Mancha nas águas do Mapuera (PA) foi causada por deslizamento de terras, mas segurança alimentar preocupa MPF

Em sobrevôo na região do rio Mapuera, no noroeste do Pará, indígenas e técnicos da Fundação Nacional do Índio (Funai), da Frente de Proteção Etnoambiental Cuminapanema, constataram que a turbidez nas águas, detectada pelos indígenas que vivem nas margens do rio durante o fim de semana, foi provocada por um grande deslizamento de terras.

Créditos: divulgação MPF

O sobrevôo ocorreu na segunda (30 de maio) e constatou o avanço de uma considerável quantidade de terra de um morro nas margens do leito do Mapuera. As terras avançaram para dentro das águas, desceram o rio e hoje (31 de maio) atingiram a calha do Trombetas, principal rio da região.

De acordo com relatório com análise de imagens de satélite enviado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) ao Ministério Público Federal (MPF) o deslizamento totaliza mais de oito hectares de terras, o equivalente a oito campos de futebol.

Por enquanto não há indícios de ter sido causado por ação humana mas persiste a necessidade de resguardar a segurança alimentar e a saúde nutricional dos indígenas, quilombolas e ribeirinhos afetados pelas impurezas nas águas.

O MPF convocou reunião para amanhã com representantes da prefeitura de Oriximiná, Secretaria de Meio Ambiente de Oriximiná, Funai, ICMBio, Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), Distrito Sanitário Especial Indígena Guamá-Tocantins, Instituto do Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Pará (Ideflor-Bio) e com os representantes dos povos indígenas da região.

A reunião vai ser virtual e serão discutidas a questão da segurança alimentar e também a necessidade de se mitigar os danos ambientais provocados pelo deslizamento de terras.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: