A Terceira Margem – Parte CCLXV

Expedição Centenária Roosevelt-Rondon  2ª Parte – VI 

“Perfeita Cruz”.

Cáceres – Ilha da Amizade III  

Relatos Pretéritos – Rio Tenente Lyra ou Sepotuba 

Rondon 

Deixando Cáceres (06.01.1914), deixamos também o “Nyoac” ‒ não poderia ele ir além. Começamos a subir o Sepotuba [Tapir], explorado cientificamente em 1908. Rio claro, descendo do planalto para as florestas das terras baixas, só era navegável no tempo das águas. Subimos até Porto Campo, onde pousamos a 07.01.1914. (VIVEIROS)

Pereira da Cunha 

CAPITULO VI 

06.01.1914: Cáceres deveria ser o termo da minha viagem e aí era mister deixar os bons companheiros que, tomando uma pequena lancha, tinham que subir ainda o Paraguai, e tomar o Sepotuba, quis, porém, a boa-sorte que tão cedo não fosse privado daquela companhia, e que conhecesse maior trecho navegável do Rio Paraguai e ainda o Sepotuba. De fato, não estando no porto a lancha para conduzir a Expedição, resolveuse que oNyoacsubisse mais o Paraguai e penetrasse no Sepotuba, até Porto do Campo, onde Roosevelt aguardaria a lancha, caçando antas e porcos.

Como não houvesse para mim condução de regresso ([1]), continuei a viagem com os antigos companheiros e mais alguns outros, que nos esperavam em Cáceres e aí completaram a Expedição. Íamos partir, e, sendo forçada a permanência por alguns dias em Porto do Campo, embarcaram conosco, para que fosse possível fazer Roosevelt caçar, dois ou três caçadores, todos com matilhas, mas, um deles, o Sr. João Ribeiro, com uma cachorrada que entre todas sobressaia pelo número e pela qualidade, e, como tudo e todos estivéssemos prontos para partir, deixamos, Cáceres na tarde desse dia ([2]), em demanda do Sepotuba.

O extenso Paraguai, já de há muito correndo entre terras mais altas, estreitava-se agora sempre entre renques de mato, e era bem outro o aspecto do grande alagador de pantanais, subindo sempre, encontramo-nos, à tardinha, em uma posição interessante e pitoresca, pois que com o nosso navio estávamos ao centro de uma “perfeita cruz” ([3]) formada pelas águas em que navegávamos.

Para quem se encontrasse pela primeira vez nesse ponto do Rio, e na intenção de continuar a subi-lo, difícil seria a sua orientação, pois que, como tudo indica, o natural seria seguir para frente, tomando como afluentes os dois Rios que aí vêm desembocar de um e outro lado. Mas enganosa, quão aparentemente certa, seria tal solução, visto como a cruz é assim formada: a parte inferior, pelo trecho do Paraguai já por nós navegado, o braço direito, pelo próprio Paraguai que aí defleta em ângulo reto, a parte superior, pela entrada de uma “baía” [grande lago ou sacado]; e o braço esquerdo, pelo Sepotuba.

Entramos pelo Sepotuba, e logo foi a nossa primeira observação a limpidez de suas águas, e a sua forte correnteza que a custo era vencida pelo pequenoNyoac”, estávamos na “poaía”, como lá se diz, e que exprime estar nas regiões das matas ricas em ipecacuanha ([4]), como são as das terras que margeiam o belo Rio que agora navegávamos, correndo em asseado leito de pedras, entre margens bem altas e cobertas de forte orla de mato. A noite clara e enluarada permitia ver o soberbo panorama, e a magia do astro de luz suave, tocando como sempre almas e corações, recrudescia a saudade daqueles que de nós distavam, e fazia-nos pensar nestes que de nós distariam, dentro em breve, na ousada empresa em que não nos era dado também aventurar.

07.01.1914: a manhã de 7 encontrou-nos em Porto do Campo e, logo cedo e bem atracado que foi oNyoac”, começou a descarga de tudo quanto pertencia à Expedição, enquanto a turma de soldados, em terra e dirigida pelo infatigável Capitão Amílcar, estabelecia o primeiro abarracamento. Na tarde desse dia, partiram alguns membros americanos da Expedição, aproveitando a lancha, que subia com uma chata levando bagagens e carga para Tapirapuã; era esse o último ponto atingível por via fluvial, sobre o próprio Sepotuba, base e ponto de apoio escolhido pelo bravo Coronel Rondon, para as suas extraordinárias explorações, e donde deveriam seguir por terra, através do Sertão, Roosevelt e mais membros da Expedição, até as cabeceiras do Rio da “Dúvida”, nome que exprimia bem o ignorado de seu curso e a mágica atração que o mistério, fascinador como a esfinge, exercia sobre a alma sempre ardente e viva do antigo “cowboy”.

Tal como desde 17 de dezembro do ano anterior, ainda nesse dia, apesar do abarracamento, jantei ao lado de Roosevelt e com ele troquei ideias, como de costume e quase diariamente sucedia, sobre problemas sociais e políticos, e, como já nos houvesse ele dito que nós, no Brasil, havíamos resolvido problemas que ainda estavam insolúveis nos Estados Unidos.

