Museu Goeldi – Belém brinda à ciência novamente!

O Museu Paraense Emílio Goeldi é presença garantida no maior festival de divulgação científica do mundo e vai movimentar as noites da capital paraense a partir desta segunda-feira (20). O Pint of Science 2019 será realizado em 24 países e reunirá pesquisadores e frequentadores de bares da cidade numa mesma celebração.

Pelo segundo ano consecutivo, Belém sedia o maior festival de divulgação científica do mundo, o Pint of Science. Durante as noites dos dias 20, 21 e 22 de maio, o público terá novamente a oportunidade de conversar com pesquisadores paraenses sobre temas das mais diversas áreas de conhecimento, como a física dos buracos negros, arquelogia na amazônia, tecnologia em atividades físicas, entre outros.

Ficou interessado? Então, anote os locais e os horários dos encontros nos três dias de papo: sempre das 19h30 às 21h30, nos bares Elephant Coworking, Hoppy Pig, Na Figueredo e Iron Pub. Fique ligado e garanta seu lugar! Bateu aquela sede de conhecimento? Pode vir sem receio. Pesquisadores do Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG), Universidade Federal do Pará (UFPA), Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), Universidade do Estado do Pará (UEPA), Universidade da Amazônia (Unama) e do Centro Universitário do Estado do Pará (Cesupa) estarão à sua espera.

Cinco pesquisadores do Museu Goeldi vão compartilhar um pouco sobre seus estudos. O linguista Hein van der Voort desafia o público a responder “De onde vêm as línguas?”; a bióloga Regina Oliveira questiona “Quem traz o caranguejo que você come?”; e o arqueólogo Marcos Magalhães promete intrigar: “Quem plantou a Amazônia? E quando?”. Especialista em sistemática e conservação de peixes, Alberto Akama revela “A derradeira mentira de Belo Monte” e a arqueóloga Edithe Pereira desvenda mistérios sobre a “Arqueologia e arte rupestre da Amazônia”. A programação completa está disponível no site oficial do festival.

Histórico – O festival acontece ao longo de três dias consecutivos todo mês de maio e chegou ao Brasil como um projeto piloto na cidade de São Carlos (SP), em 2015. O evento logo conquistou as pessoas pela forma descontraída com a qual explica a dinâmica das pesquisas. Em 2016, foram sete municípios; em 2017 o festival esteve em 22 cidades e em 2018, foram 56 participantes! Neste ano, o Brasil está em primeiro lugar com 85 cidades recebendo o festival; seguido da Espanha, com 72.

Nascido em 2012, da iniciativa de dois pesquisadores do Imperial College que realizavam encontros em seus laboratórios sobre doenças neurodegenerativas, o festival conquistou os cinco continentes de imediato. Os pesquisadores Michael Motskin e Pavreen Paul recebiam pacientes e pessoas interessadas em suas pesquisas e com o sucesso do encontro se perguntaram como seria possível levar o cientista até as pessoas. Assim começava o Pint of Science, o maior festival de divulgação científica do mundo.

Entretanto, a organização é complexa. No Brasil, o festival conta com uma equipe nacional de 10 pessoas, sete coordenadores regionais, os coordenadores dos municípios participantes e ainda os coordenadores de cada estabelecimento que recebe o festival. Todos são voluntários, muitos estudantes de pós-graduação e envolvidos com as melhores universidades do país com o objetivo de explicar para a população como a Ciência funciona e suas novas descobertas.

No Pará, haverá atividades em Belém, Bragança e Marabá. A equipe responsável pela organização em Belém é coordenada pelo professor Fábio Ferreira, do Cesupa, cujo foco de pesquisa é a ciência da computação, além de ser divulgador no site Deviante, no podcast Scicast e Spin de Notícias.

Se você tem sede de Ciência, não perca o Pint of Science 2019!

Contato: pintofsciencebr@gmail.com

Para mais detalhes sobre a programação, acesse o link.

FONTE: Agência Museu Goeldi

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*