Dia Nacional da Onça-pintada, o maior felino das Américas, é festejado neste domingo (29)

Neste domingo, 29 de novembro, é comemorado o Dia Nacional da Onça-pintada. A data foi oficializada por meio de Portaria do Ministério do Meio Ambiente (MMA) em 16 de outubro de 2018, com o objetivo de unir esforços em ações de divulgação sobre a importância ecológica, econômica e cultural da espécie.

Onça-pintada, o maior felino das Américas. (Foto: Rogério Cunha)

A Portaria declarou ainda a onça-pintada como Símbolo Brasileiro da Conservação da Biodiversidade. O maior felino das Américas, que necessita viver em grandes áreas preservadas, é protegido por diversas unidades de conservação geridas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), além de contar com o Plano Nacional (PAN) de Conservação da Espécie. Em 2018 foram criadas duas unidades de conservação para ajudar a proteger a espécie na Caatinga: Parque Nacional da Boqueirão da Onça e a Área de Proteção Ambiental (APA) Boqueirão da Onça.

Segundo o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap), estimativas indicam que 50% da população total de onças-pintadas do mundo estão no Brasil, entretanto a destruição do habitat aliada à caça predatória faz com que com esteja vulnerável à extinção. Elas vivem em diversos biomas: Amazônia, Pantanal, Cerrado, Mata Atlântica e Caatinga, mas é na Mata Atlântica e na Caatinga que ela é mais ameaçada.

Por isso foram criadas as duas unidades de conservação do Boqueirão da Onça, na Bahia, que já estão incluídas na proposta para a criação do Corredor Ecológico Caatinga-Onças, sendo de grande importância para conservação da biodiversidade. O Boqueirão da Onça é, possivelmente, o local com maior densidade de onças-pintadas do bioma, também serve como corredor ecológico para as onças que vem do Parque Nacional da Chapada Diamantina, passando pelo Parque Estadual do Morro do Chapéu, na Bahia.

Na Mata Atlântica, o ICMBio coordena um importante estudo sobre as onças-pintadas no Parque Nacional do Iguaçu, cujas ações implementadas para a conservação triplicaram a estimativa populacional da espécie na região. Este projeto, bastante inovador, inclui ações de pesquisa na ecologia da espécie, promoção da coexistência entre a fauna e as populações do entorno, educação ambiental, fiscalização e integração com ações semelhantes conduzidas na Argentina.  A população de onças-pintadas do Parque Nacional do Iguaçu tem um papel fundamental de ligação entre as populações do chamado Corredor Verde, que conecta as populações do Iguaçu, passando pela Argentina e chegando ao Parque Estadual do Turvo, no Rio Grande do Sul.

O ICMBio, através do Cenap, coordena outras diversas iniciativas para a conservação da espécie, incluindo a coordenação de ações de conservação internacional, como o Jaguar RoadMap 2030, que inclui o combate ao tráfico internacional de partes de onças, criação de corredores entre fronteiras e promoção de ações conjuntas entre países.

 Saiba mais  

A onça-pintada é o maior carnívoro da América do Sul, o terceiro maior felino do mundo e o único representante do gênero Panthera (que inclui leões, leopardos e tigres) no continente americano. Amplamente distribuído por todo o Brasil, este mamífero é considerado desde os tempos pré-colombianos um símbolo de força e poder.  Os carnívoros ocupam o topo da cadeia alimentar e têm um papel fundamental no equilíbrio dos ecossistemas, pois atuam na regulação do tamanho populacional de outras espécies animais. Em função disso, de um modo geral, necessitam de áreas extensas e com hábitat de boa qualidade para sobreviver.

Infelizmente as onças têm sido caçadas desde o início da colonização por razões que incluem aspectos: culturais, como a caça desportiva/recreativa; sociais, representando símbolo de status e força àquele que for capaz de capturar o animal; e econômicos – num primeiro momento, o comércio das peles e mais recentemente em função de eventuais ataques a rebanhos bovinos e outros animais de criação, gerando perdas financeiras aos criadores. A caça é um crime ambiental, mas ainda é praticada em todo o país.

Comunicação Social  ICMBio

comunicacao@icmbio.gov.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.