Estrada ilegal coloca em risco povos isolados no Brasil e no Peru

Preocupadas com os potenciais impactos sociais e ambientais, organizações indígenas e indigenistas peruanas e brasileiras denunciam a obra da estrada ilegal Jenaro Herrera – Colonia Angamos, em Loreto.

Postada em: CTI -FACEBOOK

As organizações destacam que as licenças necessárias não foram obtidas e pedem a paralisação de todas as obras. Os impactos potenciais incluem o rápido aumento do desmatamento ao longo da estrada, incentivando a migração, a colonização e a expansão da fronteira agrícola.

Além disso, há a preocupação de que a estrada possa aumentar a vulnerabilidade dos direitos dos povos indígenas, especialmente, os povos indígenas em “isolamento” e os ecossistemas na região.

No Brasil, o Centro de Trabalho Indigenista (CTI) e a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), também expressam suas preocupações, principalmente, dentro da Terra Indígena Vale do Javari, que abriga setes povos e registra a maior população de povos isolados do mundo.

Hilton Nascimento, do CTI, destaca, entre outras coisas, que a estrada incentivaria o assentamento na região e criaria “uma pressão tremenda” sobre a floresta e os recursos naturais do entorno, principalmente a caça e os peixes, possivelmente levando ao aumento da violência.

Saiba mais em: https://bit.ly/3D55sIM

PUBLICADO POR:   CTI – CENTRO DE TRABALHO INDIGENISTA  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*