Diversidade Socioambiental de Roraima

Esta publicação é uma contribuição para o debate sobre o futuro de Roraima, a partir de uma perspectiva socioambiental. Seu ponto de partida é a diversidade socioambiental do território roraimense, uma unidade fronteiriça da federação no contexto da Pan-Amazônia, da Amazônia brasileira e da bacia do rio Branco, como parte da bacia hidrográfica do rio Negro.

Trata-se da primeira publicação do ISA dedicada exclusivamente a Roraima. Faz parte da série “Cartô Socioambiental”. Vem somar a outros estudos e iniciativas regionais orientadas para o conhecimento, valorização e fortalecimento da diversidade socioambiental de Roraima. Com esta publicação o ISA deseja inspirar reflexões e visões para se construir uma agenda compartilhada entre vários setores da sociedade roraimense interessados no desenvolvimento com responsabilidade socioambiental, no bem estar da sua população, no respeito a diversidade cultural e das paisagens e na consolidação do Estado Democrático de Direito. Leia mais »

Rio+20 – ONGs pedem posição mais forte do governo brasileiro

O governo brasileiro deve adotar uma posição mais forte para destravar e avançar as negociações na Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentával (Rio+20), conforme recado dado durante plenária internacional de organizações não governamentais realizada hoje (16) na Cúpula dos Povos, no Aterro do Flamengo. Leia mais »

Rio+20 – Em debate, a mitigação das mudanças climáticas

O Ministério do Meio Ambiente aproveita evento no Rio para lançar consulta pública eletrônica de quatro planos setoriais nas áreas de indústria, mineração, saúde e de transporte e mobilidade urbana.

A ministra Izabella Teixeira abriu, nesta sexta-feira (15), a Mesa Redonda Rio+20: O Brasil no Cenário Mundial de Mitigação das Mudanças Climáticas. O evento foi organizado pelo Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC) no Solar da Imperatriz, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Leia mais »

Rio+20 – Sem acordo, negociadores devem anunciar que precisarão de mais tempo para buscar consenso

Sem acordo nos principais temas, os negociadores da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, deverão anunciar hoje (15) que as articulações em busca do consenso se ampliarão até as vésperas de o documento final a ser assinado pelos 115 chefes de Estado e de Governo, no dia 22.  No total, são seis aspectos divergentes. Faltam acordos sobre a criação de um fundo para o desenvolvimento sustentável e as definições das metas conjuntas, por exemplo. Leia mais »

Pesquisadores discutem perspectivas para o desenvolvimento sustentável da Amazônia

Pesquisadores realizaram um debate ontem (13) a respeito da necessidade de uma “revolução científica” para garantir a sustentabilidade da Amazônia, durante o Fórum sobre C,T&I para o Desenvolvimento Sustentável, organizado pelo International Council for Science (ICSU), na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). A mesa, intitulada ‘Science, Technology and Innovation for the Sustainable Development of Amazonia: A Brazilian perspective’, teve como base as análises do livro ‘Amazônia: desafio brasileiro do século XXI – a necessidade de uma revolução cientifica e tecnológica’, produzido pela Academia Brasileira de Ciências (ABC). Leia mais »

Rio+20 – Revista ‘Amazonas Faz Ciência’ é lançada na Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável

Revista foi lançada na Rio+20 (Foto: Ricardo Oliveira/Fapeam)Revista sobre pesquisas amazônicas foi lançada na Rio+20 (Foto: Ricardo Oliveira/Fapeam)

Pesquisas amazonenses voltadas para a energia sustentável são divulgadas na revista ‘Amazonas Faz Ciência’ lançada, nesta quarta-feira (13), na Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável – Rio +20. A publicação é da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), editada em inglês e português.

Os 193 representantes dos estados-membros da Organização das Nações Unidas (ONU), que estarão debatendo sobre ações e questões voltadas à sustentabilidade do planeta, receberão edições da revista.

De acordo com a diretora-presidenta da Fapeam, Maria Olívia Simão, essa é uma iniciativa que possibilita a ampla divulgação das pesquisas e dos investimentos na área ambiental no Estado. “Temos uma política muito forte associando o desenvolvimento à sustentabilidade. Na questão da sustentabilidade, enfrentar esse paradigma significa que Ciência, Tecnologia e Inovação são ferramentas fundamentais”, frisou.

Segundo a diretora-presidenta da FAPEAM, o modelo tradicional de desenvolvimento tem danos ambientais que o Amazonas não quer para o Estado. “Somos um Estado com mais de 98% de sua floresta conservada, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e queremos nos desenvolver sim e buscar gerar riquezas à nossa população de forma sustentável”, declarou.

Para Maria Olívia, a revista lançada na Rio+20 que a inovação, a ciência, o conhecimento dos recursos naturais e o desenvolvimento de novas tecnologias para gerar emprego e renda são fundamentais.

A ministra de Meio Ambiente, Isabella Teixeira, esteve presente no lançamento da revista e parabenizou o Estado por essa iniciativa de difundir pesquisas científicas na área ambiental. O diretor-presidente da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), Virgílio Viana, também visitou o stand e disse que “a publicação reforça a diretriz de fazer com que a ciência e a tecnologia sejam voltadas para o homem da floresta, que vive essa realidade e faz uso da biodiversidade amazônica e dos recursos naturais”.

Conteúdo
Com o título ‘A luz que vem da floresta’, a matéria de capa, de autoria do jornalista Luís Mansuêto, apresenta um panorama geral sobre pesquisas que investigam soluções para a produção de energia elétrica a partir dos resíduos florestais e de plantas oleaginosas da Amazônia. Um dos projetos abordados é o desenvolvido pela doutora em Química e pesquisadora da Ufam, Ivoneide Barros, que coordena o projeto ‘Estudo de Aproveitamento do Resíduo da Gordura de Cupuaçu para Produção de Biodiesel’, que conta com recursos da Fapeam e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Segundo a pesquisadora, a opção pela gordura de cupuaçu se deve porque os óleos oriundos das plantas da Amazônia são competitivos nos mercados alimentícios e cosméticos, encarecendo o preço final do biodiesel.

A edição apresenta também uma entrevista feita com o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Marco Antonio Raupp, na qual ele explica que a biodiversidade amazônica é o caminho para um desenvolvimento sustentável. Ele também aborda que o seu grande desafio frente ao ministério é fazer com que todo o conhecimento gerado nas instituições de ensino e pesquisa seja levado à sociedade para promover a inovação.

Versão infantil
A revista Amazonas Faz Ciência vem acompanhada do suplemento Amazonas Faz Ciência Criança, que aborda a temática da energia solar e pesquisas relacionadas a essa alternativa energética. Com a ampliação do número de páginas, o suplemento foi produzido com mais atividades lúdicas e educativas para o público-leitor: crianças de cinco a 10 anos.

A revista é distribuída gratuitamente aos órgãos públicos, escolas, autoridades e formadores de opinião. A publicação também está disponível na versão digital no site da Fapeam, na aba de publicações.

FONTE : http://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2012/06/revista-amazonas-faz-ciencia-e-lancada-na-rio20.html

Código Florestal – Ministro do STF nega pedido de bancada ruralista

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou ontem (12) pedido de parlamentares para suspender os efeitos da Medida Provisória (MP) 571, que alterou o novo Código Florestal. Cinco deputados da bancada ruralista acionaram o STF no dia 6 de junho alegando que a presidenta Dilma Rousseff interferiu no processo legislativo ao editar a norma. Leia mais »