Embora o inverso também fosse verdadeiro, tentei ainda uma vez sondar o espírito do experimentado estadista, no intuito de conhecer quais seriam esses problemas, e saber, principalmente, quais teriam sido as soluções dadas aos que nos restavam ainda insolúveis.

Ou fosse porque o Destino [que os primitivos já consideravam imutável até pelos Deuses] não permitisse, ou fosse porque o nosso hóspede não quisesse desvendar o seu pensamento, o caso é que, só a respeito do problema relativo ao perpetuamente ou desaparecimento do negro entre nós e entre os americanos foi que se expandiu o meu vizinho de mesa.

Condenava ele o processo norte-americano que, fazendo a completa separação de raça, só conseguia com isso desenvolvimento sempre crescente do número de negros, arredando assim a solução do problema e tornando-a cada vez mais difícil e grave, e, dizia, então, enquanto nos Estados Unidos é cada vez maior o número de negros, sucede no Brasil o fato inverso, desaparecendo a dificuldade da solução e a gravidade do problema com o desaparecimento do próprio problema, pois que, diluída no sangue branco a pequena porção de sangue negro ainda existente, dentro de um futuro não muito remoto estará a população do Brasil isenta de negros.

Mais tarde soube por que razão não tivera segredo para com esse problema o forte explorador; lendo os artigos por ele escritos no Outlook, lá deparei, no número de 21 de fevereiro de 1914, com um desses artigos sob o título: “Brazil and the Negro” – e que nada mais era do que o desenvolvimento dessas ideias. (CUNHA)

Faço aqui um curioso adendo, repercutindo um artigo que representa bem, ainda que de certa forma hilária, a profunda admiração dos negros americanos pelo então candidato Roosevelt.

O Exemplo n° 37, 23.10.1904

O Exemplo, n° 37 ‒ Porto Alegre, RS
Sexta-feira, 23.10.1904

Eleitor Apaixonado  

O homem de cor, que sente seus melindres abocanhados pelo boçal preconceito que pretende implantar a superioridade das raças humanas, baseando-se na cor da epiderme, quando lhe abrem os braços fraternos, reconhecendo que a sua cor trigueira não o incompatibiliza para as funções com que seu mérito pode arcar, o seu reconhecimento vai ao fanatismo para com os que assim lhe fazem justiça.

Os descendentes de africanos não primam pela humildade, como dizia um notável político; e sim primam pela gratidão, gênero que já vai escasseando no mercado dos sentimentos afetivos da humanidade. Roosevelt, benemérito Presidente da República dos Estados Unidos da América do Norte que, convidando a sentar-se em sua mesa um célebre homem de cor, declarou guerra tenaz contra o menosprezo em que éramos tidos, ao ponto de serem linchados os que conquistavam uma mulher descorada, tem colhido dos homens de cor a flor da gratidão que desabrocha de todos os feitios de acordo com a excentricidade inata aos americanos, como se pode apreciar da local que, sob a epígrafe acima, em seguida transcrevemos das colunas da “Federação”. A próxima eleição presidencial nos Estados Unidos da América do Norte já tem provocado apostas interessantíssimas. Agora é um negro, influente político em S. Luiz, grande admirador de Roosevelt, que oferece a vida contra a módica quantia de cinco dólares. Para maior garantia da aposta, assinou este contrato:

A todos que lerem o presente, e Senhor seja convosco! Sabei que eu, Américo Prates, são de corpo e de espírito, prometi solenemente, tomando Deus por testemunha, pôr termo à minha existência, atirando-me do meio da ponte do Eads ao Mississpi, num dos sete dias seguintes ao da eleição presidencial de 1904, se Theodoro Roosevelt, candidato republicano, não for eleito.

São do corpo e do espírito… Do corpo talvez; do espírito, certamente que não, acrescenta um colega. (O EXEMPLO, N° 37)

Outlook, february 21, 1914

Por Hiram Reis e Silva (*), Bagé, 22.07.2021 – um Canoeiro eternamente em busca da Terceira Margem.

Bibliografia 

CUNHA, Comandante Heitor Xavier Pereira da. Viagens e Caçadas em Mato Grosso: Três Semanas em Companhia de Th. Roosevelt – Brasil – Rio de Janeiro, RJ – Livraria Francisco Alves, 1922.

O EXEMPLO, N° 37. Eleitor Apaixonado – Brasil ‒ Porto Alegre, RS ‒ O Exemplo, n° 37, 23.10.1904.

VIVEIROS, Esther de. Rondon Conta Sua Vida ‒ Brasil ‒ Rio de Janeiro, RJ ‒ Livraria São José, 1958.   

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

  • Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)
  • Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA) (2000 a 2012);
  • Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);
  • Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);
  • Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)
  • Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);
  • Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);
  • Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);
  • Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)
  • Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);
  • Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)
  • Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).
  • Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).
  • E-mail: hiramrsilva@gmail.com.

[1]    De Cáceres para Ladário.

[2]    Desse dia: 06.01.1914.

[3]    Imagem 06 – “Perfeita Cruz”.

[4]    Ipecacuanha (Psychotria ipecacuanha): planta medicinal cujo nome tem origem na palavra nativa i-pe-kaa-guéne, que significa “planta de doente de estrada”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*