Comandante Militar da Amazônia realiza inspeção às bases de operações na terra indígena Yanomami

Nesta quinta-feira, 4 de julho, o Comandante Militar da Amazônia constatou a capacidade logística e operacional instalada pela 1ª Brigada de Infantaria de Selva no contexto da Operação Catrimani II, por meio de uma visita de inspeção.

Foto postada em: CMA EB

As bases de operações foram instaladas pela 1ª Bda Inf Sl em Pakilapi, no Rio Uraricoera, e em Kayanaú, no Rio Mucajaí, e fazem parte do esforço conduzido pelas Forças Armadas em apoio aos órgãos de fiscalização no combate ao garimpo ilegal na TI Yanomami, sob coordenação do Comando Conjunto Catrimani II.

A montagem foi viabilizada pelo transporte aéreo logístico integrado, executado por aeronaves do Exército, da Marinha e da Força Aérea. Atualmente, as bases operam de forma ininterrupta e podem apoiar até 50 agentes para a realização de ações contra crimes ambientais e de assistência humanitária aos indígenas da região.

Durante a visita operacional, o Comandante Militar da Amazônia constatou o esforço realizado para a montagem das instalações nesses locais remotos, a despeito das restrições impostas pelo terreno e pelas condições meteorológicas.

Em contato com as agências que operam na área, verificou-se a importância do apoio do Exército para que os demais órgãos responsáveis pela repressão ao garimpo e pela assistência aos yanomami possam se estabelecer de maneira mais efetiva na região.

FONTE: COMANDO MILITAR DA AMAZÔNIA EXÉRCITO BRASILEIRO – Comandante Militar da Amazônia realiza inspeção às bases de operações na terra indígena Yanomami (eb.mil.br)

Relacionada: 5º Batalhão de Engenharia de Construção refaz ponte de acesso à Vila Panorama (eb.mil.br) – No contexto da Operação de Desintrusão da Terra Indígena Karipuna, foi identificado o rompimento de uma ponte no principal acesso à Vila Panorama. O permanente estado de prontidão das tropas da 17ª Brigada de Infantaria de Selva permitiu o acionamento do 5º Batalhão de Engenharia de Construção (5º BEC) que, em menos de 24 horas, iniciou os trabalhos para a reconstrução da ponte, permitindo o acesso dos indígenas a sua tribo e a continuidade dos trabalhos das equipes empregadas na desintrusão.