Brasil apoia declaração internacional para proteger florestas e recuperar solos

Declaração dos Líderes de Glasgow sobre Florestas e Uso do Solo prevê o equivalente a cerca de R$ 108 bilhões em financiamento público e privado

Foto: Divulgação/UNFCCC

O governo brasileiro manifestou oficialmente nesta terça-feira (02) seu apoio à declaração internacional de líderes presentes à Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP26), em Glasgow, para preservar as florestas e reduzir o desmatamento e a degradação dos solos até 2030. Atualmente, quase um quarto (23%) das emissões mundiais de gases de efeito estufa (GEEs) vêm da agricultura e da indústria madeireira. Juntos, os mais de cem países signatários do compromisso histórico, como Rússia, Estados Unidos, China, Austrália e França, concentram mais de 85% das florestas do mundo, uma área superior a 21 milhões de quilômetros quadrados.

O anúncio da “Declaração dos Líderes de Glasgow sobre Florestas e Uso do Solo” aconteceu em evento convocado pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, com participação do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e da presidente da Comissão da União Europeia (EU), Ursula von der Leyen, e prevê o equivalente a cerca de R$ 108 bilhões em financiamento público e privado.

Parte dos recursos virá de financiamento por 12 países – como EUA, Reino Unido, Noruega, Alemanha, Coreia do Sul, União Europeia, Canadá e Japão –, com cerca de R$ 68 bilhões previstos até 2025. O objetivo é apoiar iniciativas em países em desenvolvimento, incluindo a restauração de terras degradadas, combate a incêndios florestais e apoio aos direitos das comunidades indígenas.

Já o setor privado – representado na COP26 por CEOs de mais de 30 instituições financeiras – responderá por mais R$ 41 bilhões em financiamentos. Desse total, R$ 17 bilhões devem ir para a iniciativa Finanças Inovadoras para a Amazônia, Cerrado e Chaco (IFACC, na sigla em inglês), visando a promover a produção de soja e gado sem desmatamento na América Latina. E dirigentes dessas instituições também irão se comprometer a não investir mais em atividades ligadas ao desmatamento.

Na declaração, os países enfatizam o papel das florestas de todos os tipos e outros ecossistemas, defendem a contribuição da biodiversidade e do uso do solo – incluindo a transformação rural para uma agricultura lucrativa, sustentável e a reversão dos processos de degradação – para as metas globais de desenvolvimento sustentável; para se atingir um equilíbrio nas emissões de GEEs e na adaptação para as mudanças climáticas; e para garantir a segurança alimentar global.

Os signatários também reafirmam seus compromissos com o Acordo de Paris e outros tratados internacionais na área ambiental, e reconhecem que para se chegar às metas de desenvolvimento sustentável serão exigidos mais esforços de integração entre produção, consumo, infraestrutura, comércio, finanças e investimentos. Sem esquecer do apoio a produtores rurais, povos indígenas e comunidades que dependem desses biomas para sua sobrevivência, uma população estimada em cerca de 1,6 bilhão de pessoas em todo o mundo.

Pavilhão Brasil

Vale lembrar que todas as apresentações do Pavilhão Brasil estão sendo transmitidas ao vivo no canal do Ministério do Meio Ambiente no YouTube,   clique aqui para acessar.

Confira aqui programação completa das apresentações que ocorrerão no Pavilhão Brasil.

ASCOM MMA – MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA   

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*