministro da Bolívia acreditado junto ao nosso governo, propostas relativas ao Acre, visando privar Governador do Amazonas de agir com independência. E como o Sr. Salinas Vega chegou a formular queixas perante o Sr. Ministro das Relações Exteriores contra o Coronel Silvério Nery, parece-nos a hora das reivindicações.

Embora sem a competente procuração, agindo com espontaneidade e em defesa da justiça, a “Imprensa” defenderá com provas a atitude de inteira independência com que tem agido o governador do Amazonas perante a agitação acreana. Como se defenderá, porém, o Sr. Salinas Vega contra as insinuações contidas no artigo publicado no dia 16 do corrente na “Federação”, de Manaus, órgão oficial do Estado? Como contestará S. Exª a afirmação autorizada pelo Coronel Silvério Nery? É o que vamos ver e de que teremos a tratar em subsequentes artigos.

Antes de terminar, devemos contestar, a bem da verdade, um tópico da notícia publicada pelo “Jornal de Belém” na sua edição de 23 de novembro último, relativamente a terem feito parte da Expedição Acreana alguns súditos italianos. Não é exato que seguissem para o Acre, nos vapores da Expedição, estrangeiros, da qualquer nacionalidade. A Expedição compõese totalmente de cidadãos brasileiros. É verdade que alguns italianos, espanhóis e peruanos se alistaram. A Comissão, porém, agradecendo a espontaneidade do concurso oferecido, dispensou os serviços dos estrangeiros alistados. Isto é o que realmente se deu. Podemos afirmá-lo. (A IMPRENSA, N° 810)

Por Hiram Reis e Silva (*), Bagé, 09.12.2021 – um Canoeiro eternamente em busca da Terceira Margem.

Bibliografia 

A IMPRENSA, N° 807. O Acre – Organização da Resistência – Brasil – Rio de Janeiro, RJ – A Imprensa, n° 807, 17.12.1900.

A IMPRENSA, N° 809. O Acre ‒ A Expedição dos Patriotas – Brasil – Rio de Janeiro, RJ – A Imprensa, n° 809, 19.12.1900.

A IMPRENSA, N° 810. O Acre – Documento Importante ‒ Brasil ‒ Rio de Janeiro, RJ ‒ A Imprensa, n° 810, 20.12.1900.

PACOTILHA, N° 42. A Propósito do Acre ‒ Revelações de Galvez ‒ Brasil ‒ São Luís, MA ‒ Pacotilha, n° 42, 19.02.1900.

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;  

  • Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)
  • Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA) (2000 a 2012);
  • Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);
  • Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);
  • Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)
  • Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);
  • Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);
  • Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);
  • Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)
  • Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);
  • Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)
  • Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).
  • Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).
  • E-mail: hiramrsilva@gmail.com..

[1]   Indigitado: apontado.

[2]   Increpou: censurou.

[3]   Cruzador “Wilmington”, comandado pelo Capitão-de-Fragata Chapman Coleman Todd.

[4]   A Comblain teve uma longa e curiosa história no Exército Brasileiro. Vencedora de uma competição na qual foram testados 12 modelos di­ferentes de armas, era baseada em um modelo usado pela Guarda Cí­vica belga, apesar de ter notáveis diferenças com relação à ela, geran­do um modelo genuinamente Brasileiro, apesar de ter sido fabricado por um consórcio de fabricantes belgas. (www.armasbrasil.com)

[5]   Pará: Belém do Pará.

[6]   Carta de Prego: Carta fechada que contém instruções e ordens secretas para ser apenas aberta em dadas circunstâncias.

[7]   Políticos de Campanário: politicos ambiciosos empenhados apenas nas suas costumeiras lutas estéreis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: