24ª Tertúlia Portugal Brasil

Será realizada no próximo dia 25 de setembro de 2021, sábado, a 24ª Tertúlia Portugal Brasil, sob o tema: “O delineamento dos limites nacionais do Brasil, no Século XVIII, por meio de obras defensivas”, tendo como Convidado: o Historiador Adler Homero Fonseca de Castro

O grupo de trabalho transnacional, capitaneado pelo Prof. Dr. Cesar Bargo Perez e pelo Cel. Elcio Secomandi, por parte do Brasil, e pelo General Rui Moura, por parte de Portugal, CONVIDA para a 24ª Tertúlia Portugal Brasil:

24ª TERTÚLIA PORTUGAL-BRASIL
SÁBADO, dia 25/setembro/2021,
22h00 – 23h40 (hora de Lisboa) / 18h00 – 19h40 (hora de Brasília),

TEMA: “O delineamento dos limites nacionais do Brasil, no Século XVIII, por meio de obras defensivas”

Apresentação: Historiador Adler Homero Fonseca de Castro

Plataforma Zoom: https://us02web.zoom.us/j/6164543465

Canal das Tertúlias: www.youtube.com/TertuliasPortugalBrasil   

CURRICULUM VITAE

Doutor Adler Homero Fonseca de Castro
Historiador do IPHAN

Doutor em História, pesquisador associado ao Centro de Estudos de História Militar do Exército (CEPHiMEx), associado do Instituto de Geografia e História Militar do Brasil (IGHMB), Autor de sete (7) livros e mais de 130 artigos sobre História Militar e preservação do patrimônio cultural. Autor do compêndio Muralhas de Pedras, Canhões de Bronze e Homens de Ferro, 4 volumes, publicado pela Fundação Cultural Exército Brasileiro (FUNCEB). A obra contém o histórico de 1.365 fortificações feitas no Brasil, na Guiana Francesa e no Uruguai, operacionais de 1504 a 2006.

RESUMO DA APRESENTAÇÃO

O delineamento dos limites nacionais por meio de obras defensivas

Portugal tomou para si uma imensa tarefa no século XVI: estabelecer um sistema militar-comercial no Índico, que permitisse à coroa usufruir os lucros do comércio de mercadorias asiáticas para a Europa. Sem recursos para ocupar com colônias os territórios, a proposta implantada, desde Afonso de Albuquerque (1509-1515) foi a implantação de um grande conjunto de fortificações e frotas que controlavam a navegação oceânica, sistema implantado e gerenciado por autoridades governamentais. Para o Brasil, não havia recursos disponíveis, considerando a falta de atrativos econômicos da região, de forma que a opção da monarquia lusitana para garantir a posse foi uma radicalmente diferente, com uma autonomia local muito grande. O resultado foi a criação de um conjunto de fortificações costeiras de natureza bem diferenciada do que foi feito na Ásia Portuguesa ou, mais tarde, na fronteira com a Espanha. A natureza específica do conjunto defensivo brasileiro como definidor de um país de dimensões continentais fica evidente quando percebemos o esforço que foi feito nas fronteiras terrestres: em um espaço muito curto de tempo, de 1763 a 1777, se estabeleceram fortificações que balizaram as fronteiras do País, dando aproximadamente a forma atual do Brasil, com um aspecto muito semelhante ao atual território nacional, em um processo que não tem semelhança em nenhum outro lugar do mundo.

AS TERTÚLIAS JÁ REALIZADAS ESTÃO DISPONÍVEIS NO YOUTUBE:   TERTÚLIAS PORTUGAL BRASIL 

Comissão Organizadora do Projeto Tertúlia Portugal-Brasil:
– Major General Rui Moura, Reserva do Exército de Portugal;
– Prof. Dr. Cesar Bargo Perez, Pesquisador da Universidade Católica de Santos; e
– Cel Rfm/EB Elcio R. Secomandi, Pesquisador e Professor Emérito da Universidade Católica de Santos   

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*