Desmatamento zero na Amazônia Brasileira: o que está faltando?

O desmatamento na Amazônia brasileira sofreu uma drástica redução nos últimos anos. Em 2005, cerca de 19 mil km2 de florestas foram derrubadas, contra 5 mil km2 em 2014. Uma queda de 70%. Um feito que demonstra ser possível avançar no controle da destruição da floresta. No entanto, desde 2012 esta taxa insiste em se manter ao redor de 5 mil km2. A floresta, portanto, continua sendo removida, só que a uma velocidade menor. A remoção da floresta, combinada com o aquecimento global, poderá gerar impactos nefastos no regime das chuvas e nos ciclos hidrológicos da região. Portanto, o desafio imposto à sociedade está em zerar o desmatamento da Amazônia.  

Este cenário de urgência e as estratégias para por fim ao desmatamento na Amazônia estão explicitados no artigo publicado esta semana no jornal científico Elementa. O artigo intitulado “Achieving zero deforestation in the Brazilian Amazon: what is missing?”  (“Atingindo o desmatamento zero na Amazônia Brasileira: o que está faltando?”) é de autoria dos pesquisadores Paulo Moutinho e Raissa Guerra do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), e de Claudia Azevedo-Ramos, do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA/UFPa). O artigo é parte de uma edição especial da revista Elementa a qual é inteiramente dedicada ao desmatamento na Amazônia.

Além de identificarem as ameaças sócio-político-econômicas à maior floresta tropical do planeta, os autores indicam seis estratégias fundamentais para por fim, de vez, ao desmatamento. São elas: (salvaguardas sócio-ambientais para as grandes obras de infraestrutura da região; incentivos positivos para a produção sustentável de commodities; política socioambiental para os assentamentos de reforma agrária; implementação do Código Florestal; direitos aos povos indígenas e comunidades tradicionais sobre seus territórios, com expansão de áreas protegidas, e; alocação de quase 80 milhões de hectares de florestas públicas ainda sem destinação para a conservação ou uso sustentável.

De acordo com Paulo Moutinho, pesquisador sênior do IPAM, o fim do desmatamento na Amazônia brasileira deveria acontecer muito antes de 2030, data estabelecida pelo governo brasileiro para pôr fim ao problema e que foi anunciada durante a Conferência do Clima, realizada em Paris, no final do ano passado. “Está cada vez mais claro, à luz da ciência, que manter floresta em pé é manter funcionando o regador de uma boa parte da produção agrícola do país e o ar condicionado de vastas áreas na região”, destacou o pesquisador

“No atual contexto de perturbações políticas e econômicas, o desmatamento zero deve ser visto como uma oportunidade para aliar desenvolvimento a preservação, e não como um obstáculo ao crescimento”, enfatizou a pesquisadora Raissa Guerra, que observou ainda a necessidade do controle definitivo desta problemática na região..

 

 

FONTE: IPAM

VER MAIS EM: http://ipam.org.br/desmatamento-zero-na-amazonia-brasileira-o-que-esta-faltando/   

Saiba mais sobre o IPAM: www.ipam.org.br

Mais informações para a imprensa:

Cristina Amorim – (61) 9 9127-6994 e cristina.amorim@ipam.org.br
Marcela Marques – (61) 2196-0944 e marcela.marques@ipam.org.br

VER MAIS EM:

Achieving zero deforestation in the Brazilian Amazon: What is missing?

http://amazonia.org.br/2016/09/achieving-zero-deforestation-in-the-brazilian-amazon-what-is-missing/ 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.