Manifestação contra Belo Monte reúne mil pessoas em São Paulo

Debaixo de chuva, cerca de mil pessoas participaram hoje (20), na Avenida Paulista, de manifestação contra a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte no Rio Xingu.  O cálculo é da Polícia Militar.  Os organizadores do protesto, porém, estimam em mais de 2 mil o número de pessoas presentes ao protesto.

Com cartazes, faixas e gritos, os manifestantes reivindicaram a paralisação imediata da obra.  Ambientalistas e índios do região do Xingu defenderam, inclusive, a ocupação do canteiro de obras da usina, no Pará.  “Belo Monte é injusta, suja e burra”, disse Clarissa Beretz, do Movimento Brasil pela Vida nas Florestas, integrante da organização do ato.  “O governo quer enfiar a usina goela abaixo”, acrescentou.

O cacique Megaron Txucarranãe, da etnia Kayapó, reclamou que o governo não tem ouvido os pedidos da comunidade indígena.  “A barragem vai prejudicar os índios.  O governo não escuta, nem respeita os índios.”

A manifestação começou por volta das 14h30, ao lado do Museu de Arte de São Paulo (Masp).  Escoltados pela polícia, os manifestantes seguiram pela Avenida Paulista até a Rua Bela Cintra, onde ocuparam todas as pistas por cerca de meia hora, impedindo a circulação dos carros.

Os manifestantes queimaram um boneco de palha e disseram: “Para Belo Monte ou paramos o Brasil”.  Depois, foram para a sede do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), onde protestaram contra as concessões dadas pelo órgão para o início das obras da usina.  Por volta das 17h30, colaram cartazes na porta do instituto e encerraram o ato.

Além de São Paulo, os ativistas programaram manifestações em Belém, Brasília, no Rio de Janeiro e em mais 11 cidades.  Segundo os movimentos sociais, haverá manifestações também na próxima segunda-feira (22) em cerca de 20 cidades em 16 países – entre eles, os Estados Unidos, a Alemanha, a Inglaterra, a Noruega, o Irã, a Turquia e a Austrália.  Os protestos serão em frente às embaixadas e consulados brasileiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.