Conferência pauta uso sustentável da biodiversidade

Embora a totalidade das metas estabelecidas na Eco92 – ciclo de conferências relacionadas sustentabilidade do planeta realizado em 1992 no Rio de Janeiro – não tenha sido cumprida, a secretária de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Samyra Crespo, considera positivo o fato de a conferência ter colocado em pauta nacional as discussões sobre a conservação e uso sustentável da biodiversidade e as mudanças climáticas nos últimos anos. Ela lembra que antes de 1992 nem ONGs e nem cidadãos comuns davam opinião sobre políticas públicas voltadas para o meio ambiente. Leia mais »

Rio+20 terá eventos paralelos e simultâneos

A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, terá três momentos distintos e alguns deles ocorrerão paralelamente. Nos primeiros dias, de 13 a 15 de junho, a capital fluminense sediará a 3ª Reunião do Comitê Preparatório, quando técnicos de todos os países se reunirão para elaborar os esboços dos documentos que serão examinados pelos presidentes e primeiros-ministros. Leia mais »

Rio+20 – Crescimento da população é “desafio do século”, diz consultor da ONU

O crescimento populacional é o “desafio do século” e não está está sendo tratado de forma adequada na Rio+20, a conferência da ONU sobre desenvolvimento sustentável que começa nesta quarta-feira (13) no Rio. A avaliação é do consultor do Fundo de População das Nações Unidas, Michael Herrmann. Leia mais »

Marina Silva: “Somos exterminadores do futuro”

A ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, emocionou o público do TEDxRio+20 ao falar sobre seu passado nos seringais. Na tarde desta segunda-feira (11), no Forte de Copacabana, ela disse que é preciso separar ética de política e pôr fim ao projeto de poder pelo poder e do dinheiro pelo dinheiro. “Isso nos transforma em exterminadores do futuro”, disse. Leia mais »

Rio+20 – Cientistas devem propor metas de sustentabilidade

A comunidade científica está preparando um documento oficial para entregar aos políticos que participarão da Rio+20, com sua visão sobre os rumos que o planeta precisa tomar para alcançar o desenvolvimento sustentável. O texto será o resultado dos debates promovidos ao longo da semana, no Fórum de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável, que acontece na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Leia mais »

Rio+20 – Especialistas da Unceea estão reunidos no Rio de Janeiro

Especialistas e dirigentes de institutos nacionais de Estatística do Brasil e de outros países participam, no Rio, de hoje (11) a quarta-feira (13), do encontro do Comitê das Nações Unidas de Especialistas em Contas Econômico-Ambientais (Unceea), órgão ligado à Divisão de Estatística das Nações Unidas. O objetivo é discutir o conceito do Produto Interno Bruto (PIB) verde e disseminar o uso de ferramentas para medir o progresso em termos de sustentabilidade. A chamada conta ambiental vai avaliar os patrimônios de água, florestas e energia. Leia mais »

MEIO AMBIENTE – Ministro defende criação de programa internacional de pesquisa sobre sustentabilidade

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, defendeu a criação de um programa internacional de pesquisa com foco no desenvolvimento sustentável global. A proposta foi apresentada durante o Fórum de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável, aberto hoje (11) no Rio de Janeiro.

O fórum reúne pesquisadores de vários países do mundo na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), até o próximo dia 15. Do encontro, deve sair uma carta a ser entregue aos chefes de Estado e Governo que participarão da reunião de cúpula da Conferência Rio+20, na próxima semana. Leia mais »

20 anos de Eco92

Embora a totalidade das metas estabelecidas na Eco92 – ciclo de conferências relacionadas sustentabilidade do planeta realizado em 1992 no Rio de Janeiro – não tenha sido cumprida, a secretária de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Samyra Crespo, considera positivo o fato de a conferência ter colocado em pauta nacional as discussões sobre a conservação e uso sustentável da biodiversidade e as mudanças climáticas nos últimos anos. Ela lembra que antes de 1992 nem ONGs e nem cidadãos comuns davam opinião sobre políticas públicas voltadas para o meio ambiente. Leia mais »