Governo prevê, dois anos antes, aval do Ibama a megausina

Leilão da quarta maior hidrelétrica do país, no Estado do Pará, está marcado para dezembro do próximo ano. Lago da usina vai afetar quatro unidades de conservação; no STF, procurador contesta medida provisória.

Mesmo sem saber como conseguirá a licença ambiental, o governo já marcou para dezembro de 2013 o leilão da quarta maior usina hidrelétrica do país, a de São Luiz do Tapajós, no Pará.

Slides de apresentação do MME (Ministério de Minas e Energia), obtidos pela Folha, mostram que todas as etapas para o licenciamento foram estimadas desde 2011 -inclusive a expedição da licença prévia pelo Ibama.

Com 7.880 megawatts estimados de potência instalada, São Luiz será maior que Santo Antônio e Jirau, no rio Madeira, somadas.

Será também uma das obras de maior complexidade ambiental do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), pois exigirá a redução de quatro unidades de conservação numa zona prioritária para a biodiversidade.

Juntas, as quatro áreas protegidas perderiam para o lago da usina uma área equivalente a quase um terço da cidade de São Paulo.

O governo baixou em janeiro uma MP (medida provisória) definindo a desafetação (redução) dos parques.

No mesmo mês, o Ibama expediu o termo de referência, conjunto de parâmetros para elaboração do estudo de impacto ambiental da usina, que inicia o licenciamento.

A apresentação do MME mostra que houve uma discussão sobre a melhor maneira de reduzir os parques.

Segundo os slides, o Ministério do Meio Ambiente estudou uma proposta de projeto de lei, “no sentido de minimizar possíveis desgastes [de imagem] para o governo”.

Para não comprometer o cronograma da obra, porém, decidiu-se fazer a redução das áreas protegidas via MP.

O ato foi contestado no STF (Supremo Tribunal Federal) na semana passada pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Segundo ele, redefinir limites de unidades de conservação por MP é inconstitucional. As áreas são de “extrema relevância” para o bioma Amazônia, disse.

Se acatada pelo STF, a ação interromperá todo o processo de licenciamento.

Ambientalistas criticam o planejamento do setor elétrico. “[O governo] determina um cronograma para viabilizar o leilão com data marcada, restando a Funai e Ibama cumprir com as tarefas para que isso aconteça”, disse à Folha Brent Millikan, coordenador da ONG International Rivers Network no Brasil. O MME não se manifestou.

FONTE: Folha de São Paulo

2 comentários em “Governo prevê, dois anos antes, aval do Ibama a megausina”

  1. Todos q somos previlegiados de cultura, sim, p q para o Gov. ñ há interesse em tornar a cultura = educação algo COMUM no nosso País, entãOOOOOO, como já sabemos assim, tdo fk + fácil de se resolver né ñ????? Ahhhhhhhh……. masssssssssss, como a vida é sábia e o Universo é providencial, temos grupos como vcs para ajudar a preservar tuuuuuudoooooo oq há d bom para a humanidade!!!!! Parabénssssssss e, graças a Deus vcs existem!!! bj gde tô c vcs!!!! Vão em frente pq vale sempre mto à pena!!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.