Meio milhão de ribeirinhos sofrem com fome após enchente histórica de rios no Amazonas

Desde maio, quando os rios Negros e Solimões registraram alta recorde, comunidades isoladas passaram a sobreviver com doações de comida e insumos contra a covid-19

Isolados em meio à maior enchente em mais de um século, cerca de 520 mil ribeirinhos, famílias que vivem às margens dos rios Negro e Solimões, sofrem com a fome, a destruição da fonte de subsistência e o impacto ambiental que afeta de forma cada vez mais devastadora o clima.

São pelo menos meio milhão de brasileiros que vivem em comunidades isoladas na Amazônia e agora dependem da Defesa Civil e da mobilização de organizações sociais não governamentais.

Estas distribuem cestas básicas e “kits Covid-19″ (álcool gel a 70%, sabonetes, máscaras, desinfetantes, água sanitária, detergentes e baldes). Alívio, mesmo, só quando as águas baixarem, a partir de julho e agosto.

Veja o texto na íntegra: O Globo

PUBLICADO POR:    JORNAL DA CIÊNCIA  

Nota – A equipe do EcoAmazônia esclarece que o conteúdo e as opiniões expressas nas postagens são de responsabilidade do (s) autor (es) e não refletem, necessariamente, a opinião deste ‘site”, são postados em respeito a pluralidade de ideias. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*