Terras indígenas Yanomami, Alto Rio Negro e Mundurukú são as mais pressionadas pelo desmatamento na Amazônia

Dados são do monitoramento trimestral Ameaça e Pressão do Imazon, publicado nesta terça-feira (08), que analisou os meses de fevereiro a abril

Casa de liderança Mundurukú foi incendia no final de maio (Foto: Coiab, Reprodução) – Postada por: IMAZON

A última análise do desmatamento dentro das áreas protegidas da Amazônia feita pelo Imazon mostrou que, entre fevereiro e abril, as três terras indígenas mais pressionadas foram a Yanomami (AM/RR), Alto Rio Negro (AM) e Mundurukú (PA). Os dados são do monitoramento trimestral Ameaça e Pressão, publicado nesta terça-feira (08).

Tanto o território Yanomami quanto o Mundurukú foram alvos de ataques de garimpeiros ilegais recentemente, casos que motivaram ordens judiciais de proteção. No boletim Ameaça e Pressão dos meses de fevereiro a abril do ano passado, ambas as terras indígenas também apareceram entre as 10 mais pressionadas, na primeira e na sexta colocação, respectivamente.

Na publicação, o Imazon classifica como pressão o desmatamento que ocorre dentro das áreas protegidas. No ranking que leva em conta todos os territórios, não apenas os indígenas, o que mais sofreu pressão entre fevereiro e abril foi a APA Triunfo do Xingu (PA), uma unidade de conservação estadual.

O local teve três vezes mais ocorrências de desmatamento que o segundo colocado, o território Yanomami (AM/RR), e quatro vezes mais do que o terceiro, a Flona do Jamanxim (PA), que é uma unidade de conservação federal. Para analisar a pressão nas áreas protegidas, o Imazon cruza dados do seu Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD), monitoramento mensal via imagens de satélites (incluindo radar), com células de 100 km² na Amazônia Legal.

ÍNTEGRA DISPONÍVEL EM: IMAZON

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*