Grupo Snakebite Roraima: educação, pesquisa e combate ao ofidismo no extremo norte do país

Acidentes ofídicos (picada de cobra) foram considerados, pela Organização Mundial da Saúde, parte da lista de doenças tropicais negligenciadas. Essas doenças ocorrem predominantemente em países em desenvolvimento, não são alvo de muitas pesquisas devido ao baixo investimento, mas acometem mais de 5 milhões de indivíduos por ano.

Anderson Rocha, do grupo Snakebite Roraima, manuseando a “cascavel roraimense”

O Brasil é o país com um dos maiores números de casos de doenças negligenciadas possuindo 18 das 20 doenças presentes nessa lista, sendo o ofidismo concentrado em especial na região norte. E hoje sabe-se que Roraima é o estado com a maior incidência do ofidismo e com alta mortalidade. São vários fatores que podem ser responsáveis por isso com destaque para a falta de campanhas de prevenção, ausência de treinamentos para os profissionais da saúde e dificuldade de acesso ao tratamento, já que grande parte do estado é território indígena. Devido a esse importante problema global de saúde pública, a Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2019 desenvolveu uma estratégia com a meta de reduzir em 50% o ofidismo até 2030.

Anderson Rocha, do grupo Snakebite Roraima, manuseando a “cascavel roraimense”

O grupo Snakebite Roraima está incluso nesse objetivo. Esse realiza pesquisa básica e clínica com peçonhas de animais no extremo norte do país, no estado de Roraima. A parte básica se dá no estudo de componentes e toxinas presentes no veneno de serpentes e escorpiões. A parte clínica ocorre no acompanhamento de envenenamentos graves ocasionados por estes animais no HGR (Hospital Geral de Roraima).

Integrantes do grupo Snakebite Roraima participando de um treinamento no FMT-HVD, em Manaus- AM

Ainda, Snakebite Roraima realiza extensão universitária, onde alunos acadêmicos de Medicina são capacitados, promovem treinamentos e campanhas de prevenção sobre o ofidismo.

Integrantes do grupo Snakebite Roraima participando de um treinamento no FMT-HVD, em Manaus- AM

Inclusive, este é um grupo financiado pela Hamish Ogston Foundation uma fundação inglesa que apoia a Iniciativa Global sobre o Ofidismo da Organização Mundial de Saúde. Ainda tem o apoio e parceria da UFRR (Universidade Federal de Roraima), da Secretaria de Saúde do estado (SESAU) e da Fundação Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (FEMARH)

Dra. Manuela B. Pucca, Coordenadora do grupo Snakebite Roraima

O Snakebite Roraima conta como coordenadora a Dra. Manuela B. Pucca, professora do curso de Medicina da Universidade Federal de Roraima. Além disso, outros professores colaboram com o grupo: Dr. Felipe Cerni, Dr. Umberto Zottich, Dr. Eliseu Sandri, Dra. Bruna Kempfer Bassoli, Dra. Jackeline Costa Maciel e Dr. Alex Jardim. Os integrantes graduandos de medicina são: Thays Prado, Samuel Vieira, Allan Quadros Garcês Filho, Humberto Henrique, Rommel Monte, Jamil Casseb, Gabriel Melo, Katinayane Zolin, Carla Balenzuela, Vitória Souza, Vitória Santos, Poliana Lucena e Mário Jorge.

Integrantes do grupo Snakebite Roraima

Assim, através de projetos educacionais e de pesquisa científica esse grupo vem insistentemente tentando diminuir a problemática do ofidismo em Roraima. Se quiser saber mais sobre a temática do ofidismo, acesse as redes sociais do Snakebite Roraima, nas quais são publicadas imagens e vídeos de curiosidades, palestras, capacitações e dicas.

Estamos presentes no Instagram, TikTok, Facebook e Youtube!

Siga: @snakebite.roraima 

Autor: Allan Quadros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*