Instituições nacionais preparam catálogo online da fauna brasileira

Em breve, os internautas poderão consultar o primeiro  catálogo online de animais do Brasil. O Catálogo Taxonômico da Fauna Brasileira (CTFB) é uma iniciativa da Sociedade Brasileira de Zoologia que, além do Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG), conta com o apoio do Ministério do Meio Ambiente (MMA),Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)Instituto Chico Mendes para Conservação da Biodiversidade (ICMBIO)Sociedade Brasileira de Zoologia (SBZ)Universidade Federal do Paraná (UFPR) eJardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ). O projeto será coordenado pelo Museu de Zoologia/USP (MZUSP), com grande número de especialistas colaboradores.

Os curadores de coleções zoológicas e o Núcleo de Biogeoinformática do Museu Goeldi já estão envolvidos no projeto, após serem convocados por Nilson Gabas Jr, diretor da instituição. O interesse dos especialistas é conectar a iniciativa ao Censo da Biodiversidade, uma ferramenta colaborativa lançada pelo Goeldi em 2012 para informar a sociedade sobre a riqueza da biodiversidade amazônica, as variações desta riqueza e o avanço do conhecimento no assunto.

O CTFB é um projeto baseado na experiência da Lista das Espécies da Flora do Brasil, organizada pelo Jardim Botânico do Rio de Janeiro.  Os organizadores do Catálogo da Fauna consideram para o futuro estruturar uma “Lista da Vida”, à qual outros grupos biológicos como a Flora, Bacteria, Archea, Virus, Protistas, também poderão ser integrados para construir um ciclo de conhecimento sobre a biodiversidade brasileira.

A formulação do Catálogo inicia ainda este ano, a partir das listas de espécies que têm sido produzidas por especialistas desde 2012. A expectativa é que ele seja apresentado na reunião da COP, em outubro do ano que vem. 

Catálogo da Fauna Brasileira se torna uma realidade

 
Em reunião no dia 11 de setembro de 2013, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, foi discutido o futuro do projeto Catalogo Taxonômico da Fauna Brasileira (CTFB). A reunião envolveu representantes do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Instituto Chico Mendes para Conservação da Biodiversidade (ICMBIO), Sociedade Brasileira de Zoologia (SBZ), Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG), Museu de Zoologia/USP (MZUSP), Universidade Federal do Paraná (UFPR), e Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ). O CTFB é uma iniciativa da Sociedade Brasileira de Zoologia e de zoólogos de todo o país, inicialmente idealizada sob a perspectiva da Lista das Espécies da Flora do Brasil (http://floradobrasil.jbrj.gov.br) e como um produto da iniciativa do SciELO e do MZUSP denominado SciElo BHL Biodversidade (http://www.bhlscielo.org/).
 
Após apresentações e extensa discussão, representantes do MMA, liderados pelo Diretor do Departamento de Conservação e Biodiversidade, Carlos Alberto de Mattos Scaramuzza, e do MCTI, liderados pela Coordenadora-Geral de Gestão de Ecossistemas, Andréa Ferreira Portela Nunes, demonstraram interesse no projeto e comprometeram-se a disponibilizar e buscar fundos iniciais para tornar possível, em um curto espaço de tempo, a disponibilização do primeiro catálogo online das espécies de animais brasileiros.  Foi definido que projeto deverá ser coordenado pelo Museu de Zoologia da USP através do seu atual diretor, Hussamel Dine Zaher, sob um sistema hierárquico de organização, com três coordenadores dos principais grupos animais – incluindo vertebrados (Hussam Zaher), invertebrados (Walter A Boeger, UFPR), e Hexapoda (José Albertino Rafael, INPA) – e 42 coordenadores de grupos subordinados, além de um grande número de especialistas colaboradores. O projeto foi baseado no mesmo desenho da Lista da Flora, já disponível na internet, e que se encontra em um estágio bem avançado de desenvolvimento. Atualmente está sendo implementado o Herbário Virtual do Brasil através da integração com o programa REFLORA, coordenado pelo CNPq.  O projeto Herbário Virtual do Brasil, bem como o projeto Lista da Flora do Brasil, tem a coordenação executiva do Jardim Botânico do RJ. A coordenadora das equipes desses projetos no JBRJ, Dra. Rafaela CampostriniForzza, tem sido grande incentivadora do CTFB e principal responsável por despertar o interesse dos órgãos federais a esse projeto.  
 
O CTFB será hospedado no LNCC enquanto que o JBRJ emprestará sua experiência em informática aplicada à Biodiversidade na adequação do sistema.  O sistema computacional da Lista da Flora deverá passar por um processo de adequação ao CTFB pela PESC/COPPE-UFRJ e será alimentado ainda em 2013 com as listas de espécies que tem sido produzidas por especialistas desde 2012.   As listas incluídas no sistema online, ainda fechado para o público durante esse período, serão validadas e complementadas pelos especialistas ao longo de 2013 e 2014.  A expectativa é poder disponibilizar o catálogo tanto online quanto impresso para a reunião da COP, a ser realizada em outubro de 2014.  O prazo é exíguo, mas a equipe está entusiasmada com as possibilidades e os impactos desse catálogo para a ciência da Zoologia no país. 
 
A expectativa dos parceiros nessa iniciativa é seguir o caminho da Lista da Flora, talvez com um projeto análogo ao REFLORA, o REFAUNA, integrado ao sistema e disponibilizando imagens de tipos (holótipos e parátipos) albergados em coleções no exterior.  Um Sistema de Taxonomia/Sistemática Online da Fauna Brasileira, com recursos para identificação assistida online deverá representar uma etapa futura do programa que agora se define.  A integração do CTFB com sistemas online já existentes e futuros (ex. EOL, GBIF, WORMS, Lista de Espécies Ameaçadas do MMA, SIBBr, Censo da Biodiversidade, dentre outros) abre oportunidades excepcionais para o estudo da fauna brasileira e mundial.  Todavia, disponibilizar o catálogo de espécies brasileiras da fauna devidamente validado por especialistas é, por si só, uma meta bastante ousada, mas completamente factível. Os benefícios serão inevitáveis e virão rapidamente, assim como já ocorre como consequência da elaboração da Lista da Flora.
 
Finalmente, para um estágio posterior, está sendo considerada uma integração da lista de espécies de plantas à lista de animais brasileiros, denominada inicialmente de LISTA DA VIDA.  A expectativa é que especialistas de outros grupos, tais como Bacteria, Archea, Virus, Protistas, interessem-se pelo modelo e venham a integrar o PORTAL DA VIDA completando o ciclo do conhecimento sobre a biodiversidade brasileira.  
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.