Conversão de floresta em pasto reduz o movimento das aves entre as diferentes paisagens

Estudo mostrou que os serviços ecossistêmicos oferecidos pelas aves ao meio ambiente são prejudicados, tais como polinização, controle de pragas e remoção de carniça

Foto: Jornal da USP

Florestas convertidas em pastagem reduzem drasticamente o movimento das aves entre esses habitats. Esse é um dos resultados de um artigo publicado em dezembro de 2020 na revista científica Biological Conservation. O trabalho é fruto do doutorado da ornitóloga Andrea Larissa Boesing, realizado no Departamento de Ecologia do Instituto de Biociências (IB) da USP.

A pesquisa mostra ainda que a maioria das aves (63%) que se deslocam das florestas para os pastos são generalistas de habitat (aquelas que buscam alimento em ambas as paisagens, tais como beija-flor, tico-tico, sabiá-laranjeira e bem-te-vi ) e que as áreas agrícolas funcionam como uma barreira para o movimento de espécies associadas à floresta (tangará-dançador e fruxu). Além disso, paisagens dominadas por pastos são muito desfavoráveis à conservação de espécies da floresta, mas podem manter os serviços ecossistêmicos do transbordamento para espécies generalistas. “Usamos aves como ferramenta de estudo, mas é bem possível que isso se repita para outros grupos”, sugere Larissa. “Por oferecerem pouco recurso alimentar, as pastagens atuam como uma barreira para esses bichos, não como um conector.”

Grande parte do desmatamento nos trópicos deve-se à conversão de floresta para áreas dedicadas à pecuária. Estudos mostram que as pastagens de gado cobrem 17% de todo o território brasileiro, sendo 7% delas altamente degradadas.

O deslocamento dessas aves é conhecido como spillover (transbordamento, em português), termo que tem ganho bastante destaque desde 2019, quando surgiram os primeiros casos de covid-19 no mundo. Especificamente para o SARS-CoV-2, a principal teoria é que o vírus tenha saltado de morcegos para humanos devido ao maior contato da população com animais silvestres.

Já o transbordamento estudado por Andréa Boesing, do Instituto de Biociências (IB) da USP, teria um efeito positivo ao meio ambiente. “As aves podem ser provedoras de serviços ecossistêmicos, tais como o controle de pragas, a polinização e a remoção de carniça”, explica. “Quis avaliar como diferentes paisagens influenciam essas funções.”

Foram selecionados 51 pontos de amostragem (com dois quilômetros de raio cada uma) na região da Serra da Cantareira, próximo à divisa com Minas Gerais. As áreas eram compostas por fragmentos de florestas e pastagens. “A ideia era estudar, principalmente, se esses animais teriam algum potencial de atuar como predadores de inimigos naturais e, ainda, avaliar qual estratégia eles utilizam para conseguir alimento”, explica a pesquisadora.

Para coletar dados mais precisos sobre as comunidades de aves, os cientistas instalaram redes de neblina (ver fotos abaixo) em cada local de pesquisa e monitoraram as áreas por dois dias consecutivos. Quando capturadas, os animais eram identificados e uma pequena parte da pena da cauda, retirada. O material seguia, então, para o Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena) da USP, em Piracicaba, para realizar a análise isotópica de carbono estável. “No caso desse estudo, a metodologia permitiu identificar com muita precisão em qual matriz as aves obtinham sua dieta”, relata Thiago Simon Marques, biólogo e responsável pelas análises isotópicas.

Por: Fabiana Cristina Mariz
Diagramação: Cleber Siquette

VER ÍNTEGRA EM:     JORNAL DA USP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.