Movimentos sociais barram ofensiva do governo em região intocada da Amazônia

Sem a realização de estudos de viabilidade técnica, econômica ou ambiental e, acima de tudo, sem jamais ter consultado as populações tradicionais impactadas, o projeto de extensão da  BR-364, entre o município de Mâncio Lima, no Acre, e a fronteira com o Peru, foi suspenso por determinação da juíza federal Franscielle Martins Gomes Medeiros, da 1ª Vara de Rio Branco.

Reunião entre representantes Ashaninka do Brasil e do Peru para tratar da obra. Foto: Associação Apiwtxa.

A interligação rodoviária entre Cruzeiro do Sul, a segunda maior cidade acreana, e Pucallpa, capital do departamento peruano de Ucayali, é uma das principais apostas do governo local na área de infraestrutura, e vendida como redenção para o desenvolvimento da região.

A obra também é vista com bons olhos pelo governo Jair Bolsonaro, que atua para tirar do caminho eventuais entraves burocráticos – sobretudo os ambientais – que venham a atrapalhá-la. Por seu traçado passar dentro de uma unidade de conservação (o Parque Nacional da Serra do Divisor) e próximo a terras indígenas, o governo federal atua para acelerar o processo de licenciamento ambiental.

É o que pretendia o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), quando lançou edital (No 130/2021) para contratar empresa que faria a prospecção da viabilidade do projeto.

ÍNTEGRA DISPONÍVEL EM:  O ECO  

VER MAIS EM:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: