Goeldi reabre seu Parque Zoobotânico de modo experimental durante pandemia

Um dos espaços mais queridos da capital paraense, o Parque Zoobotânico do Museu Goeldi reabrirá com agendamento prévio para visitação pública. Fechado desde março de 2020, por conta da pandemia de Covid-19, a reabertura acontece seguindo cuidados especiais e algumas restrições. O foco é garantir a segurança e preservar a vida e saúde de humanos e animais do Parque, já que a pandemia ainda persiste.

Agência Museu Goeldi – A partir do próximo dia 14 de dezembro, o Parque Zoobotânico do Museu Paraense Emílio Goeldi reabrirá em um esquema de visitação diferenciado e seguindo alguns cuidados especiais. As visitas poderão ser feitas apenas por agendamento, realizado pelo e-mail visitamuseu@museu-goeldi.br ou pelo Whatsapp institucional VisitaMuseu +55 91 99235-7842. A compra de ingresso em dinheiro se mantém na bilheteria do Parque, entrada na portaria da Avenida Magalhães Barata, após a confirmação do agendamento efetuado. As agências de turismo interessadas em incluir o Museu Goeldi em seu roteiro devem seguir o mesmo procedimento e agendar previamente pelos canais indicados.

Serão três dias da semana disponíveis para a visitação pública: terça, quarta e quinta-feira, no horário de 9h às 15h, mas, atente, a bilheteria do Parque fechará sempre às 14h, ou seja, desse horário em diante não haverá mais entrada de visitantes, mas apenas a saída dos que já estiverem no local. O limite de agendamentos por dia será de até 150 visitantes.

O agendamento de escolas e centros comunitários ainda está suspenso e tem previsão de retorno em fevereiro de 2022, por meio do Núcleo de Visitas Orientadas (Nuvop) do Museu Goeldi, no e-mail nuvop@museu-goeldi.br

Fechado desde março de 2020, por conta da pandemia de Covid-19, a reabertura é um reencontro muito aguardado entre o público e um espaço tão querido. Servirá como período de readaptação tanto para os visitantes quanto para a equipe técnica e moradores do Parque.

A continuidade da visitação pública está sujeita a alterações, com a ampliação ou suspensão de dias e horários, a depender da evolução das estatísticas de contaminação e óbitos no Pará, e da adesão do público nos cuidados sanitários e orientações para visitação, já que a pandemia de Covid-19 ainda persiste.

Orientações – Todas as áreas abertas de acesso público, como ambientes e trilhas, estarão disponíveis para visitação. Mas os prédios expositivos, não. Edificações como o Pavilhão Expositivo da Rocinha (que aguarda recursos para a reforma), o Aquário Jacques Huber (cujo espaço interno é pequeno) e o Centro Eduardo Galvão (que será inaugurado em 2022) permanecem fechados.

Os visitantes devem manter a distância mínima de 1,5 metro de outros grupos que estejam em visita simultânea, evitando aglomeração. Essa recomendação vale também na hora da compra de ingresso na bilheteria. Observe os adesivos no chão e não aglomere.

O uso de máscara é obrigatório durante toda a visita e o descarte das mesmas não poderá ser feito dentro do Parque, já que além do risco de contaminação, seus elásticos também representam risco se ingeridos pela fauna livre que circula no espaço. Recomenda-se que o público leve sacolas para dispor de máscaras usadas e leve esse lixo consigo para descarte fora do Parque.

Haverá álcool em gel em vários pontos e banheiros públicos abertos em dois pontos do Parque.

Vale lembrar que a vacinação é imprescindível para evitar a circulação da Covid-19 e a evolução de casos graves da doença. Atualmente, o Pará se encontra com índice vacinal bem abaixo da média nacional. Enquanto no Brasil, 62,72% da população já se encontra totalmente imunizada (duas doses ou dose única da vacina), no Pará, esse percentual é de apenas 40,01%. Portanto, solicitamos a todos que desejam visitar e circular pelos caminhos do Museu Goeldi que se protejam e cuidem da saúde coletiva com vacina no braço, máscara no rosto, mãos higienizadas e sem aglomerar.

Restrições – No interior do Parque Zoobotânico não haverá bebedouros públicos, devido ao risco sanitário que representam, nem venda de alimentos ou água, assim como não será possível fazer piquenique. Portanto, o visitante é convidado a levar sua garrafinha de água para se hidratar e proteger do calor.

Readaptação da fauna – A fase experimental da Reabertura do Parque para Visitação Pública é necessária para as pessoas conhecerem, entenderem e se acostumarem as regras, mas também esse é um momento de readaptação para os animais residentes e frequentadores do Parque do Goeldi, que passaram 21 meses longe dos visitantes. Nesse período a convivência deles com humanos era com a equipe de veterinários, biólogos, engenheiros florestais, tratadores e jardineiros. Os animais também precisam se acostumar novamente à presença humana mais numerosa. A visitação menor de pessoas em dias e horários restritos permitirá uma readaptação gradual e menos estresse para a população animal.

Vale lembrar que alguns cuidados com os animais permanecem os mesmos: não oferecer nenhum tipo de alimento a eles, não gritar perto dos recintos, não jogar objetos neles, não entrar no território deles, nem perseguir a fauna livre quando esta cruzar o caminho. Em breve, publicaremos as Dicas do Bom Visitante e Amigo da Natureza.

Para melhorar as possibilidades da visita ao Parque do Museu Goeldi e os aprendizados dessa experiência, oferecemos a plataforma interativa A Floresta Sensível, que você acessa aqui. Financiado pelo Instituto Serrapilheira e coordenado pelo antropólogo Glenn Shepard Jr., Floresta Sensível é um projeto que une o rigor científico e o estímulo a sensibilidade para acessar diferentes dimensões da Floresta Amazônica. O usuário tem ao seus dispor dados da ciência, os conhecimentos de povos originários e comunidades tradicionais e aprende sobre a maior floresta tropical aguçando seus sentidos.

O visitante ainda tem outro recurso bem bacana a sua disposição para conhecer brincando. O que você acha de descobrir informações sobre os elementos mais carismáticos da fauna do Parque Zoobotânico do Museu Goeldi? Como? Vamos te apresentar a Cartilha Animal.  Acesse aqui esse guia multimídia sobre 16 espécies do Parque do Goeldi.

E pode se preparar, pois em 2022 o Museu Goeldi chegará com mais novidades para enriquecer a experiência de visitação no seu secular Zoobotânico.

Rebaixamento do Guajará – O período de reabertura para visitação pública acontece depois da realização de um trabalho fundamental: o rebaixamento do Guajará (Chrysophyllum venezuelanense). A árvore centenária (142 anos), com mais de 42 metros de altura, é o ser vivo mais antigo do Parque. Tem grande importância histórica, biológica e científica, foi usada para a caraterização de sua espécie e sendo possivelmente um dos últimos exemplares dessa árvore (outrora numerosa) no centro de Belém.

No início de 2021, uma ramificação da árvore pesando entre 2 e 3 toneladas se partiu, caindo sobre o espaço expositivo da Rocinha e danificou seu telhado, lateral e mobiliário. Nenhuma pessoa ou animal do Parque se feriu.

Com a elaboração dos estudos necessários e a liberação de recursos para contração de empresa especializada, o serviço de rebaixamento será realizado no início de dezembro e deve levar 10 dias para concluir todos as etapas. Ele consiste na poda de grande extensão da árvore, diminuindo o risco de novas quedas. Os técnicos do Parque do Goeldi esperam que o rebaixamento favoreça inclusive o rebrotamento da árvore, possibilitando que ela prolongue sua presença no espaço.

Pandemia – Considerando que a pandemia é uma situação dinâmica, a equipe do Museu Goeldi seguirá acompanhando a situação sanitária no estado do Pará bem como avaliando a eficácia das medidas adotadas nesta reabertura experimental para garantir a segurança dos visitantes, funcionários e demais seres vivos do Parque Zoobotânico.

A permanência da abertura do Parque depende de um esforço conjunto e no respeito às orientações indicadas para permanência no espaço. Também é responsabilidade de cada um adotar as medidas indicadas pela ciência para evitar a circulação da Covid-19.

Apesar do avanço da vacinação e da diminuição do número de óbitos, várias centenas de pessoas ainda morrem de Covid-19 no Brasil semanalmente. Foram 326 vidas perdidas apenas na última terça-feira (30).

A pandemia se intensificou novamente na Europa, com o retorno de medidas restritivas e aumento de número de mortes em vários países. Há também a descoberta de novas variantes, como a B.1.1.529, identificada por cientistas da África do Sul e já circulando em vários países, com características preocupantes que ainda estão sendo estudadas pela ciência. Os fatos apontam que a pandemia ainda não acabou. Fique atento e colabore para deter a circulação do vírus – carteira de vacinação em dia, uso de máscaras, higiene adequada e não aglomerar são esforços coletivos.

Texto: Uriel Pinho
Edição: Joice Santos

Serviço
Reabertura experimental do Parque Zoobotânico do Museu Goeldi
A partir de 14 de dezembro de 2021 (apenas com agendamento)
Dias: terças, quartas e quintas
Horário: de 9h às 15h (com fechamento da bilheteria às 14h)
Agendamentos pelo e-mail  visitamuseu@museu-goeldi.br ou pelo Whatsapp 91 99235-7842

PUBLICADO POR:    MUSEU GOELDI    

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: