MPF lamenta morte do indígena conhecido como “índio do buraco” e instaura procedimento para resguardar sua memória

O Ministério Público Federal (MPF) lamenta profundamente o falecimento do indígena conhecido como “Índio Tanaru” ou “Índio do Buraco”, que vivia em isolamento voluntário, no município de Corumbiara (RO), em 23 de agosto. O indígena era o único sobrevivente de seu povo, de etnia desconhecida, que foi exterminado no violento processo de colonização da região.

Arte: Ascom/MPF

Diante do triste ocorrido, o órgão ministerial instaurou procedimento administrativo na unidade de Vilhena (RO) com o objetivo de resguardar a memória do indígena. Esse expediente sucede ao Procedimento Administrativo 1.31.003.000061/2018-52, instaurado no MPF, em 2018, para acompanhar as medidas de proteção ao “Índio do Buraco”.

Desde meados dos anos 1990, quando surgiram as primeiras notícias sobre a existência do “Índio do Buraco” e dos povos isolados Akuntsu e Kanoê, o MPF atua para resguardar o direito desses povos. Naquele período, o órgão realizou trabalho conjunto com a Frente de Proteção Etnoambiental Guaporé, da Funai, para que a área desses povos fossem respeitadas e juridicamente resguardadas.

Assessoria de Comunicação
Ministério Público Federal em Rondônia  –  MPF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: