Projeto Quelônios do Rio Trombetas: 15 anos de parceria com as comunidades

O Projeto Quelônios do Rio Trombetas (PQT), um dos mais importantes projetos conservacionistas desenvolvidos no Estado, completa 15 anos do início da parceria com as comunidades. A ação já devolveu à natureza, até hoje, mais cinco milhões de filhotes de tartarugas-da-Amazônia, segundo balanço do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Na temporada de 2018, a expectativa é de, até final de janeiro, devolver à natureza cerca de 32 mil filhotes de tartarugas-da-Amazônia e, aproximadamente, 29 mil filhotes de tracajás e pitiús.

Além de ser um programa de pesquisa do ICMBio, o PQT também é uma importante iniciativa de educação ambiental, conservação e reestabelecimento das populações de quelônios na Reserva Biológica do Rio Trombetas (Rebio), com participação histórica da Mineração Rio do Norte (MRN). A empresa financia parte das ações que envolvem o engajamento de 27 famílias de comunitários.

A Rebio é tida como referência em pesquisas científicas relacionadas aos quelônios. O apoio dos comunitários voluntários é de grande importância para esse trabalho, como explica Carolina Marcondes de Moura, analista ambiental na Rebio Trombetas e coordenadora do projeto. “Durante cinco meses, os voluntários estão envolvidos no trabalho de manejo, contagem e monitoramento de ninhos, ovos e filhotes, como também proteção de chocadeiras, auxiliando o ICMBio na missão de proteger e monitorar os quelônios. Neste ano, 13 praias receberam chocadeiras e foram vigiadas dia e noite pelas famílias voluntárias das comunidades”.

A iniciativa monitora a quantidade de ninhos naturais e manejados, ovos e filhotes nascidos e mortos. A partir desses dados, é possível fazer uma análise da população de quelônios na região e avaliar o sucesso das ações do projeto.

A MRN também apoia o Projeto Pé de Picha, em parceria com a Universidade Federal do Amazonas (UFAM), com mais de 340 famílias engajadas; e o Programa de Proteção e Manejo de Tartarugas da Amazônia, em parceria com o Ibama em Santarém, que soltou no Rio Tapajós mais de 1, 1 milhões filhotes, na temporada passada.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.