Estudo mostra que a barreira dos rios influenciou na criação da biodiversidade vegetal da Amazônia

A hipótese criada em meados do século XIX por Alfred Russel Wallace, é reinterpretada na tentativa de explicar a influência na diversidade das plantas através das barreira feitas pelos rios da bacia amazônica

Foto: Reprodução / Edson Grandisoli – Postada em: Portal Amazônia

Estima-se que existem aproximadamente 50 mil espécies diferentes de plantas na Amazônia. Em apenas 1 hectare da região, apresenta uma variedade de espécies vegetais superior à Europa inteira.

Um dos fatores que podem ter contribuído para a produção da biodiversidade vegetal na Amazônia é a chamada barreira natural constituída pelos rios de grande porte, impedindo que algumas espécies existentes no território ao longo de uma das margens. A antiga hipótese proposta em meados do século XIX pelo cientista Alfred Russel Wallace com o objetivo de explicar a distribuição de espécies de primatas na Amazônia.

A teoria explica que os grandes rios, como o caso da bacia amazônica, podem reduzir ou impedir o fluxo gênico entre as populações de plantas nas margens opostas dos rios, ocasionando a diferenciação de espécies por conta do isolamento geográfico.

“Fizemos um estudo que, em termos genéticos, é uma reinterpretação da hipótese de Wallace. Segundo essa reinterpretação, grandes rios, como os da bacia amazônica, poderão reduzir ou impedir o fluxo gênico entre as populações de plantas nas margens opostas dos rios, acarretando alopatria (diferenciação de espécies em decorrência do isolamento geográfico) e restringindo as espécies a regiões interfluviais específicas”, conta Alison Nazareno, professor do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

O estudo foi realizado por Nazareno e coordenado por Lúcia Lohmann, professora do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP). Os resultados foram divulgados no periódico Frontiers in Plant Science. 

PORTAL AMAZÔNIA, COM INFORMAÇÕES DA FAPESP

VER MAIS EM:    AGÊNCIA FAPESP   PORTAL AMAZÔNIA    

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*