Migração e Casa Comum: 39ª Semana do Migrante começa neste domingo (16)

Inicia o próximo domingo 16 de junho a 39ª Semana do Migrante, que vai até dia 23 de junho. Em 2024, o tema é “Migração e Casa Comum” e o lema, em sintonia com o Sínodo sobre a Sinodalidade, “Alarga o espaço da tua Tenda” (Is 54,2). Uma oportunidade para uma “tomada de consciência, como Igreja e como Sociedade, frente à uma realidade que provoca migração forçada e não promove a acolhida digna”, segundo o bispo de Primavera do Leste – MT, e presidente do Serviço Pastoral dos Migrantes, dm João Aparecido Bergamasco, SAC.

Imagem postada em: REPAM

O bispo insiste no convite “a alargar o nosso coração para uma acolhida afetiva e efetiva, como família de Deus que busca e promove a ‘amizade social’, para romper as barreiras que impede a solidariedade, a promoção e a integração de todos os irmãos e irmãs que buscam um novo lugar ou uma nova pátria. Somos chamados a fazer a experiência da Fraternidade Universal através do acolhimento, do afeto e do cuidado buscando o Bem Viver Fraterno”.

Entre as causas da migração, dom Bergamasco coloca “a falta do cuidado com a Casa Comum, a polarização, a violência, a guerra, a fragilidade das relações entre as pessoas e as políticas que geram exclusões têm agravado a situação, sobretudo dos mais pobres”. Isso demanda “cuidar desta Casa Comum como espaço acolhedor da criação, sem exclusões, pois, estamos todos conectados e somos todos irmãos e irmãs”, segundo o bispo.

Ele vê a Semana do Migrante como “um momento oportuno para sair do nosso mundo egoísta e fechado, alargando o nosso coração para a Fraternidade Universal”, o que demanda “uma profunda conversão no cuidado, no afeto, na amizade e na incidência política”, se fazendo necessário superar a cultura da indiferença.

A reflexão para a Semana do Migrante 2024 tem como base a Laudato Si´, a Laudate Deum, a Fratelli tutti e a Campanha da Fraternidade 2024, com o tema Amizade Social. A Laudato Si´, uma ideia que é reforçada na Laudate Deum, faz um chamado ao cuidado da casa comum, algo que também tem a ver com o fenómeno da migração. Os pobres e excluídos são as principais vítimas da devastação dos biomas e florestas, da desertificação do solo, da contaminação do ar e das águas, do aquecimento global.

As catástrofes climáticas, muitas vezes provocadas pela ação humana, são causa de migração. Os refugiados climáticos constituem um grupo em constante aumento. Diante disso, a Semana do Migrante faz um apelo: “Alarga o espaço da tua tenda”, inspirados no chamado do Papa Francisco a preparar a casa para todos os seres humanos e para todas as formas de vida, onde todos todos e todas possam tornar-se irmãos e irmãs no espaço dessa casa, numa vizinhança sadia e saudável.

O convite é passar do viver bem egocêntrico e egoísta ao bem viver fraterno e solidário, a descobrir a riqueza da diversidade presente nas pessoas, nas culturas, nas religiões. A Semana do Migrante nos mostra que os migrantes são portadores das sementes do verbo, são artífices e protagonistas de novos tempos. Isso porque toda pessoa, grupo ou cultura cresce e se enriquece no encontro com o outro. Daí a necessidade de “passar da globalização da indiferença” para a “cultura do encontro, da fraternidade e da solidariedade”.

Para isso somos chamados a tecer o fio das relações humanas, um grande desafio diante do crescimento da extrema direita, que impulsionam a divisão, que faz com que os migrantes sofram com o preconceito e a discriminação, com o racismo e a xenofobia. Diante disso, a Pastoral do Migrante faz um chamado a ver o migrante não como perigo ou ameaça e sim como oportunidade de encontro, de diálogo e de solidariedade. Um chamado a não criar guetos e sim comunidades, e assim alargar o espaço de nossa tenda em direção à amizade social com todos os povos e nações, como caminho para construir em bases firmes e sólidas a nossa casa comum.

Por Luis Miguel Modino, Comunicação CNBB Norte1 

FONTE: REPAM – Migração e Casa Comum: 39ª Semana do Migrante começa neste domingo (16) – REPAM 

Relacionadas:

      • Abertura da 39 ª Semana do Migrante em Roraima – Vatican News – A diocese de Roraima realizou nesta segunda-feira a abertura da 39ª Semana do Migrante, que em 2024 tem como tema “Migração e Casa Comum”, e como lema “Alarga o espaço da tua tenda” (Is 54,2). A migração é uma situação que marca a vida do Estado de Roraima nos últimos anos, até o ponto que atualmente 30 por cento da população de Roraima é formada por migrantes venezuelanos. Anualmente entram mais ou menos 200 mil venezuelanos por ano pela fronteira de Pacaraima.
      • Dom Adilson Busin: “a xenofobia é o ápice da irracionalidade” – Vatican News – Comissão Episcopal Especial para o Enfrentamento ao Tráfico Humano da CNBB, está realizando uma missão no Estado de Roraima. Diante da realidade local, com uma ebulição migratória e tantas “fronteiras porosas”, a visita da comissão quer que “a temática do tráfico humano seja exibida, visibilizada, seja sentida”. De 17 a 23 de junho de 2024, a Comissão Episcopal Especial para o Enfrentamento ao Tráfico Humano (CEPEETH) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), está realizando uma missão no Estado de Roraima, na fronteira com a Guiana e a Venezuela. Uma comissão que segundo seu presidente, dom Adilson Pedro Busin, bispo da diocese de Tubarão (SC), tem entre seus objetivos “a conscientização, a incidência política e eclesial”.
      • Relatório divulga dados e perfil dos refugiados no Brasil e no mundo – Vatican News – No dia 13 de junho, no Palácio da Justiça em Brasília (DF), foram apresentados dois relatórios relativos aos dados oficiais sobre refúgio no Brasil e no mundo. O evento contou com a presença de representantes da Sociedade Civil, do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), da Política Federal e do Ministério das Relações Exteriores (MRE).
      • Diocese de Roraima abre a 39ª Semana do Migrante – REPAMA diocese de Roraima realizou nesta segunda-feira (17/06) a abertura da 39ª Semana do Migrante, que em 2024 tem como tema “Migração e Casa Comum”, e como lema “Alarga o espaço da tua tenda” (Is 54,2). A migração é uma situação presente em Roraima nos últimos anos. Dados apontam que 30% da população do Estado é formada por migrantes venezuelanos. Anualmente entram cerca de 200 mil venezuelanos por ano pela fronteira de Pacaraima. 
      • Pacaraima, a fronteira onde a Igreja alarga sua tenda cada dia – Vatican News – Pacaraima, uma pequena cidade na fronteira com a Venezuela, era um local desconhecido, que se tornou manchete dos jornais com o início da migração venezuelana. A cidade mudou o rosto, em dez anos sua população dobrou, e hoje 50 por cento são venezuelanos. Pacaraima é local onde a Igreja alarga sua tenda cada dia, se tornando casa de acolhida, mas ao mesmo tempo lugar de diversas formas de exploração, com episódios que são claros exemplos das dificuldades que enfrentam os migrantes em muitos lugares do planeta.